Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 29 Fevereiro |
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

Ateu e anticlerical, como Lucas fez as pazes com Deus

Portrait, Conversion, Lucas Tierny

Lucas Tierny

Lucas Tierny, jeune homme anticlérical et athée, a demandé le baptême après six ans de cheminement spirituel.

Cécile Séveirac - publicado em 05/04/23

Uma vez ateu e anticlerical, ele pediu o batismo após seis anos de jornada espiritual. "Eu só compreendi com dificuldade que podia realmente confiar em Deus"

“Deus é o óbvio invisível”. Sem dúvida, Lucas Tierny, 30 anos, se reconheceria nesta declaração de Victor Hugo. Este graduado em administração e consultor de estratégia em Paris diz que já teve “duas vidas”: a primeira antes de Deus, a segunda depois Dele.

“Até meus amigos se referem ao ‘velho Lucas’ quando falam do tempo antes de minha conversão”, ele admite a Aleteia. No entanto, foi um longo e às vezes doloroso caminho para o batismo: nenhuma conversão relâmpago para este jovem profundamente ateu e declaradamente anticlerical.

“Cresci em oposição à Igreja como instituição: tanto para meus pais como para mim, era uma camisa de força, uma entidade ultrapassada, e uma influência prejudicial. Meu plano inicial era ‘libertar’ os católicos que encontrei ao longo do caminho daquilo que eu via como um estrangulamento.”

Eu disse a mim mesmo: o que eu tenho a perder? Por que não tentar?

Lucas foi afetado desde cedo pela perda de sua mãe, com quem tinha uma relação caótica. Em 2009, enquanto supervisionava um acampamento de verão, aos 18 anos, o jovem soube que ela havia cometido suicídio. O choque foi terrível.

“Eu tive uma infância em que tive que confiar em mim mesmo muito rapidamente. Isto contribuiu para meu orgulho, e o orgulho é o maior obstáculo à fé”, diz ele. “É por isso que meu caminho é acima de tudo intelectual, a fé chegou tarde. Só com dificuldade entendi que podia confiar em Deus e realmente abrir minha porta para Ele”. Ele levou seis anos para deixar a graça inundar sua alma.

No início, uma oração

Lucas entrou na escola de comércio EM Lyon em 2013, aos 22 anos de idade. A busca incessante do sucesso, as tradicionais festas, o desencadeamento das paixões e a sequência de conquistas, tudo está lá, mas nada realmente alimenta o jovem que tenta se satisfazer com a superficialidade como um modo de vida.

A Providência, no entanto, parece manter um olhar atento sobre as aflições do jovem. Ela marca seu caminho com encontros que, com delicada paciência, abalam suas convicções, quebram suas servidões, desorganizam seus preconceitos.

Como a presença de François, um amigo católico convicto e assertivo, que não esconde nada de sua fé. Lucas vai à missa com ele uma vez. “Eu me perguntava o que eu estava fazendo aqui”, ele se lembra. No entanto, sem sequer saber que estava rezando, Lucas se voltou para Deus e pediu-lhe que lhe trouxesse a verdadeira paz. “Eu pensei: ‘O que tenho a perder? Por que não tentar? Ninguém saberia. Eu tive um flash de honestidade comigo mesmo e com Deus. Eu nem sabia como me dirigir a Ele. No entanto, quando olho para trás, acho que fiz a coisa certa”, ele sorri.

Tudo é mais simples, comparado a uma vida sem Deus, porque tudo se renova quando se sabe que existe um Criador amoroso

Alguns meses depois, Lucas iniciou seu catecumenato na paróquia de Sainte-Blandine, em Lyon. “Fui rapidamente desafiado pelos ensinamentos da Igreja. Eu era anticlerical, mas não era estúpido, era impossível para mim não notar sua coerência”.

“A mente humana é inevitavelmente atraída pela verdade e a Igreja sempre conseguiu responder às minhas perguntas. Ela é uma especialista em humanidade, porque conhece perfeitamente o homem.”

Ainda um pouco hostil, Lucas procura entender. Ele foi para um retiro com a comunidade Saint Martin, cheio de preconceitos que desapareceram após algumas horas. A pequena comunidade de católicos se revela muito mais acolhedora do que parece. O jovem continua sua trajetória, cheio de dúvidas e perguntas, de renúncias, até mesmo interrompendo-a antes de retomá-la em 2018. Desta vez, será o momento certo.

A graça do batismo

Após seis anos de catecumenato no total, Lucas foi batizado em 20 de abril de 2019 aos 28 anos de idade. “Foi uma mudança total de paradigma. Comecei a trabalhar na acumulação de riqueza que não apodrece, tendo em vista o céu”, diz ele.

“Hoje eu sei que Cristo, uma entidade superior, porém totalmente humana, passou por tudo o que estamos passando hoje. Este é um maravilhoso dom de esperança e de paz. Eu não vejo mais minha vida da mesma maneira. Tudo é mais simples, comparado a uma vida onde não há Deus, porque tudo se renova quando se sabe que há um Criador amoroso por trás de tudo isso”, diz ele.

Suas relações com os outros estão mudando. Suas amizades, até com o sem-teto que vive lá embaixo em seu prédio, e mesmo com as meninas, depois de se reapropriar da virtude da castidade.

Abra a porta e deixe a luz entrar, porque acreditar é viver. Com os dois pés firmemente plantados no chão, e os olhos voltados para o céu

“Penso muitas vezes no episódio bíblico de Davi e Golias. David lembra-se do que Deus faz por ele em sua vida diária e lembra aos generais que Deus já o está ajudando a proteger suas ovelhas. Então, o que ele não faria por seu povo? Por que ele o abandonaria? É a memória do que Deus já fez por ele que o ajuda a confiar em Deus. E aí ele triunfa. Foi um pouco assim para mim: pude colocar minha razão de lado porque tinha a memória do que Deus já estava fazendo por mim em minha vida. Não tinha nenhuma razão para não confiar nEle para o futuro. Eu não perdi nada, pelo contrário, ganhei tudo.”

Logo após seu batismo, Lucas foi a Lourdes, uma peregrinação que ele descreve como uma lua-de-mel entre Deus e ele mesmo. Ele decidiu então fazer uma pausa em sua carreira e retirar-se para um mosteiro para escrever sobre sua viagem, antes de imergir novamente no mundo.

“Para aqueles que não estão à procura de Deus, eu digo: façam a pergunta de qualquer maneira, porque não há nada a perder. Esteja aberto a ela. Àqueles que o buscam: vá em busca dele. Abra a porta e deixe entrar a luz, porque acreditar é viver. Com os dois pés firmemente plantados no chão, e seus olhos voltados para o céu.”

Tags:
AteismoConversãoTestemunho
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia