Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 08 Agosto |
São Sisto II
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

A infelicidade de um filho é sinal de fracasso dos pais?

MOTHER, SON, SADNESS

Rawpixel.com | Shutterstock

Annalisa Teggi - publicado em 18/07/22

No tempo dos filhos planejados e desejados, a sua infelicidade torna-se o fracasso de um projeto de paternidade e maternidade. Cuidado, pois podemos projetar nele(a) a nossa medida reduzida de felicidade

Ontem deparei-me com uma manchete verdadeiramente chocante. Não é um artigo recente (Abril 202o, na verdade), mas o tema é incandescente. Eu estava na biblioteca à procura de uma boa história de detetive, e o meu olho caiu sobre uma revista de psicologia na qual este conteúdo foi exibido de forma proeminente:

As mães de hoje conseguem tolerar a dor dos seus filhos?

O artigo em questão é de Laura Turuani (psicoterapeuta) e é um mergulho na infelicidade das crianças vistas através dos olhos de uma mãe.

A criança como investimento emocional

“Criamos crianças que são altamente pensadas, desejadas, procuradas, por vezes planejadas apenas após a realização de muitos outros objectivos evolutivos, por vezes geradas com a ajuda de tecnologias sofisticadas. Um nível de preciosidade e investimento afetivo que dificilmente pode ser imune a uma multiplicidade de projeções, expectativas e desejos de sucesso”, escreve Laura Turuani.

Exatamente aqui está a problemática. O que acaba de ser relatado é um retrato que reflete com precisão o erro atual. E não é fácil de discernir. Uma criança é algo muito precioso: isso é evidente, evidente por si mesmo, incontestável. Mas qual é a origem da sua preciosidade?

No tempo das crianças planejadas à mesa ou no laboratório, “feitas no momento certa”, a lógica insidiosa irrompe: a preciosidade passa da presença da criatura em si para a ideia de que é preciosa porque foi querida, desejada, como mais uma peça de gratificação na vida dos pais.

Cada vez mais, compreendemos que a proposta cristã de abertura à vida tem a ver com a raiz mais profunda da nossa humanidade, e não é apenas uma questão reprodutiva. É na realidade uma voz libertadora e encorajadora. Se uma criança é um dom e não um cálculo, então isto preserva o seu valor intocável, que existe antes e fora do amor dos pais.

O horizonte de ‘aqui estás, louvo o mistério e maravilho-me de que estejas aqui’ está no lado oposto do ‘eu te quis, por isso és importante’. A primeira cena enquadra-nos como guardiães de um tesouro maior do que as nossas mãos. A segunda reduz-nos a fabricantes ansiosos, preocupados que o produto esteja à altura das expectativas com que o temos sobrecarregado.

Uma criança não é a “eternidade” de uma mãe

Nas últimas décadas, graças também à difusão dos métodos contraceptivos, que desviaram a sexualidade da procriação, a maternidade tornou-se uma escolha: frequentemente procrastinada, certamente muito investida, e em qualquer caso inseparável de um projeto existencial mais amplo.

Hoje em dia, o papel materno transforma-se numa mulher que, antes de vivenciar a sala de partos, já investiu e cultivou muitos outros eus que agora são considerados indispensáveis. O Eu feminino, o Eu social, o Eu profissional, o Eu conjugal, para citar apenas alguns, exigiram empenho, tempo e a dedicação necessária à necessidade titânica de querer fazer tudo, e fazê-lo da melhor forma possível, que a cultura narcisista de hoje impõe.

A criança é o novo “para sempre”, ainda muitas vezes única, preciosa, tardia, e a mãe prepara-se para acolhê-la, mas também a defendê-la por inteiro, pronta a pôr o seu perfeccionismo ao serviço dos cuidados do filho(a), refinando a sua própria capacidade multitarefa e a sua necessidade de controle.

Laura Turuani

A mãe será isso, se for reduzida a um papel planejado à mesa. Estaria a mentir se dissesse que não me encontrei perfeitamente descrita na citação acima.

No entanto, a experiência cristã derruba a armadilha deste estado de espírito. Sem Deus e o Evangelho, eu ficaria reduzida a uma fragmentação em muitos eus, cada um muito egocêntrico. Todo o meu eu é um dom que recebo quando me vejo amada pelo Pai.

Uma vez que quis esta criança e a trouxe ao mundo, se a sua vida é imperfeita, se passa por momentos de infelicidade, se conhece a queda… inevitavelmente, como mãe, experimento as suas sombras como um fracasso pessoal. O ponto de vista é distorcido ao ponto de plantar a semente do egoísmo na pessoa mais querida que temos, a nossa própria carne e sangue.

Uma criança não é o “para sempre” de uma mãe e de pai, não é o objeto vivo que carrega nos seus ombros o peso de ter de ser a razão da felicidade realizada do seu pai e da sua mãe.

Sufocamos os nossos filhos quando os tratamos como se fossem nossos. Nós os sufocamos num quadro estreito se não reconhecermos primeiro que a sua relação com Deus vem antes do nosso amor. Se eles são nossos, sabemos que somos pessoas que não perdoam o fracasso. Se são de Deus, o fracasso não existe. Em vez disso, há o milagre de uma descoberta surpreendente em cada curva, da qual nós, pais, somos guardiães, aliados, apoiadores. Responsáveis, não mestres.

Dói ver uma criança chorar, vê-la infeliz é terrível. Mas só se eu me reconhecer como incapaz de possuí-la totalmente é que posso ser de grande ajuda para ela. Se o meu filho for meu, a minha reduzida medida de felicidade e a minha ideia de “consertá-lo” prevalecerão.

Por outro lado, se o meu filho é de Deus, então eu estou ao serviço da sua alma que cresce de momento em momento. E só assim posso abraçá-lo sem medo quando o seu coração chora, pois essas lágrimas não são o meu fracasso, mas uma peça do plano de Deus para melhor me mostrar o rosto daquele que eu trouxe ao mundo.

Tags:
DepressãoFamíliaFelicidadeFilhosPsicologia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia