Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 01 Dezembro |
Bem-aventurada Maria Rosa de Jesus
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Uma lei poderia resgatar a infância à moda antiga?

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
child, girl, field, happy, laugh, outside, carefree

Pixabay

Theresa Civantos Barber - publicado em 24/05/22

A TV e os games substituíram as brincadeiras livres, e esta mudança tem consequências graves

Será que a infância mudou tanto assim nos últimos cem anos? Encontrei provas disso num livro infantil de 1937, On the Banks of Plum Creek. Quando o li recentemente para os meus filhos, uma cena sem precedentes atingiu-me em cheio.

A personagem principal do livro, Laura Ingalls, tem 7 anos – a mesma idade que o meu filho. Ela e a sua irmã têm uma infância à moda antiga: podem deambular livremente pelos campos e florestas perto da sua casa.

Mas um dia, quando Laura quebra uma regra, os seus pais castigam-na de uma forma incomum: em vez de explorar sozinha, ela deve passar o dia inteiro em casa, sendo observada pela sua mãe.

Laura descobre que “ser vigiada” é o pior castigo que ela pode pensar. Ela conclui depois desse dia: “Ela tinha a certeza de que ser boa nunca poderia ser tão difícil como ser vigiada”.

Contudo, “ser vigiada” é o único estado que a maioria das crianças modernas alguma vez conheceu. Para os meus filhos, pelo menos, não há exploração solitária da natureza selvagem no nosso bairro densamente povoado. Nunca há tempo longe dos olhos e ouvidos atentos dos adultos.

Nenhuma hipótese de independência

Pensei sobre este cenário de forma muito atenta quando o meu filho perguntou se podia caminhar sozinho até à biblioteca. A biblioteca local fica a apenas quatro quarteirões da nossa casa; vários vizinhos amigáveis vivem ao longo do percurso, e os bibliotecários conhecem bem a nossa família. Qualquer pai há cem anos atrás não pensaria duas vezes em deixar um aluno do segundo ano percorrer esse caminho curto, seguro e familiar sozinho.

Mas as coisas mudaram. Nunca deixaria o meu filho andar sem mim – não porque temo pela sua segurança, mas por causa do meu medo assombroso de que alguém chame a polícia.

Hoje em dia, uma criança que sai sem um adulto é vista como uma causa de pânico. Os benfeitores que passam pensam que os pais são irresponsáveis e negligentes se deixam as crianças caminharem sozinhas para algum lado.

Mas será uma tal resposta exagerada? A verdade é que nunca houve um tempo mais seguro para ser criança na América: “É um mundo mais seguro hoje do que quando os pais modernos eram crianças”.

Consequências involuntárias

Embora o mundo de hoje seja mais seguro do que jamais foi, a maioria dos adultos age como se fosse muito menos seguro. Apenas nas últimas décadas, tem havido um declínio drástico no tempo que as crianças passam a brincar livremente lá fora com outras crianças. Ao contrário de quando crescemos, em muitos lugares é incrivelmente raro ver grupos de crianças a brincar ao ar livre, para além de uma atividade estruturada e dirigida por adultos.

A TV e os games substituíram as brincadeiras livres, e esta mudança tem consequências graves. Há razões para crer que o declínio das brincadeiras livres sem supervisão prejudica a saúde psicológica e emocional das crianças:

No último meio século, nos Estados Unidos e noutras nações desenvolvidas, as brincadeiras gratuitas das crianças com outras crianças diminuíram drasticamente. Durante o mesmo período, a ansiedade, depressão, suicídio, sentimentos de impotência, e narcisismo aumentaram acentuadamente nas crianças, adolescentes e jovens adultos. Este artigo documenta estas mudanças históricas e afirma que o declínio das brincadeiras contribuiu para o aumento da psicopatologia dos jovens.

Portanto, se a brincadeira gratuita não estruturada ao ar livre é tão boa para eles, porque não damos aos nossos filhos o dom da brincadeira não supervisionada? Por que devem eles passar cada minuto de cada dia “a ser vigiados”?

A resposta é complicada. Já não vivemos num mundo como antes. Se mandarmos os nossos filhos brincar, eles serão provavelmente as únicas crianças do quarteirão a brincar lá fora. E mesmo que o mundo seja mais seguro do que alguma vez foi, não o é sem risco, e esse risco pode ser maior, dependendo do local onde se vive.

No entanto, parece que, em muitos lugares, os riscos podem valer a pena. A falta de oportunidades para afirmar a independência prejudica os nossos filhos. Eles precisam destas oportunidades para tomar a iniciativa e tomar decisões por si próprios antes de deixarem o ninho.

Então, o que podemos nós fazer?

Como é que encorajamos a independência na nossa cultura moderna?

Acontece que muitos pais gostariam de dar aos seus filhos mais oportunidades para estarem “ao ar livre”, mas, tal como eu, estão retidos pela preocupação de que estranhos os denunciem à polícia. Assim, uma das medidas mais simples e sensatas que podemos fazer para lutar pelo direito dos nossos filhos a brincar seria seguir o exemplo de Utah e implementar a Lei de Pais ao Ar Livre:

“Ouço tantos pais que dizem: ‘Adoraria deixar o meu filho ir a pé para o parque, mas tenho medo. Não de predadores! Mas de alguém que ligue para o 911 porque pensa que o meu filho é negligenciado”. Uma lei local remove esse medo. Significa que os pais que, por opção ou necessidade, dão aos seus filhos algum tempo sem supervisão [para brincar e explorar] sabem que isto não será confundido com negligência”.

Este tipo de legislação permitiria uma infância mais à moda antiga, com tempo de brincadeira fora de casa, e longe da TV, dos games e smartphones. E essa educação poderia, por sua vez, apoiar um futuro mais vibrante, inteligente e bem sucedido para a nossa democracia:

Para preparar os membros da próxima geração para a democracia pós-Babel, talvez a coisa mais importante que possamos fazer é deixá-los sair para brincar. Parar de manter as crianças famintas das experiências de que mais necessitam para se tornarem bons cidadãos: brincadeiras livres em grupos de crianças de idades mistas com supervisão mínima de adultos. Cada estado deve seguir o exemplo de Utah, Oklahoma e Texas e aprovar uma versão da Lei de Pais ao Ar Livre que ajude a assegurar aos pais que não serão investigados por negligência se os seus filhos de 8 ou 9 anos forem vistos a brincar num parque. Com tais leis em vigor, as escolas, educadores e autoridades de saúde pública deveriam então encorajar os pais a deixar os seus filhos ir a pé para a escola e brincar em grupos no exterior, tal como mais crianças costumavam fazer.

Suspeito que esta lei poderia ajudar os pais a criarem crianças confiantes e competentes. E todos nós seremos melhores quando estas crianças mais preparadas e independentes crescerem e enfrentarem o mundo.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
CriançasEducaçãoFamília
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia