Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 15 Abril |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Philippe de Maistre: “O coração da alma masculina é doar-se”

Homem na janela pensando

Nakaridore / Shuttertock

Marzena Devoud - publicado em 27/01/23

Qual é o significado de masculinidade? Qual é o caminho para os homens recuperarem a confiança em seu próprio caráter e moldarem sua identidade? Respostas do Padre Philippe de Maistre, pároco de Saint-André-de-l'Europe em Paris e autor de "O caminho dos homens"

“Não se nasce homem, torna-se homem”, disse Erasmo de Roterdã. É difícil negar o mal-estar: os homens de hoje parecem estar perdidos em sua busca pelo masculino. Como podemos encontrar o caminho de verdadeira masculinidade? Que condições devem ser satisfeitas para se afirmar de forma madura a masculinidade? Estas são as perguntas que o Padre Philippe de Maistre, pároco de Saint-André-de-l’Europe e autor de “La voie des hommes” (O caminho dos homens, Artège), responde.

Aleteia: Você observa o declínio da masculinidade. A crise de identidade na adolescência e a crise de responsabilidade na meia-idade parecem cristalizar o mal-estar.

Philippe de Maistre: Existe uma verdadeira crise de caráter masculino. Entre muitos jovens, observo uma falta de autoconfiança e uma certa passividade na vida. Como se fosse difícil afirmar-se como um homem. Isto é algo que eu vejo com homens jovens. Como padre, eu já vi isso muitas vezes em dois níveis. Em primeiro lugar, em termos de educação e construção: os homens encontram dificuldades para sair da indeterminação da adolescência. Depois vem o mal-estar por volta dos quarenta anos de idade: eles então questionam suas escolhas de vida, experimentando um profundo mal-estar, com a sensação de ter perdido sua vida. A crise de masculinidade é, portanto, particularmente perceptível durante a adolescência, e depois por volta dos quarenta anos de idade.

Em seu livro você fala de uma nova espécie de homens: os adulescentes. Michel Houellebecq os chama de adolescentes “diminuídos”. O que são eles?

Eles não são crianças nem adultos. Eles perderam a graça da infância, cresceram, mas não adquiriram a maturidade. São eles que adoram a adolescência e reivindicam seu status de eterna adolescência. De fato, se dermos um passo atrás, percebemos que antes do início do século XX, foi aceito que havia crianças e depois adultos. O sistema educacional foi ordenado para permitir que as crianças se tornassem adultos. A adolescência era então apenas uma transição. Hoje, este tempo “intermediário” é prolongado até se tornar um estado em si mesmo que muitas pessoas querem que seja permanente. Não é mais a idade ingrata pela qual se deve tentar passar o mais rápido possível. Tornou-se até mesmo a era dourada de nossa sociedade! O eterno adolescente reflete assim a sociedade adulescente. Mas esta adulação é um verdadeiro presente envenenado.

Por que este estado de adolescência é tão perigoso?

A sociedade de consumo mantém esses eternos adolescentes que têm um corpo adulto e uma mente infantil e imatura. Hoje, um jovem cidadão não se pergunta o que a sociedade espera dele em termos de dever. Ele reivindica direitos em primeiro lugar. Não há noção de sacrifício para o bem comum. Esta é a atitude da criança: sua mãe o alimenta e lhe dá tudo o que ela precisa. A passagem não é mais feita. O processo de iniciação não existe mais. Mas as grandes tradições falam de um rito, do momento em que a criança passa do mundo da infância, determinado por sua mãe, para o mundo dos adultos, o mundo da responsabilidade, determinado desta vez pelo pai. É o pai que então entra na linha de frente. Entre os Maasai, o pai faz seu filho seguir um rito, ele o ajuda a superar algumas provações durante um ritual na floresta. Na tradição judaica, existe o bar mitzvah: o menino entra na sinagoga com seu pai para proclamar a palavra. Ele se torna um homem, aquele que está de posse da palavra que fala a verdade e combate o mal. Esta é uma ruptura com o mundo da infância, uma partida para a vida adulta.

Nossa sociedade ocidental eliminou todas essas etapas. Temos jovens entre 30 e 40 anos que não passaram neste teste de confirmação, eles não passaram para outra dimensão. Eles estão no meio, eles não estão seguros de si mesmos. Como resultado, eles não sabem como se comprometer, em seu trabalho ou em sua vida pessoal. Porque sua passagem à vida adulta não tem sido encorajada ou abençoada. Tudo isso está muito ligado à figura do pai que, em certos rituais, abençoa a criança. Às vezes ele dá à criança um nome diferente, até mesmo marca seu corpo com uma tatuagem ou mesmo uma escarificação, algo que significa que o corpo é feito para se dar, para se comprometer.

Como os homens podem recuperar a confiança em seu próprio caráter e moldar sua identidade?

Para que os mais jovens ocupem seu lugar no mundo, seu pai deve lhes dar esse lugar. Se o pai não aceita envelhecer ou morrer, se ele nem sequer sabe bem qual é seu próprio lugar, não pode passar isso para os mais jovens e garantir seu papel de transmissão. Na história, há alguns exemplos muito inspiradores… Hugues Capet. Ele antecipou sua morte: ele havia coroado seu filho enquanto ainda estava vivo, portanto a transmissão já estava feita. Um episódio na vida de Picasso me impressionou profundamente, quando seu próprio pai percebeu que seu filho de 12 anos tinha um dom: ele lhe deu todos os seus pincéis, ele o confirmou em seu lugar, e isto o ajudou muito depois. A transmissão ocorre quando o pai não vê seu filho como uma ameaça, quando ele vê que seu filho está entrando em uma nova etapa de sua vida, enquanto o seu próprio está entrando em outra dimensão de sabedoria e profundidade.

Se a vida é uma eterna juventude que é mantida artificialmente, não vamos a lugar algum, apenas nos esforçamos para manter uma eterna adolescência

Envelhecer não significa que a vida não tem sentido, a transmissão é uma abertura e uma viagem em direção à própria eternidade. Perdemos a noção de que a vida é como uma jornada de iniciação, com estágios de transformação. Se a vida é uma eterna juventude que mantemos artificialmente, então não vamos a lugar algum, tentamos manter uma eterna adolescência. Mas a velhice não é sinônimo de sabedoria? Vemos isso na Bíblia: o homem sábio é um homem completo. É ele quem faz sua vida frutífera para os outros, na área da paternidade e da transmissão.

Qual é, então, o caminho que os homens devem seguir?

É admiravelmente descrito por Péguy quando ele descreve o homem de 40 anos que vê que sua vida talvez não seja tão realizada quanto ele queria que fosse. Mas em vez de voltar atrás e romper tudo, em vez de se concentrar em si mesmo, o pai descobre um segredo que não conhecia antes: a felicidade que ele procurava, ele vê que não a tem. Mas, ao mesmo tempo, a maravilha é que ele tem um filho de 14 anos. Ele descobrirá a felicidade na doação de si mesmo. Há mais alegria em dar do que em receber, como diz o Evangelho. Isto é realmente vivido no processo de transmissão. O coração da alma masculina é doar-se, é a própria alma da paternidade.

Tags:
PsicologiaValoresVirtudes
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia