Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 23 Fevereiro |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Ser madrinha ou padrinho, um compromisso em diálogo com Cristo

CHRISTENING

Shutterstock | Maurotoro

#image_title

Benoist De Sinety - publicado em 23/05/23

Ser madrinha ou padrinho é um compromisso exigente que só vale a pena se você quiser assumi-lo. "Não é uma questão de ser exemplar", explica Benoist de Sinety, pároco de Saint-Eubert em Mille, "mas de dizer sim, sem medo, a Cristo"

“E vocês, que concordaram em ser padrinhos dessa criança, concordam em ajudar os pais a exercer essa responsabilidade?” Nos quatro cantos do mundo, a pergunta ressoa em cada batismo. “Vocês têm de responder ‘sim’, caso contrário, paramos tudo…” Um dia, quando eu estava falando um pouco levianamente sobre esse diálogo com os interessados, um futuro padrinho olhou para mim e me repreendeu de forma educada, mas firme: ‘Você acha que não podemos responder levianamente?’ De repente, meu senso de humor foi chamado à ordem e eu também!”

Um dom e um compromisso

É claro que essa pergunta não deve ser respondida levianamente, pois ela interpela a liberdade da pessoa a quem é feita e, portanto, provoca um compromisso. Pois, no final das contas, o que é ser padrinho ou madrinha se não um compromisso em resposta a um dom gratuito dado a você? Um dom que geralmente vem de uma amizade ou de um vínculo familiar com os pais do bebê. Uma história comum que nos construiu e que continua nas escolhas de vida de cada um de nós e, portanto, no compartilhamento da boa notícia de um nascimento. Compromisso, porque diante dessa criança, a vida chama e, por sua beleza, dá a cada um o desejo de acreditar que tudo é possível.

“Sim”: nessas três letras há o tremor de uma promessa a ser cumprida, a alegria de ser convidado e a esperança de não estar sozinho demais para cumprir o que essa palavra contém de certezas e também de desilusões. O valor de uma promessa não está tanto na fidelidade com que ela é feita, mas na aceitação de que ela não pode ser cumprida sozinha. Ajudar alguém a descobrir Cristo, a Igreja, a Vida do Evangelho… quem pode razoavelmente esperar ser bem-sucedido? Será que os laços de amizade perdurarão com os pais que chamamos para essa missão? Minha fé resistirá ao envelhecimento do meu ser? É necessário ser exemplar?

Mostrando seu desejo

Não existe cristão sem um relacionamento com Cristo. A vida do Espírito é relacionamento, a Palavra de Deus é relacionamento, os sacramentos são relacionamento. Não há vida cristã que não entre em diálogo com Cristo de alguma forma. Ou não se é cristão: é-se um homem religioso, que teme a Deus e procura cair em suas boas graças ou, pelo menos, não desagradá-lo, o que não é nada, mas também não é tudo.

Não há vida cristã que não entre em diálogo com Cristo de uma forma ou de outra.
Ser padrinho ou madrinha, portanto, é manifestar publicamente o desejo de estabelecer ou continuar um relacionamento com Jesus, de buscá-lo, de querer conhecê-lo melhor, de acolhê-lo. Desejá-lo não significa sempre alcançá-lo de acordo com uma curva progressiva, sem lacunas ou retrocessos. Pois ninguém sabe o que o amanhã nos reserva. Mas todo mundo sabe o que pode fazer hoje, ali, agora, aqui. E se der a si mesmo o tempo e investir a energia para ser o que se comprometeu a viver. Nenhum afilhado precisa de uma figura heroica, basta que seja inspirador. Ou seja, ela precisa fazer com que o observador queira ir mais fundo, descobrir através dela, sair para o mar aberto.

Não tenha medo

Ser um bom cristão não faz muito sentido: quem pode afirmar que o é? Tudo depende do ardor do desejo, da força de vontade. Não porque se baseie apenas na força humana, mas porque, dessa forma, abrimos a possibilidade de a graça fazer seu trabalho em nós e por meio de nós. Além de nossos fracassos e quedas. Não mais do que um “bom cristão”, um “bom padrinho” tem a resposta para tudo. Demonstrar piedade e observância para com o afilhado, mesmo que isso seja muito bom, não é suficiente.

Talvez o segredo de viver essa missão, como de fato qualquer missão a serviço da proclamação do Evangelho, seja não ter medo de se comprometer, não ter medo de ir. Sabendo que cairemos, que falharemos. Mas que Cristo está lá, caminhando em nossos passos e nos levantando, restaurando-nos, confortando-nos e devolvendo-nos a vida sempre que a morte ameaçar. E que viver isso é viver a alegria da crença.

Tags:
AmizadeBatismoFamíliaSacramentos
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia