Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 26 Setembro |
São Cosme e São Damião
Aleteia logo
Em foco
separateurCreated with Sketch.

Qual é a diferença entre eutanásia, distanásia e ortotanásia?

Archie Battersbee

Media Drum/East News

Tom, irmão mais velho de Archie, o visita no hospital

Francisco Vêneto - publicado em 09/08/22

O caso do menino Archie Battersbee trouxe à tona várias dúvidas entre católicos sobre que tipo de morte lhe foi imposta

Eutanásia, distanásia e ortotanásia são três conceitos de grande importância na bioética, todos eles derivados da palavra grega “thánatos”, que quer dizer “morte”.

O recente caso do menino Archie Battersbee, que teve o seu suporte vital desligado por imposição judicial à revelia de seus pais no Reino Unido, trouxe à tona várias dúvidas entre católicos sobre que tipo de morte foi imposta à criança de 12 anos.

Vejamos qual é a diferença entre os três conceitos.

Eutanásia

São João Paulo II comenta no parágrafo 65 da sua carta encíclica “Evangelium Vitae” (“O Evangelho da Vida”): a eutanásia é “uma ação ou omissão que, pela sua natureza e nas suas intenções, provoca a morte com o objetivo de eliminar o sofrimento”.

Importante observar que a eutanásia nem sempre é ativa: ela também pode ser praticada por omissão — ou seja, por deixar de fazer algo que, nas circunstâncias em questão, seria moralmente obrigatório.

A eutanásia, portanto, também é praticada quando se negam determinados cuidados médicos sem os quais se sabe que o doente vai morrer. Este foi o caso da norte-americana Terri Schiavo. Ela estava em estado vegetativo permanente até que, em 2005, seu marido conseguiu na Justiça uma ordem para que o hospital interrompesse a sua hidratação e nutrição artificiais. Que se saiba, Terri não recebeu nenhuma substância que acelerasse a sua morte; mesmo assim, ela sofreu eutanásia: após uma longa agonia, morreu de fome e de sede. O caso teve grande repercussão mundial.

Além da forma (comissiva ou omissiva), a eutanásia se caracteriza também pelas intenções: o que formalmente a configura é a intenção de provocar a morte de outra pessoa com o objetivo de eliminar o sofrimento dela (cf. EV 56). O que diferencia a eutanásia dos outros casos de mortes provocadas é a intenção, aparentemente boa, de acabar com o sofrimento do paciente – mas provocar a morte de alguém é sempre uma forma de assassinato, inclusive quando se trata de um assassinato “dentro da lei”, como podem ser os casos do aborto, da pena de morte e da própria eutanásia.

Distanásia

Uma espécie de “extremo oposto” da eutanásia é a distanásia, também chamada de “obstinação terapêutica”. Ela consiste em recusar-se teimosamente a aceitar que o paciente está morrendo, além de buscar ativamente, a qualquer custo, meios desproporcionados e inúteis de tentar fazê-lo ficar vivo à força, quando já não há nenhuma perspectiva viável de impedir a sua morte.

Importante: não estamos falando de um caso em que ainda existam chances, por mais remotas que sejam, mas sim dos casos em que simplesmente não há mais nada a ser feito para evitar a morte e, mesmo assim, insiste-se insensatamente em forçar o recurso a meios ineficazes para manter o doente vivo a todo custo.

Ortotanásia

É o que acontece quando simplesmente se aceita, com realismo e sensatez, o estado terminal do paciente, reconhecendo-se que as capacidades humanas não conseguem mais impedir a iminência da morte. A ortotanásia, portanto, se recusa a cair na obstinação terapêutica (distanásia), mas também se recusa a intervir por ação ou omissão a fim de acelerar a morte do paciente (eutanásia).

Tanto a distanásia (negar-se a aceitar a morte com serenidade e sensatez) quanto a eutanásia (provocar a morte propositalmente, ainda que com a alegada boa intenção de eliminar o sofrimento do doente) são pecados: a distanásia é uma forma de desespero, que é falta de confiança em Deus, e a eutanásia é uma forma de assassinato, porque causa diretamente a morte de outro. A atitude moralmente exigível do ser humano é a de defender a vida até a última chance, e, ao mesmo tempo, a de aceitar a morte com sensatez quando ela se mostra inevitável: portanto, sem causá-la e sem lutar desproporcionadamente contra ela.

E qual foi o caso de Archie Battersbee?

O menino britânico de 12 anos sofreu danos cerebrais irreversíveis em abril deste ano e, desde então, esteve internado no Royal London Hospital para receber suporte artificial à vida. Alegando que não havia mais nada a ser feito para reverter o quadro, que diagnosticavam como morte cerebral, os médicos propuseram o desligamento do suporte vital.

Os pais de Archie, Paul Battersbee e Hollie Dance, discordaram dos médicos, ressaltando que o coração do filho continuava a bater e relatando que ele chegava a segurar a mão da mãe. Paul e Hollie queriam manter ligados os aparelhos que forneciam respiração, nutrição e hidratação artificiais ao menino, por mais que não houvesse perspectivas médicas de recuperação. Eles queriam exercer o seu direito de prestar todos os cuidados possíveis a Archie até que o seu coração parasse naturalmente de bater, sem nenhuma intervenção humana voltada a acelerar a extinção dos seus sinais vitais.

Começou então a batalha nos tribunais, já que o hospital solicitou judicialmente que os aparelhos fossem desligados à revelia dos pais do menino.

O Supremo Tribunal britânico, ao avaliar um dos recursos interpostos pela família contra o desligamento dos aparelhos, reconheceu que “mesmo que o tratamento de manutenção da vida fosse mantido, Archie morreria no decorrer das próximas semanas por falência de órgãos e insuficiência cardíaca”.

Dito de outra forma: a própria justiça admitiu que a morte de Archie se consumaria naturalmente, num espaço relativamente curto de tempo. Ainda assim, os magistrados negaram o pedido da família do menino, que solicitava justamente que a morte de Archie não fosse antecipada à força. A corte preferiu impor o desligamento dos aparelhos, basicamente porque sim.

Na manhã do último sábado, 6 de agosto, quando os médicos interromperam a administração de medicamentos às 10h, Archie se manteve vivo e “em níveis estáveis durante duas horas”, até que lhe foi retirada completamente a ventilação artificial. O óbito foi declarado pouco após as 12h.

Para os apoiadores do desligamento compulsório do suporte vital, a postura dos pais de Archie constituiria obstinação terapêutica – ou distanásia, já que os danos cerebrais do menino eram irreversíveis e, supostamente, ele já estava cerebralmente morto, embora mantivesse outras funções vitais ativas. Entretanto, refutando a versão de que Paul e Hollie se aferrassem à distanásia, é necessário registrar que eles não estavam procurando forçar uma prorrogação da vida do filho para além da sua expectativa natural de resistência: queriam apenas que a sua morte não fosse compulsoriamente antecipada, o que passa longe de ser a mesma coisa.

Por isso mesmo, as pessoas contrárias ao desligamento compulsório destacam que a eliminação do suporte à vida de Archie teria o explícito objetivo de acelerar a extinção de todos os seus sinais vitais – ou seja, antecipar forçosamente a sua morte em vez de aceitar o ritmo natural de autoesgotamento dos seus recursos vitais, que, conforme a própria justiça havia reconhecido, era um processo inevitável e que já estava em andamento. Por que não, então, simplesmente respeitá-lo, conforme os pais solicitavam?

Cabe observar que o conceito de eutanásia pressupõe que a aceleração proposital da morte do paciente se baseie na premissa de “evitar o seu sofrimento desproporcional e inútil”. No caso de Archie, os próprios médicos e magistrados caem na contradição de, por um lado, aduzirem o objetivo supostamente nobre de evitar o seu sofrimento, e, por outro lado, alegarem que Archie já estava cerebralmente morto, de modo que não poderia experimentar sofrimento algum. Ora, se não havia sofrimento a ser suprimido, então a intervenção proposital para acelerar a extinção dos seus sinais vitais não configurava nem sequer eutanásia. E se a eutanásia já é reprovável eticamente em si mesma, o que dizer de uma morte provocada à força e sem ao menos o “atenuante” de aliviar um “sofrimento despropocional e inútil”, que no caso nem existia?

Mesmo com todas estas graves considerações, ainda assim é legítimo que se discuta sobre o que pode haver de eutanásia e o que pode haver de distanásia neste cenário tão complexo. Afinal, clareza de conceitos é sempre bem-vinda – e é melhor o “excesso de clareza” do que a sua falta.

O que não é legítimo de forma alguma é que, havendo dúvidas e considerando-se o claríssimo desejo dos pais de Archie de respeitar o ritmo natural do autoesgotamento dos recursos vitais de seu filho sem que ninguém o acelerasse à força, os representantes da justiça britânica impusessem exatamente esta aceleração inapelável.

Ainda na eventualidade de que o desejo dos pais de Archie fosse “desproporcionado”, nem assim o Estado teria qualquer legitimidade para se intrometer e impor uma sentença judicial contrária à vida do menino, sobretudo quando uma das obrigações básicas do Estado é justamente a de defender a vida de todos os seus cidadãos. O Estado poderia – e deveria – manifestar-se contrário à família caso esta quisesse praticar a eutanásia; mas nunca poderia impedir a família de lutar pela manutenção do suporte à vida de um filho – nem sequer num caso de distanásia. Os poderes públicos são legítimos para impedir a morte dos indivíduos; jamais para impô-la, e muito menos contra a vontade expressa dos familiares de um doente atingido por tão ilegítima intromissão.

Ilegitimidade, em suma, é o que resume a decisão judicial que mandou desligar compulsoriamente os aparelhos de Archie Battersbee à revelia dos seus pais. A sentença de morte imposta pelos magistrados ao menino é ilegítima de qualquer ponto de vista por que seja analisada.

A aceleração da morte de Archie Battersbee não foi um caso de eutanásia, nem de distanásia e muito menos de ortotanásia. Foi um covarde e asqueroso assassinato.

___________

Alguns trechos deste artigo se baseiam em texto de autoria de Jorge Ferraz a propósito do caso do bebê Charlie Gard, assassinado em 2017.

Tags:
CriançasFamíliaFilhosIdeologiaJustiçaMorte
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia