Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 24 Janeiro |
São Feliciano de Foligno
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Documentário sobre Michael Schumacher destaca seu lado pai de família

F1

photoyh / Shutterstock.com

Octavio Messias - publicado em 24/10/21

Disponível no Netflix, filme mostra a vida do piloto do início na Fórmula 1 até o trágico acidente que o deixou em coma

Com grande alarde, estreou Netflix na semana passada o documentário Schumacher, que narra a ascensão do maior campeão da história da Fórmula 1, vencedor de sete temporadas. A primeira metade do longa – dirigido pelo trio Hans-Bruno Kammertöns, Vanessa Nöcker, Michael Welch – foca na chegada do futuro heptacampeão à categoria, vindo da Fórmula 3, pela equipe Benetton. E inclui imagens de arquivo do alemão fazendo as primeiras curvas em um kart. 

Misto de registro documental e homenagem, o filme não entra em detalhes sobre o trágico acidente de esqui sofrido pelo piloto nos Alpes Franceses em 2013, que o deixou em coma até a metade do ano seguinte. O processo de reabilitação e o estado de saúde de Michael Schumacher desde então são mantidos sob sigilo. 

Competitividade

O documentário faz um bom trabalho ao retratar o piloto como um atleta obstinado, um visionário sempre em busca do auge da perfeição. E também expõe seu lado mais competitivo, o que gerou atrito com outros competidores. Quando Schumi, como é carinhosamente chamado, chegou à Fórmula 1, em 1991, a categoria estava dominada por alguns dos maiores pilotos da história, como Ayrton Senna, Alain Prost, Nigel Mansell e Nelson Piquet. E foi justamente com Senna, outro atleta extremamente competitivo, que Schumacher viveu seu primeiro atrito. 

No GP de Magny-Cours, na França, em 1992, Schumacher bateu na traseira do brasileiro, tirando-o da prova. O filme traz imagens de Senna dando uma tremenda bronca no alemão após a prova. “Senna percebeu que ele era alguém. Quando você é um leão, todos os leões percebem quando o jovem leão chega e querem marcar território”, diz Flavio Briatore, à época, diretor da Benetton. 

Sem fazer julgamento, o filme repassa momentos controversos na carreira de Schumi, como quando bateu propositalmente em Damon Hill (que dá depoimentos no documentário) no GP da Austrália de 1994, o que lhe garantiu o primeiro título na Fórmula 1. E o GP da Europa de 1997, quando colidiu com Jacques Villeneuve e teve toda a temporada desqualificada pela FIA. 

Fortes emoções

Schumacher mostra a difícil migração do então bicampeão para a Ferrari, em 1996. Devido a dificuldades técnicas com o carro, o piloto só conquistou seu terceiro título no ano 2000, então se manteve invicto em todas as temporadas até 2004. O filme, no entanto, revela que a Ferrari cogitou demitir o alemão durante o período de hiato. 

De maneira talvez não-intencional, o filme mostra como Schumacher era viciado em adrenalina. Quando abandonou o automobilismo em 2006, pois sentia falta de motivação para continuar competindo, como aparece falando no documentário, o piloto passou a ocupar seu tempo saltando de paraquedas ou praticando o esporte na neve que anos depois o deixaria em coma. Fica subentendido como Schumi retornou às pistas em 2010, para disputar mais três temporadas na Fórmula 1 na Mercedes, pelo mais puro tédio.

Homem de família

De perfil reservado, Schumacher não costumava revelar muita coisa sobre sua vida pessoal. “O que é privado deve se manter privativo”, costumava dizer à sua esposa, Corinna Betsch, com quem se casou em 1995 – imagens da cerimônia e da festa foram incluídas no filme. Além de diversos registros amadores de momentos íntimos em que o alemão se mostra um marido leal e um pai dedicado. 

Seus dois filhos, Gina Schumacher, hoje com 24 anos, e Mick Schumacher, 22, que estreou este ano na F1, dão depoimentos no documentário. Que chega a comover em seus momentos finais, quando Mick fala da falta que sente do pai. “Acho que meu pai e eu nos entenderíamos de uma forma diferente agora, simplesmente porque falamos uma linguagem semelhante, a linguagem do automobilismo, e sobre o que teríamos muito mais o que conversar. E é aí que minha cabeça fica na maior parte do tempo, pensando que seria muito legal. Eu desistiria de tudo só por isso.”

Tags:
ArteCinemaCultura
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia