Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 01 Outubro |
São Bavão de Gand
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

Uma monja trapista nos ajuda a viver um Natal cristão

Matka Boże kontempluje nowonarodzonego Jezusa

Jurand | Shutterstock

Dom Orani João Tempesta - publicado em 26/12/22

O real sentido do Natal que está ligado, de modo pleno, aos grandes mistérios da Encarnação e da Redenção. Entenda:

Num tempo em que somos, cada vez mais, instados, de modo insistente, a dessacralizar o Natal para torná-lo um “feriado a mais” do calendário, desejo oferecer-lhe, com a graça de Deus, uma reflexão sobre o genuíno sentido dessa solenidade da Igreja, à luz da espiritualidade trapista, nome popular da Ordem Cisterciense da Estrita Observância, que tem, no Brasil, dois mosteiros: o masculino, em Campo do Tenente (PR), e, em Rio Negrinho (SC), o feminino. Fá-lo-ei por meio de trechos de Cartas da Beata Maria Gabriela Sagheddu (1914-1939), monja da Trapa de Grottaferrata, Itália.

Desejo, no entanto, relembrar, de início, ainda que muito brevemente, o real sentido do Natal que está ligado, de modo pleno, aos grandes mistérios da Encarnação e da Redenção. Com efeito, após o pecado dos primeiros pais, Deus não se deixou vencer pelo mal, mas prometeu vencer o grande mal com um bem ainda maior: a Encarnação do seu próprio Filho, Jesus Cristo. Isso é o que lemos no livro do Gênesis, capítulo 3. Na bonança do paraíso terrestre, um casal – Adão e Eva – é tentado pelo maligno e cai na tentação. Consequência: perderam tudo o que possuíam de mais valioso, isto é, a santidade original que compreendia a filiação divina e os dons preternaturais, ou seja, a imortalidade, a impassibilidade, a integridade e a ciência moral infusa. Assim, como um casal que, por desleixo, perde sua fortuna em maus negócios e os filhos inocentes pagam por isso nascendo pobres, nós também nascemos carentes da filiação divina, mas a ela somos elevados pelo santo Batismo.

Isso é o que o Papa São Paulo VI nos recorda: “Cremos que todos pecaram em Adão; isto significa que a culpa original, cometida por ele, fez com que a natureza, comum a todos os homens, caísse num estado no qual padece as consequências dessa culpa. Tal estado já não é aquele em que no princípio se encontrava a natureza humana em nossos primeiros pais, uma vez que se achavam constituídos em santidade e justiça, e o homem estava isento do mal e da morte. Portanto, é esta natureza assim decaída, despojada do dom da graça que antes a adornava, ferida em suas próprias forças naturais e submetidas ao domínio da morte, é esta que é transmitida a todos os homens. Exatamente neste sentido, todo homem nasce em pecado. Professamos pois, segundo o Concílio de Trento, que o pecado original é transmitido juntamente com a natureza humana, pela propagação e não por imitação, e se acha em cada um como próprio” (Credo do Povo de Deus, n. 16).

E continua: “Cremos que Nosso Senhor Jesus Cristo, pelo Sacrifício da Cruz, nos remiu do pecado original e de todos os pecados pessoais, cometidos por cada um de nós; de sorte que se impõe como verdadeira a sentença do Apóstolo: ‘onde abundou o delito, superabundou a graça’ (cf. Rm 5,20). Cremos professando um só Batismo, instituído por Nosso Senhor Jesus Cristo para a remissão dos pecados. O Batismo deve ser administrado também às crianças que não tenham podido cometer por si mesmas pecado algum; de modo que, tendo nascido com a privação da graça sobrenatural, renasçam da água e do Espírito Santo para a vida divina em Jesus Cristo” (idem, n. 17-18).

Voltando ao fio condutor deste artigo, noto que, logo após a ocorrência do pecado, Deus promete o Salvador para derrotar a serpente infernal, o demônio, autor do pecado. Sim, “o Senhor Deus disse à serpente: ‘Porque fizeste isso, serás maldita entre todos os animais domésticos e feras do campo; andarás de rastos sobre o teu ventre e comerás o pó todos os dias de tua vida. Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a dela. Esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar’” (Gn 3,14-15). É o chamado Protoevangelho ou o primeiro anúncio da salvação. E Deus escolhe enviar o seu Filho, na plenitude dos tempos, nascido de uma mulher (cf. Gl 4,4). Refaz o caminho da perdição de um homem e uma mulher – Adão e Eva, o casal das origens –, também por um homem e uma mulher, Cristo e Maria, o Filho divinamente gerado e sua mãe, a Santíssima Virgem. Daí São Paulo ver em Nosso Senhor o novo Adão (cf. Rm 5,12-21) e os Padres da Igreja associarem Nossa Senhora à nova Eva.

Sim, referindo-se a Gn 3,15, o Catecismo da Igreja Católica assevera: “A Tradição cristã vê nesta passagem um anúncio do ‘novo Adão’ que, pela sua obediência até à morte de cruz (Fl 2,8), repara superabundantemente a desobediência de Adão. Por outro lado, muitos santos Padres e Doutores da Igreja veem na mulher, anunciada no protoevangelho, a Mãe de Cristo, Maria, como ‘nova Eva’. Ela foi a primeira a beneficiar, de um modo único, da vitória sobre o pecado alcançada por Cristo: foi preservada de toda a mancha do pecado original e, durante toda a sua vida terrena, por uma graça especial de Deus, não cometeu qualquer espécie de pecado” (n. 411). É Maria Santíssima, em virtude dos méritos de Cristo, preservada do pecado em vista da maternidade divina (cf. Lc 1,35) profetizada por Isaías 7,14 e recordada por Mateus 1,23. 

Cristo, sem deixar de ser Deus, a segunda pessoa da Santíssima Trindade, assume, no ventre de Maria, também a nossa natureza humana em tudo, menos no pecado, e, por isso, é verdadeiro Deus e também verdadeiro homem. Uma só pessoa, a divina, mas com duas naturezas, a divina e a humana. Portanto, Nossa Senhora é – como celebramos em 1º de janeiro – Mãe de Deus. Não de Deus em sua eternidade, mas de Deus feito homem no tempo. Eis, em síntese, o que diz o Compêndio do Catecismo da Igreja Católica: “A Igreja chama ‘Encarnação’ ao mistério da admirável união da natureza divina e da natureza humana na única Pessoa divina do Verbo. Para realizar a nossa salvação, o Filho de Deus fez-se ‘carne’ (Jo 1,14) tornando-se verdadeiramente homem. A fé na Encarnação é o sinal distintivo da fé cristã” (n. 86). 

Por isso, “o Concílio de Calcedônia ensina a confessar ‘um só e mesmo Filho, nosso Senhor Jesus Cristo, perfeito na sua divindade e perfeito na sua humanidade; verdadeiro Deus e verdadeiro homem, composto de alma racional e de corpo, consubstancial ao Pai pela sua divindade, consubstancial a nós pela humanidade, ‘em tudo semelhante a nós, exceto no pecado’ (Hb 4,15); gerado pelo Pai antes de todos os séculos, segundo a divindade e, nestes últimos tempos, por nós homens e para nossa salvação, nascido da Virgem Maria e Mãe de Deus, segundo a humanidade” (n. 88). Daí a Igreja exprimir esse mistério “afirmando que Jesus Cristo é verdadeiro Deus e verdadeiro homem, com duas naturezas, a divina e a humana, que se não confundem, mas estão unidas na Pessoa do Verbo. Portanto, na humanidade de Jesus, tudo – milagres, sofrimento, morte – deve ser atribuído à sua Pessoa divina, que age através da natureza humana assumida” (n. 89). Por conseguinte, “Maria é verdadeiramente Mãe de Deus porque é a mãe de Jesus (Jo 2,1; 19,25). Com efeito, Aquele que foi concebido por obra do Espírito Santo e que se tornou verdadeiramente Filho de Maria é o Filho eterno de Deus Pai. É Ele mesmo Deus” (n. 95). Isso significa que “Jesus foi concebido no seio da Virgem apenas pelo poder do Espírito Santo, sem intervenção de homem. Ele é o Filho do Pai celeste, segundo a natureza divina, e Filho de Maria segundo a natureza humana, mas propriamente Filho de Deus nas suas naturezas, existindo nele uma única Pessoa, a divina” (n. 98).

Perceba o imenso sentido do Natal. Ele concretiza, nove meses depois (25 de dezembro), tudo quanto o anjo anunciara em 25 de março. Daí, toda a vida de Cristo ser uma redenção físico-mística, pois conforme Ele toma contato com a nossa realidade, a vai santificando; por fim, realiza, na cruz, a redenção propiciatória por meio de sua entrega total ao Pai (cf. Dom Estêvão Bettencourt, OSB. Iniciação Teológica. Rio de Janeiro: Mater Ecclesiae, 2013, p. 152-158). Será que temos consciência de tudo isso ou nos voltamos muito mais para o secundário do dia a dia? Neste ponto, creio, como mencionei no início, que alguns trechos de Cartas da Beata Gabriela Sagheddu muito podem ajudar a relembrar ou mesmo a reaprender o verdadeiro sentido do Natal, solenidade do nascimento do Senhor.

Em 29/12/1935, ela escreve à sua mãe: “Não tendo conseguido escrever para o Natal, o faço no Ano Novo. Desejo-lhe que neste ano, que começa nestes dias, o Senhor a preencha com suas bênçãos celestiais; que conceda à senhora e a todos os demais membros da família as graças de que necessitam para a vida temporal e a salvação eterna. Recorde-se de invocá-lo e Ele com certeza não deixará de escutá-la”. 

“Agora, conto-lhe como passamos o Santo Natal. No dia da Vigília de Natal, fomos para a cama às cinco. Pareço ouvi-la rir e dizer: ‘cedo demais’. Porém, nós nos levantamos às nove e cantamos até às onze e meia, mas não pense que foram canções, o que cantávamos eram salmos. Depois, à meia-noite, começou a missa do Menino Jesus, também cantada, e nessa missa comungamos. Pense, receber o Senhor antes da uma hora e me diga se não parece melhor do que comer um cordeiro e salsichas grelhadas como se faz em Dorgali. Após a missa, ainda cantamos de novo e depois fomos descansar um pouco. De manhã, ouvimos outras cinco missas”.

“Parece-lhe demais? Era o dia de Natal e é necessário venerar o Menino Jesus que, por amor a nós, nesse dia, se dignou descer do céu a esta terra miserável e a deitar na manjedoura de um estábulo. Meditemos nesta sublime lição. Ele, que é onipotente, criador do céu e da terra, se humilhou tanto; e nós, suas miseráveis criaturas, não queremos reconhecer o nosso nada e a nossa indignidade. Meus queridos, prometamos ao Senhor reconhecê-lo, ao menos de agora em diante, e reparar, enquanto pudermos, o mal que tenhamos cometido e todos os pecados que se cometem no mundo, que são muito numerosos. Agora peço-lhe que me faça saber como a senhora passou o dia do Santo Natal. […] Deixe-me saber se a missão que era esperada veio e se o compadre Billia e Salvador foram se confessar” (Cartas da Trapa: vida e correspondências de Maria Gabriela Sagheddu, monja trapista do século XX. São Paulo: Cultor de Livros, 2021, p. 86-87).

No dia 21/12/1936, a monja volta a escrever para a mãe com estas palavras: “O dia de Natal está se aproximando e também o final do ano. O Menino Jesus virá carregado de presentes e trará paz e amor aos corações. Preparemos também o nosso coração a fim de que Ele o encontre pronto para recebê-Lo e Ele não deixará de nos dar os dons espirituais de que precisamos. Peça por mim, para que, em breve, eu me torne uma santa religiosa e Sua esposa verdadeira, não apenas de nome. Eu pedirei pela senhora durante a comunhão que fazemos à meia-noite, e também durante o ofício que será todo cantado. Coube precisamente a mim cantar o Gloria in excelsis Deo. Vai sair um pouco desafinado, mas paciência! O Menino Jesus irá aceitá-lo do mesmo modo. Entreguemos todos os nossos pecados e faltas ao ano velho para que os sepulte e confiemos que o Ano Novo será portador das graças e bênçãos do Senhor” (idem, p. 98-99).

A atenção da monja trapista se volta para o Eterno. Isso não significa egoísmo e menosprezo para com o próximo e suas agruras, mas, sim, fazer uma correta escala de valores na qual Deus seja sempre o centro. Afinal, quem ama a Deus a quem não vê, ama também o próximo a quem vê (cf. 1Jo 4,20-21) com um amor muito maior, pois está repleto da graça divina.

Contemplando Deus-menino no presépio e nos irmãos e irmãs que mais sofrem, abramos-lhes o coração e, na caridade, os acolhamos. Feliz, abençoada e santo Natal!

Tags:
IgrejamongesNatal
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia