Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 13 Abril |
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

Uma cura “milagrosa” durante a Adoração Eucarística

Ostensório com o Santíssimo Sacramento

Sidney de Almeida | Shutterstock

Ostensório com o Santíssimo Sacramento

Theresa Civantos Barber - publicado em 28/08/23

Há sete anos, Júlia estava muito doente. Ela foi a uma Adoração Eucarística, pediu pela cura e algo surpreendente aconteceu

Hoje, Júlia é uma jovem feliz e saudável, mas há sete anos ela estava muito doente – até que uma cura durante Adoração Eucarística mudou a sua vida. Aqui está a história dela.

Uma infância católica

Júlia foi criada em uma família católica e seus pais a ajudaram a ter Jesus como prioridade na vida. Eles moravam perto de sua paróquia, nos subúrbios de Chicago, então era fácil para Júlia ir à igreja com frequência.

“Meus amigos e eu poderíamos nos encontrar para a missa matinal antes da escola e, uma vez estabelecida uma capela de Adoração Eucarística perpétua, eu poderia aparecer para dizer ‘oi’ a Jesus sempre que quisesse”, disse ela em entrevista à Aleteia.

A família de Júlia também tinha um horário regular de Hora Santa nas tardes de sábado para que toda a família pudesse passar algum tempo em oração.

“A presença de Cristo era uma constante reconfortante. Quando me ajoelhava diante da Eucaristia, nunca duvidava que estava visitando uma pessoa, não apenas um símbolo”, explica a jovem.

Uma doença debilitante

A saúde de Júlia nunca foi boa, mas piorou na adolescência. Depois de consultar muitos médicos e passar por vários exames, ela foi diagnosticada com síndrome de taquicardia postural ortostática, um distúrbio do sistema nervoso que afeta a frequência cardíaca e a pressão arterial. 

“Quando eu ficava de pé ou sentada por muito tempo, o sangue escorria da minha cabeça, fazendo-me desmaiar”, explicou ela.

A condição de Júlia piorou. Ela precisou de uma andador para se locomover. Depois, foi necessária uma cadeira de rodas. A família também contratou uma enfermeira domiciliar que ajudava a administrar os episódios de fluidos intravenosos. 

A doença deixou a jovem completamente confinada à cama, enquanto seus amigos e colegas iam para a faculdade e procuravam suas vocações. “De certa forma, eu também estava na escola – a escola da Cruz”, lembrou ela.

Uma cura “milagrosa”

No dia 1º de abril de 2017, Júlia foi com sua família à capela da Adoração para a Hora Santa regular de sábado. Ela não conseguia sentar-se direito no banco, por isso deitou-se num colchonete no fundo da capela. 

Ela descreveu a coisa incrível que aconteceu naquele dia:

“Eu já havia orado por cura antes, mas a resposta sempre era muito clara: ‘ainda não’. Desta vez, minha oração foi diferente. Era o dia da mentira. Sabendo que Jesus tem senso de humor, perguntei se ele me concederia uma cura dramática como uma pegadinha do dia da mentira, para que eu pudesse confundir as pessoas com minha saúde repentina. Para minha surpresa, ele concordou!”

No começo, ela não se sentiu diferente e não queria tentar andar para não cair. Júlia, então, pediu a confirmação de que o que ela estava ouvindo era genuinamente de Deus, e não apenas de sua própria mente dizendo o que ela queria ouvir. 

“Perguntei a Jesus: Sei que você não faz muito isso fora do Antigo Testamento, mas se eu estiver realmente curada, você poderia enviar uma voz fisicamente audível me dizendo que não há problema em me levantar e me movimentar… Ele disse que iria, mas eu não ouvi nada fora do meu coração ainda”.

Quando chegou a hora de ir embora, sua mãe citou João 5,8 em tom de brincadeira, sussurrando: “Levanta-te, toma o teu catre e anda”.

 Júlia sabia que esse era o seu sinal. Ela disse:

“Enrolei meu colchonete, fiz uma genuflexão e — para alarme de meus pais — comecei a caminhar para casa. Eram apenas alguns quarteirões, mas até mesmo atravessar uma sala normalmente me cansaria. Caminhar até a casa seria impossível! Minha mãe caminhou ao meu lado, pronta para ajudar se necessário, e meu pai me seguiu de perto no carro, esperando que eu precisasse de uma carona. Eu disse a eles que não era necessário. Eu estava curado!”

Um choque para todos

A recuperação repentina de Júlia foi um grande choque para seus fisioterapeutas e médicos. “Os dias seguintes foram divertidos”, disse ela, lembrando-se da surpresa de todos. “A POTS é uma doença que nunca desaparece tão repentinamente, então foi definitivamente um milagre.”

Pouco tempo depois, Júlia estava de volta ao estúdio de dança, uma paixão que teve que abandonar devido à doença. Agora, ela pôde ajudar a iniciar um programa para dançarinos com deficiência – “o tipo de programa que eu desejava quando estava doente”, afirmou.

Júlia está bem hoje e quer compartilhar uma mensagem importante: 

Os milagres não estão restritos aos tempos bíblicos. O mesmo Jesus que curou o coxo em João 5,8 atravessou o tempo e estendeu a mesma bênção para mim através da sua Presença Real na Eucaristia. Sou muito grata por ele ter me curado da doença que me mantinha acamada! Deus é muito bom!”

Tags:
CuraDoençaMilagreTestemunho
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia