Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 30 Setembro |
São Jerônimo
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Afinal, a visita do Papa a L’Aquila foi um sinal da sua renúncia?

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
shutterstock_1286904670.jpg

Shutterstock/pio3

Cyprien Viet - publicado em 02/09/22

O Papa Francisco visitou L'Aquila, uma cidade de 70.000 habitantes devastada por um terremoto que matou mais de 300 pessoas em 2009, no domingo 28 de Agosto. Para além de prestar homenagem às vítimas da catástrofe, o Papa abriu a Porta Santa do Perdão Celestino, instituído no início do seu pontificado pelo Papa Celestino V, que renunciou ao seu cargo após cinco meses de reinado em 1294

O Papa da “grande recusa”: é assim que a história descreve São Celestino V, um papa eremita que reinou apenas durante alguns meses, de Julho a Dezembro de 1294, antes de abdicar do seu cargo aos 85 anos de idade, uma longevidade raramente alcançada na altura.

Canonizado menos de vinte anos depois, este monge beneditino é objeto de grande veneração em Abruzzo (Itália), mas foi um pouco esquecido a nível da Igreja universal, até o gesto profético de Bento XVI, que em 2009 colocou o seu pálio no santuário de Celestino V. Quatro anos mais tarde, este gesto foi entendido como um anúncio da sua própria renúncia.

A história de Celestino V destaca-se dos papas do seu tempo. Já nos seus oitenta anos e aposentado em uma vida contemplativa, Pietro de Morrone, um monge famoso pela sua grande aura espiritual, foi forçado a sair da reforma em Julho de 1294 em circunstâncias de grave crise para o papado, os cardeais finalmente concordaram no seu nome após mais de dois anos de vaga na sede papal.

CELESTIN-V-shutterstock_1780757345.jpg
Túmulo de Celestino V, L’Alquila

Informado desta eleição espantosa por uma delegação que veio ao seu encontro no seu eremitério, aceitou-a e foi coroado a 29 de Agosto de 1294 na Basílica de Santa Maria di Collemaggio, em L’Aquila. Esta cerimónia, na qual promulgou uma “Bula do Perdão” prometendo a absolvição dos pecados, marcou a origem do perdão celestino organizado todos os últimos domingos de Agosto naquela cidade.

Um breve e doloroso pontificado

Tendo falhado na sua tentativa de orientar a Igreja para um espírito de abnegação inspirado nas tradições franciscana e beneditina, Celestino V renunciou ao seu cargo a 13 de Dezembro de 1294, e morreu na sua velhice dois anos mais tarde, tendo sido colocado sob vigilância pelo seu sucessor Bonifácio VIII.

Um ano após a sua visita a L’Aquila, Bento XVI prestou homenagem ao “breve e doloroso pontificado” deste “buscador de Deus” durante uma missa celebrada em Sulmona, a 4 de Julho de 2010, no oitavo centenário do seu nascimento.

Foi isto um sinal de renúncia ou um apelo a uma Igreja mais despojada?

Mais de nove anos após a renúncia do pontífice alemão, muitos rumores acompanharam essa viagem do Papa Francisco, que se inseriu numa agenda já sobrecarregada. Ele foi no dia seguinte ao consistório, durante o qual 20 novos cardeais juntaram-se ao Colégio Sagrado, e na véspera de uma reunião de cardeais de todo o mundo para discutir a nova Constituição Apostólica sobre a Cúria Romana. Alimentando os rumores, o Papa afirmou repetidamente que a sua possível demissão não é um tabu.

“Creio que na minha idade, e com estes limites, devo poupar-me um pouco para poder servir a Igreja, ou pelo contrário, pensar na possibilidade de me pôr de lado”, reconheceu o Papa durante a sua conferência de imprensa sobre o seu regresso do Canadá em Julho passado.

Entre os jornalistas, mas também entre os próprios cardeais, continuam as perguntas sobre uma possível renúncia papal, alguns esperando um anúncio próximo, outros pensando que uma renúncia a curto prazo seria improvável dados os planos do Papa Francisco, nomeadamente as suas possíveis viagens à Ucrânia ou ao Sul do Sudão.

Apelo à reconciliação e humildade, mais que renúncia

Este frenesim é rejeitado pelo historiador Angelo De Nicola, autor do livro The Popes and Celestine V. “Não acredito que Francisco tenha escolhido a visita a L’Aquila a 28 de Agosto para se demitir ou para aludir à sua intenção”, assegura o diário Il Messaggero numa entrevista. Considerando que “Celestine faz do perdão a antecâmara da paz”, ele vê a viagem como um apelo à reconciliação e humildade para toda a Igreja.

O Jubileu Celestino do Perdão está assim em consonância com a tradição de misericórdia oferecida aos pobres, algo muito querido ao Papa. Este rito de abertura da Porta Santa é também uma continuação do Jubileu da Misericórdia que ele organizou em 2015-2016.

Para além das especulações sobre a sua possível renúncia, a visita do Papa Francisco, que foi o primeiro sucessor de Celestino V a vir a este Jubileu em 728 anos, faz parte deste desejo de “franscicanização” de uma Igreja chamada à simplicidade e à liberdade das pressões políticas.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
ConclavePapa Franciscorenuncia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia