Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 22 Abril |
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

“A primeira coisa que direi a Deus é obrigado por minha família”: a impressionante conversão de Marine

Marine-Beaute-2023-11-15T130356.483.jpg

Marine Beauté

Convertie à 15 ans, Marine Beauté veut aider les couples à devenir des "bâtisseurs".

Anne-Sophie Retailleau - publicado em 16/11/23

Aos 25 anos, Marine Beauté é uma jovem mulher, esposa, mãe e empresária bem-sucedida. Nascida de pais surdos e separados, ela conheceu Cristo aos 15 anos, fato que mudou sua vida

Olhos grandes, um sorriso franco e luminoso. Marine Beauté, pois esse é seu nome, tem o rosto da alegria. “Comigo, é tudo ou nada”, ela avisa, com um brilho nos olhos. Uma personalidade forte aliada a uma vontade férrea: Marine sabe o que quer, de onde vem e para onde vai. Sua história é incomum. Marine nasceu de pais surdos e mudos. Ela e seu irmão Jérémy, três anos mais velho, são ouvintes. Aos 25 anos, a jovem diz que tem sorte por ter crescido em “dois mundos, o mundo dos surdos e o mundo dos ouvintes”.

“Minha língua materna é a língua de sinais”, explica ela. “Antes de começar a estudar, eu não falava nada”. “Ter pais com deficiência molda uma personalidade única. Quando você é filho de pais surdos, você é um pouco como pai dos seus pais”, confessa a jovem. Você cresce mais rápido do que a média das pessoas e eu sempre achei que não tinha o direito de cometer erros”, confessa.

Essa vida cotidiana em uma família extraordinária também é pontuada por dificuldades. Quando ela tinha apenas 4 anos, seus pais se separaram. Marine cresceu em Toulon, onde foi criada pelos avós, pela mãe, pelo padrasto e pelos tios. Apesar da ausência do pai, que a fazia sofrer, a menina cresceu em uma família feliz e unida. De vez em quando, ela e seu irmão iam à missa aos domingos com a avó. O restante da família não é católico. “Nós ríamos um pouco sobre Deus”, ela confidencia. “Eu costumava ficar mais no fundo da igreja brincando”.

Design-sans-titre-2023-11-15T095248.804.jpg

Encontro com Cristo

Depois veio a adolescência, com sua cota de perguntas, transformações e tensões. “Tudo o que eu pensava era em festas, parei de trabalhar na escola e estava em desacordo com a Igreja – ela não me interessava”, diz Marine. Por acaso, a jovem foi até a capelania da faculdade em Sanary-sur-Mer, perto de Toulon, que vários de seus amigos frequentam. “O padre sugeriu que eu participasse de um festival para jovens cristãos e me disse que era aberto a não católicos também. A única coisa que não era negociável era que eu tinha de concordar com 30 minutos de adoração na última noite”, diz Marine. No último dia, com um amigo não crente que eu havia trazido comigo, negociamos para não precisar ir. E então finalmente cedemos”. A adolescente deveria passar apenas 30 minutos em adoração, mas quando chegou ao Santíssimo Sacramento, foi amor à primeira vista. “Passei 4 horas contemplando-o em silêncio”.

Marine pensou que estava sonhando, mas achou difícil de acreditar: será que ela realmente havia encontrado Cristo? Era bom demais para ser verdade, pensou ela. “No dia seguinte, falei com Deus pela primeira vez: “Estou disposta a acreditar em você, mas para isso você terá que me dar um sinal claro dentro de 5 minutos”. “Poucos momentos depois, minha amiga recebeu uma mensagem de sua mãe: ‘Eu nunca lhe disse isso, mas eu amo você’. As duas estavam em conflito há anos. Esse foi o meu sinal; eu realmente levei isso para o lado pessoal, como se o bom Deus estivesse me dizendo: ‘Eu amo você, e se eu nunca lhe disse isso antes, talvez seja porque você nunca me pediu'”.

Agradecendo apesar das provações

“Essa experiência foi o ponto de virada em minha vida, e toda vez que falo sobre isso, lágrimas brotam em meus olhos”, ela ri, emocionada. Ela tinha 15 anos e sua vida mudou. “Desde então, Deus sempre esteve presente, nas alegrias e nas tristezas. Ela se confia diariamente a Jesus, a quem passou a chamar carinhosamente de “JC”. Marine também reza especialmente a São José, “porque ele sempre atendeu minhas orações”. “Lá em cima, é um pouco como uma família mista, e isso me toca porque eu cresci em uma família mista. Sua família não entende sua fé e a de seu irmão, que também é muito religioso. Eles acham que vamos muito à missa”, diz ela com um sorriso um pouco envergonhado.

Marine-Beaute-et-Leopold-2023-11-15T130306.007.jpg

Apesar das provações e tribulações, Marine agradece. “Não entrei nessa família por acaso, tive sorte e a amo mais do que tudo. No entanto, ao crescer, a jovem também sofreu com a maneira como a deficiência de seus pais e as origens humildes de sua família eram vistas. “Um professor da 4ª série me disse um dia que eu não poderia estudar porque minha condição social não permitiria”, conta ela. “Esse foi o maior incentivo de minha vida”. “As pessoas que não nasceram com uma colher na boca têm uma força incrível e desenvolvem habilidades que outras pessoas não têm.”

A primeira coisa que direi a Deus quando o vir é obrigado por minha família

Com persistência e trabalho árduo, Marine concluiu seus estudos e se tornou psicóloga. Nesse meio tempo, ela conheceu o homem que viria a ser seu marido e se mudou do sul da França para a Bretanha. Aos 24 anos, ela se tornou mãe de um garotinho, Léopold, a quem ensinou a linguagem de sinais. “Meu marido me disse que queria que seu filho pudesse se comunicar com a avó”. Em setembro de 2023, ela decidiu lançar seu próprio negócio para ajudar casais a administrar seus bens, juntamente com seu trabalho como psicóloga.

Nascida de pais separados, o objetivo de Marine é usar sua profissão para ajudar os casais a “se tornarem construtores”, em contraste com uma sociedade de consumo excessivo. “Se eu sou quem sou, é graças à minha família. Eu realmente quero homenageá-los por sua força e coragem”, insiste ela. “A primeira coisa que direi a Deus quando o vir é obrigado pela minha família”.

Tags:
ConversãoFamíliaFilhosTestemunho
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia