Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 19 Abril |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Por que o Papa Francisco foi à Hungria?

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope Francis is greeted by children wearing traditional Hungarian dresses after he arrived

Photo by Vincenzo PINTO / AFP

Papa Francisco sendo recebido por crianças no aeroporto de Budapeste.

Anna Kurian - publicado em 28/04/23

Um gesto de paz nas fronteiras da Ucrânia, as relações com Moscou, a secularização na Europa, os refugiados: uma visão geral das questões em jogo durante a viagem do Papa Francisco à Hungria, onde fica até domingo

Uma viagem ao centro da Europa, sobre a qual os ventos gelados da guerra continuam a soprar”. O próprio Papa Francisco descreveu sua viagem nesses termos no final do Regina Caeli de 23 de abril de 2023.

Embora a Hungria tenha acolhido quase um milhão de refugiados ucranianos desde o início do conflito, de acordo com seu governo, o papa enfatizou as “questões humanitárias urgentes” trazidas pela guerra, referindo-se ao “deslocamento de tantas pessoas”. Os combates que vêm ocorrendo há 14 meses no país fronteiriço estarão, portanto, no centro das preocupações do pontífice de 86 anos, que insistiu nessa viagem apesar de suas dificuldades de mobilidade e de sua recente hospitalização por bronquite no final de março.

Falando sobre a viagem, o Papa Francisco também lembrou que já havia visitado a Hungria muito brevemente em setembro de 2021, por ocasião do Congresso Eucarístico Internacional, e expressou sua alegria por encontrar “uma Igreja e um povo que lhe são queridos”.

O Papa como “peregrino, amigo e irmão de todos”

Para essa 41ª viagem fora da Itália, Francisco se apresentou como um “peregrino, amigo e irmão de todos”. Durante seus três dias em Budapeste, o chefe da Igreja Católica deve se reunir com líderes políticos, incluindo o primeiro-ministro Viktor Orbán, com quem as relações têm sido instáveis. Sua política restritiva sobre a recepção de migrantes o tornou um oponente do pontífice argentino. Mas, nos últimos meses, suas posições em relação à guerra russo-ucraniana, pedindo o diálogo e o fim das hostilidades, aproximaram os dois líderes.

O tema dos refugiados será um dos destaques da viagem. O papa deve se encontrar com refugiados da Ucrânia, Paquistão, Afeganistão, Iraque, Irã e África no sábado, em um território que, em 2015, fechou suas fronteiras com a Sérvia, de onde vieram os migrantes da rota dos Balcãs.

Outros tópicos esperados, de acordo com o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni: ecologia, uma área na qual a Hungria está muito envolvida; o papel da União Europeia e seu compromisso com a paz global; e ecumenismo.

Embora ainda não se saiba se representantes do Patriarcado de Moscou estarão presentes em alguns dos eventos, os organizadores lembram que esse foi o caso durante a primeira visita do Papa em 2021. Alguns observadores preveem uma reunião com o Metropolita Hilarion, ex-“Ministro das Relações Exteriores” do Patriarcado de Moscou, agora baseado em Budapeste. Mas isso não está no programa oficial.

Pope Francis speaks with journalists during his flight from Rome Fiumicino International Airport to Budapest International Airport on April 28, 2023
Francisco conversa com jornalistas durante voo para Budapeste na manhã desta sexta-feira, 29 de abril.

Apoio aos cristãos perseguidos

O Papa Francisco também se reunirá com bispos, padres e religiosos, e celebrará uma missa com a comunidade católica na Praça Kossuth Lajos, em Budapeste. Uma comunidade que experimentou um renascimento após a perseguição sob o regime comunista, mas que hoje está sofrendo os efeitos da secularização do Velho Continente. O povo húngaro se distanciou da prática religiosa e está experimentando “um certo ateísmo prático, […] a vida como se não houvesse Deus, a impotência do bem-estar material e a ausência de um sentido espiritual”, explica o jesuíta húngaro Zoltán Koronkai, diretor de um centro intelectual em Budapeste, ao falar sobre as realidades que o sucessor de Pedro teria de enfrentar.

Finalmente, a promoção da família e da taxa de natalidade, bem como o apoio aos cristãos perseguidos no Oriente Médio, constituem pontos de proximidade entre as visões húngara e papal.

Assim como o papa denuncia regularmente as “colonizações ideológicas”, o governo se opõe à ideologia de gênero. A Presidente da República, Katalin Novák, eleita em 2022, encarna, portanto, uma defesa da família tradicional “pai, mãe, filhos”, de acordo com a Doutrina da Igreja Católica.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos

Tags:
EuropaPapa FranciscoUcrânia
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia