Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 16 Outubro |
Santa Margarida Maria Alacoque
Aleteia logo
home iconEstilo de vida
line break icon

Como ter um bom relacionamento com quem te incomoda

fizkes | Shutterstock

Carlos Padilla Esteban - publicado em 29/09/21

No trabalho em equipe, por exemplo, deixe-se tocar pelo que os outros sentem ou sofrem

É essencial aprender a compartilhar a vida. Com quem você gosta e com quem não gosta. Mas, às vezes, me pergunto como ter um bom relacionamento com pessoas que me incomodam.

Eu gostaria de ser capaz de criar intimidade sem medo de criar laços. Porque os laços me fazem crescer.

Não tenho medo da vida nem do que implica viver. Mas preciso aprender a descansar quando a alma está cheia de compromissos e tudo pesa sobre mim.

Nesses momentos, costumo deixar de lado o que me oprime, o que me angustia, o que me incomoda. Aprender a desconectar é talvez a tarefa de toda a minha vida.

Vivendo com pessoas diferentes

Eu não quero ficar sozinho. Quero compartilhar a vida com aqueles que caminham comigo, sem medo de perder, sem medo de que eles tirem o que eu agora retenho no esforço de preservar tudo que amo.

Sei como é a realidade em que me encontro e sei o que me preocupa no coração.

Não vivo inconscientemente, mas suportando o peso dos meus passos. Enfrento todos os dias a diversidade que faz parte do meu caminho e aceito quem tem opiniões diferentes da minha.

Não quero viver em tensão, desqualificando quem não pensa como eu. Prefiro conhecê-lo, saber seus motivos e por que eles pensam e ser meus amigos.

Sempre haverá pessoas que pensam e reagem de forma diferente aos contratempos que a vida traz.

Você sabe o motivo de suas reações?

A mesma realidade pode despertar atração ou produzir forte rejeição. Depende de quem está enfrentando isso.

atração e a rejeição são uma oportunidade de treinamento. Se eu sofrer rejeição, posso analisar as causas. Por que reajo com nojo, raiva, ódio, desprezo? De onde vem o que sinto?

Eu olho dentro de mim. Existem razões ocultas que às vezes eu mesmo não conheço. Quando percebo o que está despertando dentro de mim, vejo claramente como é meu coração.

Algo aconteceu na minha história. Um encontro ou um desentendimento. Aprendo com o que sinto, com minha percepção das coisas e me encarrego de minhas tensões internas.

Aceito que não sou tão objetivo quanto finjo. Eu sou o filho da minha história. Tenho um passado que carrego e isso enche minha alma de emoções.

Sair de mim e me abrir para o outro

Olhar para mim mesmo com paz e alegria me faz sentir melhor. Eu quero ser eu mesmo e sentir o que sinto. Não é ruim.

Ao mesmo tempo, entendo que outras pessoas têm outras reações e outros sentimentos.

Para isso tenho que me abrir para suas histórias, para suas vidas. Para fazer isso, tenho que sair de mim mesmo e sei que sair da autorreferência exige muita humildade e abertura.

Sair de mim mesmo para me aproximar do meu irmão, do diferente, do distante e tentar compreendê-lo e aceitá-lo.

Dificuldades de convivência

Tudo o que me acontece, o que sinto, o que sofro, são oportunidades que a vida me dá de aprender. Eu não passo por cima das coisas.

Tudo me afeta, vou mais fundo, vou para dentro, descubro e sinto. Tenho consciência das dificuldades de trabalhar em equipe, deixo-me tocar pelo que os outros sentem ou sofrem.

É fácil aconselhar os outros, mas devo fazer o mesmo que aconselho. Às vezes me pego dizendo coisas que outras pessoas deveriam fazer ou pensar.

Eu me vejo dando sermões ou colocando cargas sobre os ombros dos outros enquanto ando levemente evitando a luta e a rendição.

Eu me fecho em meus pensamentos e posturas, acreditando que ninguém pode me machucar ali. Vã ilusão.

Não estou seguro de minhas garantias e não me sinto em paz dentro de minhas paredes protetoras.

Descobrir outros pontos de vista

Com o tempo, verifiquei que nem tudo está absolutamente claro. E que podem haver diferentes pontos de vista.

E que o que expresso agora com paixão, talvez de forma um pouco exagerada, não é absoluto. O que acontece comigo é que não deixo ninguém me ajudar a escalar a montanha.

Talvez eu tenha medo do conflito, de contar a verdade a meu irmão e enfrentar seu desprezo ou suas críticas.

Assusta-me reconhecer tudo o que sinto na minha alma. Mas sei que quero compartilhar a vida e os sonhos com quem caminha comigo. Criar raízes na terra em que piso. Amar o concreto, o humano, a vida que vivo.

O desafio da diversidade

Me acalmo quando olho para o futuro, o que está ao meu redor, o que ainda não tenho, o que não entendo. E sonho com uma vida muito maior do que a que tenho agora.

Presumo que a diversidade seja real, porque não existe um pensamento único. Isso não me desanima, pelo contrário, faz minha alma feliz.

Não preciso que todos pensem como eu para ter paz e ser feliz. Enquanto isso, continuo meu caminho, e o desejo de ir mais longe e mais alto brota do meu coração.

Não tenho medo do esforço, nem da luta, nem da resignação. São palavras que fazem parte da vida.

A chave que abre todas as portas: misericórdia

Nem tudo é sempre bem-vindo. Eu sei que misericórdia é a experiência mais forte que terei. Muito mais que justiça.

Aqui na terra, a injustiça e a impunidade são mais frequentes. O mal parece mais forte do que o bem e o ódio mais poderoso do que o amor.

A verdade é que a misericórdia é a chave que abre todas as portas. O amor que desce sobre quem sofre, sobre quem não faz o bem e dá perdão imerecido.

Eu nunca mereço ser perdoado. Mas abraçar um amor misericordioso me salva da minha miséria.

Não sou digno e não mereço os presentes que recebo. Aprendo a ser grato. E não pretendo que todos compartilhem do meu olhar.

Presumo que a vida seja longa e só tenho uma chance de viver meu presente. Quero fazer isso com amor, não deixando espaço para ressentimento ou ódio.

Só assim vale a pena dar vida e sentir que tudo o que vivo faz parte de um sonho tecido por Deus na minha alma.

Tags:
AmizadeComunicaçãoMisericórdiaPazRelacionamento
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
MARRIAGE
Matrimonio cristiano
Beijar a aliança todos os dias: uma indulgência especial aos casa...
2
Milagre do Sol em Fátima
Reportagem local
13 de outubro: o dia em que o mundo presenciou o Milagre do Sol e...
3
Reportagem local
O grande crucifixo submerso que só pode ser visto quando o lago c...
4
Restauração da imagem de Aparecida por Maria Helena Chartuni
A12
Arrebentada em 200 pedaços: a impactante experiência da restaurad...
5
PRIEST-EUCHARIST-ELEVATION-HOST
Philip Kosloski
O que devemos rezar quando o padre eleva a hóstia e o cálice?
6
MULHER REZANDO
O São Paulo
Rezar deitado: é certo ou errado?
7
Claudio de Castro
Uma alma do Purgatório te agradecerá por isto
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia