Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 03 Junho |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Nigéria: Fiéis prestam tributo o padre que morreu queimado em ataque à paróquia

Isaac-Achi-nigeria

Diocèse de Minna

Reportagem local - publicado em 29/01/23

Centenas de pessoas participaram no funeral do Pe. Isaac Achi, que morreu queimado na sequência do ataque, dia 15 de Janeiro, por homens armados à residência paroquial em Kafin-Koro, na Diocese de Minna, onde vivia, e em que um outro sacerdote foi também ferido a tiro

Perante D. Martin Igwemezie, Bispo de Minna, o Pe. Gwimi lamentou que “o problema da insegurança” na Nigéria já dure há demasiado tempo, e fez uma análise das causas de toda esta situação, associando-a principalmente ao “banditismo, aos sequestros, ao Boko Haram e ao conflito entre pastores e agricultores”. Sublinhando que este problema, que afecta milhões de nigerianos, se deve também à incapacidade das autoridades, que têm de passar a ser “pró-activas em vez de reactivas”, o Pe. Gwimi lembrou que “todo o sangue derramado inocentemente clama a Deus por justiça”.

Morte “brutal e perversa”

O Pe. Isaac Achi morreu no domingo, dia 15 de Janeiro, de forma dramática, no meio das chamas que reduziram a escombros a residência paroquial onde morava. Não se sabe ainda quem efectivamente atacou a casa, mas todas as hipóteses continuam a ser estudadas pela polícia. Na homilia, o Pe. Gwimi lembrou o assalto e que a notícia da morte do Padre Achi foi recebida “em choque” por todos os que o conheceram, respeitavam e admiravam. “A sua generosidade e hospitalidade não conheciam limites”, disse, acrescentando que o facto de ter sido assassinado “de forma tão horrível, brutal e perversa”, tornou tudo “ainda mais doloroso”.

Sequestro falhado

Na homilia, foi referido que os autores do ataque à casa paroquial pretenderiam muito provavelmente sequestrar o Pe. Isaac Achi, acreditando que iriam fazer bom dinheiro com isso. “Creio que os assassinos do Pe. Achi foram para lá na esperança de exigir um resgate pelo seu rapto. Se tivessem tido sucesso, teriam feito uma fortuna. O Pe. Achi era muito, muito popular e amado por pessoas de todas as idades. Basta levantar a cabeça e olhar à nossa volta”, disse, referindo-se às centenas de fiéis e amigos que ali estavam a despedir-se do sacerdote que era querido por todos. Se a homilia do Pe. Samuel Gwimi serviu para denunciar o estado de deplorável insegurança que se vive na Nigéria, foi também um momento para agradecer a generosa vida do Pe. Isaac Achi. E não se poupou nas palavras. “Foi um corajoso soldado e apóstolo de Jesus Cristo, o herói da comunidade de Kafin Koro.” Morreu como um crente em Cristo, o que, acrescentou, “é uma morte feliz com a recompensa da eternidade”.

Tags:
ÁfricaMortePerseguiçãoTerrorismoViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia