Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 04 Outubro |
São Francisco de Assis
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

A empresa brasileira de software e consultoria que quer “ser como Maria”

Ricardo Funari, Synchro e His Way at Work Brasil

His Way at Work Brasil | Cortesia

Ricardo Funari durante congresso nacional da His Way at Work Brasil, 4 de abril de 2022

Reportagem local - publicado em 05/04/22

Onze fundadores e nenhum propósito: a trajetória de transformação de uma empresa que focou no "para quê"

Transcorridos 30 anos desde a sua fundação, e depois de intensas transformações societárias, estruturais e de identidade, uma empresa brasileira de software e consultoria na área tributária se apresenta hoje aos próprios colaboradores, clientes, fornecedores e parceiros com um propósito surpreendente: “Ser, como Maria, sinal de Deus na sociedade”.

Mas nem sempre foi assim. Ricardo Funari é um dos sócios da Synchro, uma empresa que, segundo ele próprio, nasceu com “onze sócios e nenhum propósito”. Dos onze, somente ele continua na empresa. Ao longo dos anos, outros entraram e saíram da companhia, que, hoje, tem mais dois sócios além de Funari. Um dos fatores fundamentais que mantêm a coesão societária entre os atuais proprietários é justamente o fato de estarem bem alinhados não apenas com a atividade econômica da empresa, mas também com a sua missão e, acima de tudo, com o seu propósito.

Atividade econômica, missão e propósito

Como atividade econômica, a Synchro oferece um pacote de soluções que unem software, serviço e conteúdo para “prover conformidade tributária” aos seus clientes, que são médias e grandes companhias brasileiras e multinacionais. A atividade econômica é crucial porque garante a sustentabilidade da empresa – mas ela não é a missão, nem, muito menos, o propósito de uma empresa.

A missão de uma empresa diz respeito ao legado que ela quer deixar à humanidade. Na Synchro, a missão é “contribuir para uma sociedade mais humana”: diretores e colaboradores são incentivados e capacitados para estabelecer vínculos entre pessoas, humanizando processos e aprofundando relacionamentos com base nos cinco valores corporativos específicos da companhia – justiça, cuidado, confiança, excelência e família.

Essa humanização crescente das relações na Synchro, por sua vez, inspira-se no propósito da empresa: “Ser, como Maria, um sinal de Deus na sociedade”.

Sim: Maria de Nazaré, explicitamente, é o modelo de pessoa que a empresa quer imitar.

“Ser, como Maria, sinal de Deus na sociedade”

Mas não surgem atritos junto a colaboradores, clientes ou parceiros quando a empresa propõe como modelo alguém com uma associação tão imediata com a religião católica? Não será um desrespeito ou até uma forma de assédio moral contra quem não é católico?

Ninguém na empresa é forçado a rezar a Maria nem a venerá-la como santa. Aliás, a empresa tem colaboradores evangélicos, espíritas, budistas, ateus, pessoas sem vínculo religioso algum, e nenhum deles sofre discriminações por abraçar a sua própria crença.

Há empresas, aliás, que declaram inspirar-se em modelos como Mahatma Ghandi, Martin Luther King, Francisco de Assis, o Dalai Lama, Zumbi dos Palmares, a Madre Teresa de Calcutá. A Synchro se inspira declaradamente em Maria de Nazaré.

Trata-se, historicamente, de uma mulher que testemunhou de forma poderosa os valores que a empresa adota hoje: a jovem grávida que, ao saber das necessidades de sua prima mais velha e também gestante, foi às pressas rumo às montanhas para ajudá-la; a jovem mãe que, diante das ameaças do rei Herodes contra a vida do seu bebê, partiu corajosamente rumo ao Egito como refugiada, em lombo de burro, com o marido José, enfrentando dois anos de exílio em terra estranha para proteger o menino; a viúva Maria, gentil e atenciosa, que, ao ir com o Filho a um casamento em Caná, percebeu o constrangimento dos noivos porque o vinho estava terminando e, rapidamente, intercedeu junto a Jesus para que fizesse o seu primeiro milagre; a Maria madura, forte, serena, que, diante da dor indescritível de ver o próprio Filho torturado, crucificado e morto no Calvário, arrancou esperança, fé e amor de onde humanamente não havia e foi consolar e encorajar os discípulos d’Ele, amedrontados, frustrados e desesperados.

Esses comportamentos de Maria estão entre os muitos “sinais de Deus na sociedade” que a Synchro compartilha como inspiradores – para quem quiser livremente deixar-se inspirar.

Outro desses sinais divinos é justamente o “insight” de que é possível, sim, ser livre para viver em coerência com a própria fé não apenas nos âmbitos privados, mas também na vida profissional, sem atritos com quem professa crenças diferentes. E isto é de importância extraordinária numa sociedade como a nossa, em que prevalece, cada vez mais, uma narrativa laicista e autoritária que dita que Deus deve ser deixado em casa, barrado muito antes das catracas nos edifícios corporativos. Alega-se que declarar fé em Deus no local de trabalho ofende quem não acredita n’Ele.

Na verdade, o que é ofensivo é o contrário: é impor a todos uma visão restritiva, limitante e uniformista de mundo; é censurar a liberdade de crença, pensamento e expressão de muitos em nome da intolerância antirreligiosa de alguns; é violentar a unidade individual, obrigando as pessoas a se fragmentarem e a forjarem compartimentos na própria vida, em vez de poderem exercer a liberdade de ser elas mesmas em algo tão sacrossanto quanto a própria consciência.

Capela Synchro
Capela da sede da empresa Synchro em São Paulo

“À Maneira de Deus no Trabalho”

O processo trilhado pela Synchro para definir e aprofundar a sua identidade corporativa contou com o auxílio da organização cristã ecumênica internacional His Way at Work. O nome da organização, que quer dizer “À Maneira d’Ele no Trabalho”, faz menção explícita a Deus: é um convite a imitar a Cristo também no ambiente profissional, praticando com naturalidade o Evangelho no dia-a-dia.

A His Way At Work (HWAW) foi fundada em 2008 nos Estados Unidos pelo empresário Peter Freissle. Sua missão é inspirar e ajudar líderes de negócios a transformarem suas empresas a partir de Deus e através de valores cristãos, a fim de gerarem “E-ROI” (Retorno Eterno sobre o Investimento). Esse peculiar conceito é um enriquecimento do “ROI”, termo-chave da vida empresarial porque define o Retorno sobre o Investimento (“Return Over Investment”). A forma de se gerar esse valor de eternidade no cotidiano da empresa é a “Cultura do Cuidado”: um conjunto crescente de iniciativas voltadas a cuidar dos colaboradores e dos seus familiares nos níveis físico, emocional-mental e espiritual, mediante um comitê formado e dirigido pelos próprios colaboradores, com base em metodologia específica implementada por etapas e cascateada para toda a organização.

Neste começo de abril de 2022, a HWAW organizou o seu 2º Congresso Nacional no Brasil, em São Paulo (dias 1º a 3) e São José do Rio Preto (dias 4 e 5). Ricardo Funari, fundador da Synchro e atual presidente do Conselho da HWAW no país, compartilhou diante dos empresários participantes o seu testemunho de transformação da própria empresa: de onze fundadores e nenhum propósito, a Synchro passou a ser uma inspiração para empresas que desejam refundar-se justamente a partir do propósito. No caso, um propósito que é nada menos que “Ser, como Maria, um sinal de Deus na sociedade”.

Para mais informações:

Armando del Bosque (HWAW América Latina)
armando@hwaw.com

Tags:
Doutrina Social da IgrejaMariaTestemunhoTrabalho
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia