Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 01 Outubro |
Santa Teresinha do Menino Jesus
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

“É escravidão”: “pai” do primeiro bebê de proveta fala contra maternidade de substituição

FIV

© RusAKphoto - shutterstock

Mathilde de Robien - publicado em 02/05/22

Conhecido por seu trabalho que levou ao nascimento do primeiro bebê de proveta francês em 1982, o professor René Frydman é um ardente defensor das técnicas de reprodução medicamente assistida. Mas sua luta pela fertilidade a todo custo para claramente na maternidade de substituição, que ele descreve como "prostituição" e "escravidão"

Quando as palavras para denunciar a maternidade de substituição (também conhecida pela sigla GPA ou pela expressão “barriga de aluguel”) vêm da boca do pai científico do primeiro bebé de proveta, devem ser ainda mais marcantes. Embora tenha ido tão longe quanto possível na ajuda aos casais inférteis para conceber, o Professor René Frydman, 78 anos, sempre considerou a GPA como uma linha vermelha que não deve ser atravessada.

No seu último livro, Le Dictionnaire de ma vie (Editora Kero), desenvolve um argumento mordaz e convincente segundo o qual a GPA não é mais do que um “abandono organizado” da criança e uma forma de escravatura moderna das mulheres.

René Frydman foi, no entanto, um vanguardista durante o que ele chama “os 40 gloriosos anos da ginecologia”. Em 1973, assinou o manifesto dos 331 médicos que admitiram ter realizado um aborto, um crime na altura. Em 1982, com o biólogo Jacques Testart, permitiu o nascimento do primeiro bebé de proveta em França, concebido por fertilização in vitro (FIV), depois o dos primeiros bebés franceses concebidos a partir de oócitos congelados. Em Março de 2016, assinou um artigo no Le Monde com 130 médicos e biólogos que reconheceram que tinham ajudado casais homossexuais a ter filhos em violação da lei. A sua última batalha diz respeito à extensão da reprodução medicamente assistida (MAP) a todas as mulheres, sejam elas solteiras ou homossexuais.

No entanto, quando se trata de GPA, já não se trata de ter um “direito” a uma criança. “Como é que ter uma criança é um direito? Não está escrito em nenhuma constituição do mundo”, questiona ele no seu último livro, denunciando firmemente o “direito à paternidade” em voga nos dias de hoje.

Abandono organizado

René Frydman começa a sua acusação à maternidade de substituição (GPA) sublinhando toda a hipocrisia prevalecente e crescente em esconder e ignorar a realidade desta prática: se nos anos 80 as pessoas falavam de “mães substitutas”, a expressão “maternidade de substituição” apareceu nos anos 90. “De um aluguel, passamos para uma doação”, diz. “Ou à arte de embrulhar a gestação com afeto para torná-la mais apresentável”. Mais um esforço e estaremos a falar de amor e generosidade. Isto é de fato o que a atual fórmula da “GPA ética” implica.

No entanto, para o professor, o próprio princípio da maternidade de substituição não é absolutamente nenhuma doação, mas sim um abandono. Um abandono programado e intencional, ao contrário do abandono de uma criança por uma mulher que a entregaria para adoção.

“Não há, por parte de uma mãe de origem, o desejo de conceber uma criança com o único objetivo de abandoná-la. Mas isso é o que acontece com a maternidade de substituição. “É um abandono organizado, programado e monetizado. Pior, na medida em que a medicina intervém, é um abandono por prescrição médica!

Prostituição e escravatura

O professor fica surpreendido com a falta de reação das feministas em relação ao tema da GPA. Para ele, é “uma forma grave de violência contra as mulheres”. Para além das consequências psicológicas para a mulher (ignorar a gravidez, não estar apegada à criança, etc.), é a comercialização do seu corpo.

“Dispor do corpo de uma mulher durante uma média de doze meses como máquina de procriação é nada menos que a alienação dos outros, prostituição, escravatura”. Apelou aos países que permitem a maternidade de substituição para que a erradiquem, em nome do princípio fundamental da não-comercialização do organismo.

“Este seria um passo em frente tão importante como a abolição da pena de morte. Podemos colocar todo o açúcar que quisermos dizer, não mudará nada ao que é uma forma de escravatura. Autorizá-la é uma regressão, seria negar o valor do progresso, este humanismo que quer que protejamos acima de tudo os mais fracos”. Uma fórmula quase evangélica.

Tags:
FamíliaFilhosGravidez
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia