Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 17 Setembro |
São Roberto Belarmino
home iconAtualidade
line break icon

Documentário retrata a realidade dos índios yanomami na Amazônia 

yanomani, índios

Pablo Bayley Angeleri / Shutterstock.com

Octavio Messias - publicado em 10/09/21 - atualizado em 10/09/21

A Última Floresta, do diretor Luiz Bolognesi, foi exibido em festivais nos quatro continentes e agora estreia em todo o Brasil

Depois do aclamado longa Ex-Pajé (2018), o cineasta paulistano  Luiz Bolognesi está de volta à temática indígena com o documentário A Última Floresta, que retrata as crenças, os costumes, a luta e o dia a dia de uma tribo da etnia yanomami na aldeia Watoriki, em Roraima.

O novo filme é baseado no livro A Queda do Céu – Palavras de Um Xamã Yanomami (2015), escrito com o etnólogo francês Bruce Albert junto com o líder da tribo, o pajé Davi Kopenawa Yanomami, que divide com Bolognesi os créditos pelo roteiro de A Última Floresta.

O longa chega à telas brasileiras depois de ser exibido para 10 mil pessoas em 9 festivais nos quatro continentes, tendo sido eleito vencedor pelo público na mostra Panorama, do Festival de Berlim, e vencedor do prêmio de melhor filme no festival Seoul Eco, na Coréia do Sul. O documentário ainda teve uma exibição especial para os Yanomami e foi ovacionado na aldeia.       

Habitat

A Última Floresta se divide em dois aspectos, como se fosse dois filmes dentro de um. O primeiro se dá em uma esfera poética, que retrata com imagens etéreas cheias de nuances o cotidiano que vive em harmonia com a natureza, que divide sua comunidade em três atividades básicas: caça, pesca e artesanato, como cestos de palha.

O filme celebra um dos princípios dos povos indígenas, que é o prazer de viver o aqui e agora. Para eles não faz sentido ter uma agenda ou se preocupar com o dia de manhã, pois o único espaço em que podemos ser felizes é o presente.

A ansiedade, mal tão comum hoje em dia para o homem branco, seria o peso de um passado mal-resolvido ou não plenamente realizado, como alguma mágoa com pai e mãe – os povos indígenas valorizam muito a relação com seus ancestrais, assim como a preservação da natureza.

Conflitos

O segundo e não menos importante aspecto do filme é o de denúncia, o que causa impacto no espectador após uma série de imagens que transmitem tamanha plenitude. Denúncia do desrespeito com a terra e com a história desse povo que já estava no Brasil 500 anos antes do descobrimento do país por Pedro Álvares Cabral.

É citado um episódio de 1993, ano seguinte ao reconhecimento pelo governo brasileiro da Terra Indígena Yanomami, que ficou conhecido como massacre do Haximu, quando 16 indígenas, incluindo mulheres e crianças, foram mortos por garimpeiros de ouro.

O filme é lançado em um momento crucial para o futuro dos povos indígenas, quando grileiros e garimpeiros devastam a Floresta Amazônica em velocidade recorde, e quando se discute o Projeto de Lei 490, que permitiria o contato de empresas privadas com os povos isolados, e o Marco Temporal, que passaria a reconhecer apenas os territórios indígenas demarcados antes da promulgação da Constituição em 1988, o que excluiria a aldeia Watoriki.

Além de ferir os direitos dos povos originários, tais medidas acelerariam ainda mais a devastação do meio-ambiente, já que o que ainda temos de floresta preservada se deve à resistência indígena. 

Tags:
Cinema

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
2
Irmã Lúcia, de Fátima, e o Papa São João Paulo II
Francisco Vêneto
O terço “funciona”, garante a Irmã Lúcia, de Fátima: e ela explic...
3
Orfa Astorga
Os erros mais comuns das sogras
4
Papa Francisco pede homilias mais curtas
Francisco Vêneto
Papa Francisco pede aos padres: façam homilias mais curtas
5
porta
Reportagem local
Capelão de hospital: ação dos anjos é fundamental na hora da mort...
6
Ricardo Sanches
Menino de 4 anos brinca de missa, conhece vários santos e surpree...
7
ROSARY
Philip Kosloski
É verdade que meu Anjo da Guarda termina de rezar o Rosário se eu...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia