Aleteia
Quarta-feira 21 Outubro |
São Bertoldo de Parma
Atualidade

 Por que a pandemia fez aumentar casos de violência contra a mulher? 

SAD WOMAN,

fizkes | Shutterstock

Octavio Messias - publicado em 13/08/20

Convivência excessiva, estresse causado pela pandemia e machismo estão entre as causas

Desde o começo do ano a pandemia vem expondo e acentuando as principais contradições da nossa civilização. Além das mazelas na economia e do abismo social, a quarentena, iniciada em março, fez as denúncia de agressão contra a mulher saltarem em 40%. No estado do Rio de Janeiro, os casos de violência doméstica chegaram a aumentar 50% durante o confinamento. 

A pandemia trouxa à tona uma triste realidade para muitas milhares que vivem em constante medo por conviverem com agressores sob o mesmo teto. E que agora, por conta da pandemia, precisam estar com seus cônjuges 24 horas por dia, sete dias por semana. O que se torna ainda mais alarmante em um contexto de pandemia, no qual houve um aumento de 80% nos casos de ansiedade e estresse. Fatores econômicos também contribuem com o aumento da tensão.

A situação se agrava nas regiões mais carentes, onde muitas vezes a vítima continua vivendo com o inimigo por falta de outro lugar para morar, principalmente agora, em período de recessão financeira. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), 17,8% das mulheres em todo o mundo sofreram algum tipo de violência, física ou sexual, só no ano de 2019. No Brasil, ainda antes da pandemia, a cada três minutos uma mulher fazia uma denúncia por lesão corporal no âmbito doméstico, em uma média de 200 mil casos por ano.

Preocupam ainda mais os índices de feminicídio, que é o homícidio de mulheres por seu gênero ou por desprezo pela condição feminina. Os índices de feminicídio subiram 22% em 12 estados brasileiros. Recuaram apenas nos estados de Espírito Santo e Rio de Janeiro. Em outros três estados, esse índice sofreu saltos alarmantes: 300% no Acre, 133% no Maranhão e 150% no Mato Grosso. 

Índices tão desoladores são resultado de séculos de cultura machista, o que historicamente oprime as mulheres. Tanto que até 2006, quando foi decretada a Lei Maria da Penha, a violência contra a mulher era tratada como um crime menor, sujeito a penas como trabalho forçado e pagamento de cestas básicas. Com a aprovação da Lei Maria da Penha, casos de agressão física, psicológica, moral, sexual e patrimonial contra a mulher passaram ter punições mais severas. 

Mas ainda temos séculos e séculos de cultura machista – que fomenta esse ódio latente pela figura da mulher – que precisamos desconstruir. Entender que a mulher é um ser humano igual a (ou, em muitos casos, melhor que) nós, homens, deve ser respeitada e a ela devem ser garantidos os mesmos direitos. 

Oprimidas por esse ciclo tóxico, muitas mulheres tendem a se calar e passam anos sofrendo em silêncio. Para reverter esse quadro, se for vítima ou se souber de algum caso de agressão contra a mulher, não deixe de denunciar no 180.

Pois, como muito cedo me ensinou minha mãe: “Não se bate em uma mulher nem com uma pétala de rosa”. 

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
MulherViolência
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
violência contra padres no Brasil
Francisco Vêneto
Outubro de cruz para padres no Brasil: um per...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
SAINT JOSEPH SLEEPS
Philip Kosloski
Durma em paz com esta breve oração a São José
Pe. Gilmar
Reportagem local
Padre é encontrado após três dias desaparecid...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia