Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 07 Outubro |
Nossa Senhora do Rosário
Aleteia logo
Para Ela
separateurCreated with Sketch.

Pe. Zezinho: “mães quase sempre sofrem, mas acabam beijando o filho de quem discordam”

mães sofrem

Focus and Blur | Shutterstock

Reportagem local - publicado em 05/04/22

"Estamos diante de escolhas pessoais e afetos pessoais numa era de liberdades individuais como nunca se viu"

O pe. Zezinho publicou em sua rede social um comentário sobre a postura frequente das mães quando o comportamento dos filhos não é o que elas teriam sonhado: segundo o sacerdote, elas “quase sempre sofrem, mas acabam beijando o filho de quem discordam”.

Eis o que o padre escreveu:

“Padres que estudaram comportamento humano e psicólogos sabem conversar com estas mães. Dona Diva chora achando que a culpa foi dela. O marido foi morar com outra mulher, um filho é gay, uma filha é lésbica e apenas um filho e uma filha seguiram os conselhos da mãe. Estão casados na Igreja.

A resposta não pode ser nem dura, nem simplista. Naquela casa faltou muita coisa e não é justo culpar a mãe pelas tendências dos filhos. Até porque nenhum dos quatro filhos mexem com droga ou têm comportamento marginal. Quanto a escolhas e preferências amorosas dos filhos, é coisa deles. Não viveram e não vivem 24 horas por dia trancados nos quartos. Os relacionamentos aconteceram lá fora. E nenhum dos filhos forçou a mãe a receber seus afetos na sua casa. Três moram fora e só uma filha está com a mãe. E ela respeita o sentimento da mãe.

Então, estamos diante de escolhas pessoais e afetos pessoais numa era de liberdades individuais como nunca se viu.

Os poderosos veículos de informação e de motivação de hoje estão nos aparelhos da casa, nos que levam no bolso e nas mãos. Com tanta informação longe do pai e da mãe, numa sociedade divorcista e cada vez mais liberal, não cabe culpar a mãe pelos afetos dos filhos. Não se agredindo e não se humilhando mutuamente é possível respeitar-se.

Conversar sobre isto pode ser salutar no que sobrou daquela família. E a mãe pode ser este elo. Mães quase sempre sofrem, mas acabam abraçando e beijando a filha ou o filho de quem discordam!

Mães são feitas mais de ternura do que de dureza. Dizem verdades, mas não as empurram pelos ouvidos e pelo coração. E esperam contra toda esperança! Continuam apostando que os filhos serão felizes, mesmo que não sigam todos os conselhos maternos! Faz tempo que deixaram de ser crianças!… A Igreja? Discorda, mas não agride! Ensina, mas não força!”.

Tags:
FamíliaFilhosMaternidadeSexualidade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia