Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 01 Agosto |
home iconEstilo de vida
line break icon

Por que momentos de tédio podem fazer bem?

BORED

Photographee.eu | Shutterstock

Michael Rennier - publicado em 21/06/21

O tédio não é um estado de espírito que procuramos ativamente, mas talvez devêssemos procurá-los (pelo menos em pequenas doses)

Quando eu era adolescente, trabalhei em uma fazenda de abóboras. Os fazendeiros mais velhos, que haviam herdado a terra do pai, contentavam-se em passar horas sentados à sombra do celeiro, observando em silêncio o céu nublado deslizar pelos campos sulcados. Eles estavam em paz com a monotonia, mas no calor sufocante da planície de inundação do Mississippi eu ficava inquieto. Tão inquieto, na verdade, que procurava qualquer pequeno trabalho, qualquer tarefa, que pudesse fazer para preencher o tempo e me livrar do tédio.

Nos dois verões seguintes, aprendi com aqueles homens calmos que passavam a vida inteira se adaptando aos ritmos lentos e inexoráveis ​​da terra. Sei que parece engraçado expressar dessa maneira, mas, desde então, em toda a minha vida adulta, procurei de propósito momentos de tédio. Eu fico parado e olho para o céu por um minuto, ou sento com uma xícara de café na varanda pela manhã. Vou esperar na fila do caixa da loja, o telefone enfiado com segurança no bolso e simplesmente prestar atenção ao que está acontecendo ao meu redor, os negócios monótonos da vida cotidiana, o choro de uma criança, a conversa fiada dos caixas, o cara solteiro comprando pizzas congeladas, tudo pontuado pelo bip da caixa registradora. Às vezes encontro muita beleza nesses momentos. Às vezes, sinto uma dor espiritual.

O tédio como alerta

Por experiência própria, o tédio costuma ser exatamente isso – enfadonho. Não há grandes epifanias que chegam automaticamente com ele. Eu penso no tédio mais como um sintoma de doença. É um sinal de que minha vida está muito confortável, que parei de lutar para prestar atenção e viver cada momento ao máximo. Em vez disso, cedi à complacência. Nesse sentido, o tédio é um sistema de alerta precoce, que nos diz para renovar nossa vida interior, para nos esforçarmos mais, para não nos contentarmos com a mediocridade. Nesse sentido, é muito importante ficar entediado.

Parece-me que o tédio é um luxo da era moderna. Em tempos menos avançados tecnologicamente, a humanidade estava ocupada tentando sobreviver, caçando e sendo caçada, recolhendo lenha e construindo abrigos. O tédio era menos problemático. Nosso tédio é um subproduto de nossa desconexão do mundo ao nosso redor. Não temos mais prazer em ouvir o canto de um pássaro e sentir a satisfação de respirar fundo.

Por que evitar ficar entediado(a)?

Recentemente li The Pale King, um romance inacabado de David Foster Wallace. Todo o romance é sobre tédio. No prefácio, Wallace escreve:

“Talvez a monotonia esteja associada à dor psíquica porque algo que é monótono ou opaco não fornece estímulo suficiente para distrair as pessoas de algum outro tipo de dor mais profunda que está sempre lá … Esse terror do silêncio sem nada que o desvie o faz.”

Ele acredita que esse impulso de evitar o tédio nos impede de fazer o verdadeiro trabalho de entender por que a vida pode ser tão agridoce, a maneira como é cheia de alegria e tristeza. Ser um ser humano envolve ambos. Recusar-se a ficar entediado é uma tentativa de evitar a tristeza, mas, no final, essa recusa também significa que perdemos a alegria porque acabamos procurando diversões rasas e distrações sem sentido. Para viver profundamente, devemos aceitar tudo o que a vida envia ao nosso caminho, sem recusar nada, nem o bom ou mau, o excitante ou o enfadonho.

Existem muitos artigos por aí sobre como devemos deixar nossos filhos ficarem entediados. O tédio, de fato, aumenta a criatividade, o autocontrole e o desenvolvimento da identidade. Acredito que isso seja verdade tanto para adultos quanto para crianças.

O tédio não é um estado de espírito que procuramos ativamente, mas talvez devêssemos procurá-los (pelo menos em pequenas doses). Pode ser que o que nos é revelado nesses momentos seja muito maior, muito mais vasto do que poderíamos imaginar.

Tags:
sentimentos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
SIMONE BILES
Cerith Gardiner
Simone Biles deixa as Olimpíadas com uma lição importante para to...
2
Batizado de Davi Henrique, 6 anos
Reportagem local
Davi, de 6 anos, reclama do padre no batizado: “Tá sabendo ...
3
Ítalo Ferreira
Reportagem local
Ouro no surfe em Tóquio, Ítalo Ferreira rezou todos os dias às 3h...
4
HIDILYN DIAZ
Cerith Gardiner
Olimpíadas: depois de ganhar o ouro, atleta exibe outra medalha e...
5
David Arias
Reportagem local
Ex-satanista mexicano retorna à Igreja e testemunha: “O ter...
6
Claudio de Castro
Como salvar nossas almas nos últimos minutos antes da morte
7
Pessoa idosa rezando o terço
Reportagem local
Brasil: carta de despedida de bisavó de 96 anos comove as redes s...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia