Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 16 Agosto |
Bem-aventurado Gabriel Maria de Benifayó
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

As estratégias que adotei quando eu não conseguia mais me concentrar

Homem concentrado lendo um livro

Shutterstock

Michael Rennier - publicado em 25/07/22

A internet, as redes sociais e meu smartphone deixaram de ser meus servos e se tornaram meus senhores, mas eu dei a volta por cima

Cerca de cinco anos atrás, notei que estava lutando para me concentrar durante a leitura. Em vez de virar para a próxima página do livro, continuava querendo pegar meu telefone e mexer nele. Eu tinha que ficar relendo parágrafos porque minha mente estava vagando. Chegava ao final de uma página e não me lembrava do que tinha acabado de ler. Mais cedo ou mais tarde, eu sempre desistiria e, antes que percebesse, já estava navegando nas redes sociais.

Nem sempre foi assim. Quando era mais jovem, eu ficava sentado por horas lendo alegremente. Distante do mundo, eu ficava absorto no assunto e, sem que eu notasse, tinha lido até depois da hora de dormir. Eu não sei exatamente quanto tempo levou para eu perder a capacidade de concentração, ao longo de quantos anos o dano aconteceu. O fato é que isso aconteceu lenta e sutilmente, mas a pilha de livros não lidos na minha mesa de centro foi uma testemunha do fato que isso definitivamente aconteceu.

Por que isso aconteceu

A internet, as redes sociais, os smartphones… Ficou claro como o dia que essas tecnologias, que podem ser muito úteis, deixaram de ser minhas servas e se tornaram minhas donas.

Em seu livro The Shallows, Nicholas Carr explica como a internet mudou a maneira como pensamos, lemos e lembramos. Ele afirma que a internet é uma máquina de distração. O YouTube, por exemplo, reproduz automaticamente o próximo vídeo e, antes que você perceba, já assistiu por horas. A mídia social tem uma rolagem sem fim e as postagens nunca terminam. Um número esmagador de hiperlinks nos faz parar de ler um artigo e abrir nova guia após nova guia.

Carr mostra como essas novas formas de coleta de informações não nos afetam apenas enquanto estamos usando a internet, mas na verdade reconectam fisicamente nossos cérebros para que essa seja a única maneira de nos tornarmos capazes de consumir informações. Longe vão os dias de foco e atenção sustentados…

Eu queria poder ler um livro novamente e ficar na fila do supermercado sem ser fisicamente obrigado a tirar o telefone do bolso. Por isso, tomei medidas drásticas.

1Deixei de ser multitarefa

É um mito pensar que podemos fazer duas coisas ao mesmo tempo. Não podemos. Quanto mais fazemos malabarismos com as tarefas, mais nos adaptamos ao pensamento fragmentado, alternando entre tarefas de trabalho, e-mail e mensagens de texto recebidas. Eu estava percebendo, por exemplo, que durante meu tempo de escrita da homilia no escritório, eu ficava alternando essa tarefa com a checagem do meu e-mail. Quando eu voltava a escrever, tinha que me reajustar mentalmente à linha de pensamento que estava tentando desenvolver.

Todo o processo levava mais tempo do que se eu tivesse reservado um tempo apenas para o e-mail e depois dedicasse um tempo só para a homilia. Para corrigir o problema, silenciei meu telefone para não ouvir mais mensagens de texto ou notificações. Não me permito mais alternar entre as tarefas, a menos que esteja realmente pronto para uma pausa mental.

2Dediquei mais tempo à natureza

Em The Shallows, Carr escreve: “Uma série de estudos psicológicos nos últimos vinte anos revelou que, depois de passar um tempo em um ambiente rural tranquilo, perto da natureza, as pessoas exibem maior atenção, memória mais forte e cognição geralmente melhorada. Seus cérebros ficam mais calmos e mais aguçados.”

É tão fácil quanto caminhar no parque sem telefone. Na verdade, às vezes deixo o telefone em casa quando vamos ao parque, uma decisão que foi estressante quando tentei pela primeira vez, mas isso se tornou mais fácil com o tempo. Sem o meu telefone, presto atenção aos meus filhos, vejo-os brincar e deixo que me mostrem coisas interessantes que vêem enquanto caminhamos. E, claro, como aponta Carr, os benefícios mentais se prolongam pelo resto do dia.

3Comecei a me afastar da internet

Simplesmente não há como escapar das distrações enquanto a gente estiver online. Então, fico longe dela por períodos de tempo. Quando leio, meu telefone geralmente está na outra sala, onde não o vejo nem o ouço. 

Quando tomo uma xícara de café com um amigo, meu telefone fica silenciado no bolso ou virado para baixo, de modo que não consigo ver a tela. Mesmo que eu só possa evitar a internet por uma hora aqui ou ali, é útil. Em particular, evito a internet de manhã cedo e tarde da noite. As manhãs são para café e leitura. A noite é para me acalmar e me preparar para um sono reparador.

4Insisti em interações face a face

A comunicação digital não é suficiente. Falta empatia. E, se a comunicação for muito rápida, sem contexto humanizador, podemos nem entender que nosso amigo está sofrendo. A maioria dos meus amigos sabe que eu adoraria sair com eles, mas provavelmente não vou manter uma conversa por mensagem de texto. Passar tempo com as pessoas me ajudou a melhorar meu foco.

Com o tempo, meus esforços deram frutos. Estou lendo livros novamente. Eu sou paciente o suficiente para interagir com o mundo real novamente. Consigo me concentrar quando meu filho está me contando uma história. Consigo rezar a Missa em silêncio e com paciência sem ficar impaciente.

Ainda tenho um problema de tecnologia e suspeito que minha memória e foco não são tudo o que poderiam ser, mas pelo menos não sinto mais que a tecnologia está me controlando. Eu consigo usá-la como uma ferramenta, ciente dos riscos e compensações. Eu não me importaria de me afastar ainda mais disso, mas pelo menos agora há alguma aparência de equilíbrio.

Nossa capacidade de pensar profunda e lentamente é o que nos torna humanos. É como fazemos nossa casa neste mundo e permitimos que nossas almas se desenvolvam. É como fazemos conexões e encontramos realização pessoal. Por mais conveniente que a internet e os smartphones possam ser, há um preço a ser pago e esse preço nem sempre vale a pena. A boa notícia é que com algumas mudanças simples e alguma determinação, podemos recuperar nosso foco e começar a prestar atenção novamente no que realmente importa.

Tags:
InternetLivrosRedes sociais
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia