Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 25 Abril |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Como tirar o sentimento de solidão e abrir-se aos outros?

Mujer sonriente mirando hacia abajo

Shutterstock/Halfpoint

Marzena Devoud - publicado em 07/02/23

A solidão é frequentemente uma fonte de sofrimento. Entretanto, ao transformá-la, ela pode ser benéfica para a vida interior, trazer alegria e provocar belos encontros. Veja como fazer isso:

A solidão é muitas vezes assustadora. Também é temida porque é mal vista pelos outros, como se o fato de estar sozinho significasse ser insociável, e isso pode criar muito sofrimento. Mas é possível evitá-la ou transformá-la? A solidão pode ser benéfica?

“Assim como hoje todos nós temos medo do vazio, também temos medo da solidão. Em um mundo que nos satura com ruído, estímulo e informação, assim que estamos sozinhos, a solidão é assustadora. No entanto, todos nós a encontramos em algum momento de nossas vidas”, diz Claire de Saint Lager, autora de “O celibato, um caminho de esperança” (Edições Emmanuel), a Aleteia.

Naturalmente, não devemos fazer disso algo superficial: a solidão por luto, separação ou celibato é um sofrimento em si mesma. O ser humano é um ser relacional feito para “companheirismo e amizade”, portanto, como Claire de Saint Lager explica, ele é feito para uma relação de “simetria e reciprocidade”. No entanto, há muitas maneiras de transformar este sofrimento em bem-estar interior.

Foi Camille, minha sobrinha, que ‘derreteu’ meu coração ‘gelado’ por tanto tempo. A alegria de ensinar-lhe muitas coisas, incluindo a costura, me fez voar

Para Margot, uma estilista e solteira de 45 anos, a solidão é há muito tempo uma fonte de profunda tristeza. “Quando eu tinha trinta anos, sonhava em viver com um companheiro e ter uma grande família. A sensação de estar transbordando de amor para dar nunca me deixou. Mas a pessoa que eu tinha amado desde meus estudos não estava apaixonada por mim”, diz ela à Aleteia. A tristeza, depois a decepção, gradualmente se transformou em uma profunda tristeza, marcada por picos de séria depressão. Enquanto esta última a inspirou no processo de criação de suas coleções de vestidos, a aceitação da solidão veio alguns anos mais tarde. “Quando minha irmã deu à luz a uma menina, Camille, isso me encheu de alegria. Eu poderia ter ficado com ciúmes. Mas, ao contrário, senti que, sendo sua tia, eu poderia me abrir e desabrochar neste novo vínculo familiar. Foi Camille, minha sobrinha, que ‘derreteu’ meu coração ‘gelado’ por tanto tempo. A alegria de ensinar-lhe muitas coisas, incluindo a costura, me fez voar. É de fato o que finalmente me permitiu aceitar meu celibato e minha solidão”, analisa ela.

Uma solidão habitada

woman smile

Aceitar viver a solidão permite enfrentar a si mesmo, ouvir sua voz interior. Este é o início da transformação. “Quando o ruído externo para, encontramos nosso ruído interno: nossos medos, nosso ego, nossas falhas, nossas dúvidas, nossos medos… Em suma, tudo o que está dentro de nós e que realmente não queremos ouvir. Mas se ousarmos fazer isso, esses ruídos darão lugar a outra experiência, a de permitir um encontro com a presença divina, e de reorientar-se nela. Quanto mais a solidão for experimentada de uma forma profunda, espiritual, acolhida e consentida, mais a pessoa experimentará mais tarde um encontro amoroso alimentado por uma certa liberdade interior, com menos medo de ser você mesmo e com menos medo de perder o outro. A chave está no encontro consigo mesmo e depois com a presença de Deus dentro de nós”, explica Claire de Saint Lager.

Uma voz interior de vigia

No início, para Thomas, um agente imobiliário de 42 anos de idade que havia se separado de sua esposa há cinco anos, estar solteiro novamente depois de uma vida de casado com uma família realmente o assustava. “A ruptura foi brutal. Foi minha esposa que decidiu me deixar. Tendo sofrido isto, mergulhei no desespero, na revolta e finalmente no medo de terminar minha vida sozinho. A única alegria que me amarrou à minha triste existência foi ligada às minhas duas filhas, de 8 e 10 anos. Todo fim de semana passado com elas me deu uma sombra de esperança”, admite ele.

Caminhando com outros pais, eu tive uma experiência espiritual que mudou minha vida. Agora Deus vive em minha solidão. Acolhê-lo muda tudo

No ano passado, um amigo convenceu Thomas a fazer a peregrinação dos pais a Chartres. “Decidi fazer isso no último momento, sem realmente pensar no significado profundo desta etapa. Mas ao caminhar com outros pais, alguns dos quais haviam sido agredidos pela vida como eu, experimentei uma espécie de comunhão espiritual com o grupo. Eu não estava sozinho. Durante a vigília de oração na Catedral de Chartres, comecei a chorar, repetindo dentro de mim o tempo todo: “Senhor, eu me abandono a Ti, eu me abandono a Ti, eu me abandono a Ti”…

E então pensei ter ouvido uma vozinha me dizendo: “Eu te amo, estou sempre com você”, diz ele. Esta experiência espiritual mudou minha vida como pai sozinho. De agora em diante, Deus vive em minha solidão. Acolhê-lo e deixar-se amar por Ele muda tudo”, conclui ele.

Espera com Deus

Quanto a Thomas, nem sempre é fácil introspecção, mesmo a ponto de ser amado na pobreza, e aceitar abrir definitivamente a porta a Deus. Jean e Anne-Fleur, na casa dos trinta anos, estão casados há seis anos e ainda esperam ter um filho. Os diagnósticos dos médicos são bastante pessimistas, e a questão da infertilidade torna o casal cada vez mais frágil. “É um verdadeiro sofrimento para nós. É ainda mais difícil de suportar porque não é compartilhado com nossos parentes, para os quais o assunto é tabu. Sentimo-nos terrivelmente sós. Uma solidão que é incompreensível para os outros”, diz Anne-Fleur.

A solidão é uma oportunidade de convidar Deus para o coração da própria espera, e de colocar o próprio projeto em suas mãos

Para lidar com este sofrimento, Jean sugeriu a sua esposa que fizessem um retiro espiritual para falar a verdade sobre sua relação e tentar redescobrir a esperança. “É algo vital. Precisamos da ajuda de outros e de Deus para discernir a vocação de nosso casal ‘sem filhos’ e para abrir nossos corações para outro projeto de vida”, explica Jean.

A solidão de Margot e Thomas, ou a de Jean e Anne-Fleur como casal, requer a mesma abordagem de convidar Cristo a habitar suas vidas, sua solidão, suas expectativas, suas esperanças e suas alegrias. É uma oportunidade de convidar Deus para o coração de sua espera, e de colocar seu projeto em suas mãos. “O segredo é aceitar que você não tem controle sobre o futuro, aproveitar o presente, dizendo a si mesmo que ele pode mudar a qualquer momento e, sobretudo, viver tudo com o Senhor”, conclui Claire de Saint Lager.

Para ajudar a tornar a solidão mais benéfica, aqui estão algumas idéias para praticar diariamente:

1. Reserve um tempo para recolher todas as mensagens de amor que você recebeu recentemente: uma risada com um amigo, um elogio de um vizinho, um texto de um amigo, um convite para uma festa. “Você tem que tratá-las como pequenas mensagens de amor. Ao recebê-las como mensagens de amor, nós nos enchemos de amor. Às vezes ficamos tão pendurados em nosso sofrimento que não vemos todo o amor que nos é enviado”, aconselha Claire de Saint Lager.

2. Lembre-se todos os dias que, mesmo em tempos de sofrimento, você não está sozinho. Deus está sempre presente, Ele vive em você.

3. Esteja atento ao momento presente. Este é um exercício que lhe permite sair de sua miséria e estar mais atento aos outros e ao mundo ao seu redor. Centrar-se no aqui e agora exercita a percepção da presença divina dentro de você.

4. Aceitar todos os convites na medida do possível. Há um velho ditado que diz que se você nunca mais aceitar convites, nunca mais os receberá. Diga “sim” com a maior frequência possível!

5. Dê a si mesmo presentes: um passeio, uma breve viagem, uma ida a um espetáculo. Por que não dar a si mesmo um pequeno presente e aproveitar este momento de alegria com Deus? Diga-lhe: “Sei que Você está celebrando este momento comigo, sei quem Você está comigo”, sugere Claire de Saint Lager.

6. Planeje seu tempo. Um calendário lhe dá um senso de organização e às vezes um senso de propósito.

7. Limite o tempo de tela do smartphone. Quanto menos tempo você passar sentado na frente do dispositivo, mais oportunidades você tem de realmente interagir com outras pessoas.

Tags:
AmizadeAmorRelacionamentoVirtudes
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia