Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 17 Abril |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Estudo do Hospital do Papa descobre como crianças neutralizam o coronavírus

school

Halfpoint - Shutterstock

Reportagem local - ACI Digital - publicado em 23/03/21

A exposição das crianças a outros vírus pode ser o motivo pelo qual o organismo delas reage mais rapidamente ao coronavírus

Uma pesquisa do Hospital Bambino Gesù de Roma, o “Hospital do Papa”, identificou as características imunológicas que fazem com que as crianças sejam mais propensas a neutralizar o coronavírus logo na primeira semana de infecção.

O estudo aconteceu em parceria com a Universidade de Pádua e o Instituto Zooprofilático Experimental de Veneza. A revista científica Cell Reports publicou os resultados da pesquisa.

O objetivo principal foi responder à seguinte questão: por que a maioria das crianças infectadas com o coronavírus SARS-CoV-2 supera a infecção rapidamente ou desenvolve apenas sintomas leves?

Além disso, o estudo ainda tentou chegar ao motivo pelo qual algumas crianças são capazes de neutralizar o vírus antes de outras. A resposta estava nas características imunológicas das crianças.

Resultados da pesquisa do Hospital do Papa

A pesquisa Hospital do Papa contou com a participação de 66 pacientes com idades entre 1 e 15 anos. Todos estavam internados no Centro Covid do Bambino Gesù de Palidoro em 2020.

De acordo com um comunicado de imprensa do hospital, “as investigações laboratoriais mostraram como o perfil imunológico das crianças, que depois de uma semana já conseguiam neutralizar o vírus, estava caracterizado por um grande número de linfócitos T e B específicos contra o SARS-CoV -2, capazes de se reproduzir rapidamente ao entrar em contato com o patógeno e de produzir um grande número de anticorpos para neutralizá-los”.

O comunicado ainda afirma que “nas crianças com este perfil imunológico particular detectou-se uma carga viral muito baixa uma semana depois, capaz de anular efetivamente a sua capacidade infecciosa e, portanto, a possibilidade de contágio, também na presença de uma PCR ainda positiva”.

Relação com outros vírus

Além disso, o estudo revela que “a presença de linfócitos T e B específicos contra o coronavírus parece estar relacionada à exposição de crianças a outros vírus sazonais. Os pacientes com maior capacidade de neutralizar rapidamente a SARS-CoV-2, na verdade, eram aqueles que já haviam entrado em contato, ao longo de sua história médica, com um número elevado de outros vírus do resfriado”.

De fato, o resultado deste estudo do Hospital do Papa permitirá no futuro “adotar melhores estratégias terapêuticas, verificar a eficácia da vacinação em crianças e projetar medidas de quarentena personalizadas”.

(Com ACI Digital)


BAMBINO GESU

Leia também:
Coronavírus: menino de seis anos salvo no hospital do Papa

Tags:
CovidCriançasPandemiaSaúde
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia