Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 24 Abril |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Como uma simples viagem de carro em família pode se tornar um retiro espiritual

Viagem de carro em família

Monkey Business Images | Shutterstock

Michael Rennier - publicado em 07/08/23

Mesmo que tenhamos momentos de estresse, brigas ou tédio, nosso tempo em família é precioso e sagrado

Estou digitando este artigo durante as férias em família. Minha esposa e eu temos seis filhos – mais velho com 16 anos. Quando saímos de férias, todos subimos em nosso velho Honda Odyssey. Apenas uma das portas ainda funciona, então nos amontoamos por um lado como palhaços em um carro de circo. 

Por dentro, fica barulhento. A menina de quatro anos canta a plenos pulmões, a conversa na fileira de trás varia de risadinhas a discussões sobre de quem é o espaço de quem. Existem, é claro, as demandas onipresentes para parar e usar o banheiro ou tomar um sorvete. E, claro, não podem faltar perguntas imperiosas sobre quando chegaremos ao nosso destino.

Eu poderia passar sem isso. Mas, honestamente acho essas viagens relaxantes.

Há muito tempo, desistimos de destinos de férias sofisticados e repletos de atividades. Parques temáticos, museus e longas viagens de avião são caros e cansativos. Descobrimos que essas viagens nos deixavam mais cansados ​​do que quando partíamos.

Viagens fáceis

Agora fazemos viagens fáceis, de carro. Gostamos de ir à praia, se pudermos, mas os lagos são igualmente agradáveis. Gostamos de fazer caminhadas em parques estaduais, relaxar em cafés e ir à uma pista de kart. Nosso objetivo é manter as atividades gerenciáveis, para que não fiquemos exaustos e lamentando nossas escolhas excessivamente ambiciosas. Nós nos concentramos em passar muito tempo de qualidade juntos, mesmo que seja simplesmente uma tarde sem rumo à beira da piscina.

Atualmente, estou em um café em uma pequena cidade na região onde vivo. Minha família vai se juntar a mim em alguns minutos e vamos comer panquecas. Depois disso, podemos explorar a cidade e as vitrines. As crianças viram uma loja de doces que estão ansiosas para conhecer. Talvez nós desçamos até a beira do rio e os meninos subam em algum monumento ou outro objeto aleatório em que não deveriam estar. Vou olhar para o outro lado e fingir que não os conheço!

Um problema de perspectiva

Não estou argumentando que só há uma maneira de passar o tempo juntos. Fazemos o que funciona para nós. Para mim, não é a atividade ou destino que importa, mas a perspectiva que levamos em nosso tempo juntos. Isso vale tanto para as férias em família quanto para aquelas poucas horas que passamos com nossos filhos todos os dias – as horas que não são absorvidas pelo trabalho, incumbências ou sono.

Nosso tempo juntos é precioso. Mesmo que nossas famílias tenham momentos de estresse, brigas ou tédio, mesmo que às vezes precisemos de algum espaço do outro, devemos encarar nosso tempo de lazer com a família como uma versão de um retiro espiritual.

Os pais, muitas vezes, expressam frustração por terem muito pouco tempo sozinhos para o desenvolvimento espiritual. Eles não conseguem encontrar espaço suficiente para relaxar, a fim de descomprimir o suficiente para ter um retiro produtivo. Todo o nosso tempo livre é gasto em férias, práticas esportivas, brincadeiras com o bebê. Claro, podemos fugir para uma escapada de fim de semana uma vez por ano, mas nunca parece o suficiente.

Anseio por fuga espiritual

Por isso, desenvolve-se uma tensão entre a vida familiar e a vida espiritual. As obrigações familiares consomem todo o resto e os pais acabam se sentindo empobrecidos espiritualmente. Muitos desejam sair para um retiro como um monge, passando semanas em contemplação silenciosa nas montanhas ou na floresta, sem ver ninguém, orando e lendo.

Isso não vai acontecer, pais! A boa notícia é que não precisamos recuar como um monge para fazermos um retiro. Um monge tem uma vocação própria de seus votos, mas um pai também tem uma vocação própria de sua posição na vida. Os pais podem fazer um retiro espiritual com sua família.

Férias em família, uma hora no parque, uma ida à sorveteria, um passeio depois do jantar, tudo isso são pequenos retiros espirituais. Da mesma forma, ajudar seu filho com a lição de casa, picar os tomates para o jantar ou jogar um jogo de tabuleiro em família. É tudo uma questão de perspectiva.

O extraordinário no ordinário

A meu ver, a maravilha do ordinário revela o supercomum. Através da família, podemos transitar do mundo natural para o mundo da graça. Não precisamos abandonar nossas responsabilidades para partir em alguma grande e exótica jornada espiritual.

Josef Pieper, em seu livro sobre lazer, escreve: “Um homem que precisa do incomum para fazê-lo ‘maravilhar-se’ mostra que perdeu a capacidade de encontrar a verdadeira resposta para a maravilha de ser.” 

Ele continua: “Quando realmente deixamos nossas mentes descansarem contemplativamente em uma rosa em botão, em uma criança brincando, em um mistério divino, somos descansados ​​e vivificados como se por um sono sem sonhos… É nesses momentos silenciosos e receptivos que a alma do homem às vezes é visitada por uma consciência do que mantém o mundo unido.

Eu concordo completamente. Encontro Deus regularmente por meio de meus filhos. Ele se reflete no sorriso de minha filha enquanto ela se pendura nas barras de trepa-trepa, no suor na testa de meu filho enquanto ele anda de bicicleta, na concentração em meus olhos de adolescente enquanto ela pinta uma flor para um trabalho de classe. Ali encontro alegria contemplativa, gratidão e beleza inocente. Se esta é a vida espiritual que Deus me concedeu, estou mais do que satisfeito.

Pais, esta é a nossa oportunidade espiritual. A família é o nosso refúgio.

Tags:
DescansoFamíliaFilhospais
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia