Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Redação da Aleteia / ACI Digital
Como surgem as intenções de oração do Papa?
María Álvarez de las Asturias
Como ajudar um casal que se separou?
Padre Reginaldo Manzotti
Oração para pedir luz ao Senhor
Padre Reginaldo Manzotti
5 lições de vida para ser feliz
Prosa e Poesia
Os recomeços
Vatican News / Redação da Aleteia
Papa aos juízes: não buscar interesse pessoal

Libertadas 183 crianças reféns dos terroristas Boko Haram

Compartilhar

Menores eram escravizados por um dos grupos jihadistas mais sanguinários do mundo

As Forças Armadas da Nigéria libertaram 183 crianças entre 7 e 18 anos sequestradas e escravizadas pelo grupo terrorista islamista Boko Haram, uma organização jihadista muito ativa no norte do país e em regiões de nações vizinhas. Trata-se de um dos bandos terroristas mais fanáticos e sanguinários da atualidade.

A operação, ocorrida em Maiduguri, nordeste do país, foi realizada com a colaboração do Unicef, que trabalha há anos junto com as Forças Armadas locais e que, desde 2017, apoia a reintegração econômica e social de mais de 8.700 crianças resgatadas dos grupos terroristas. A ajuda consiste principalmente em fazê-las reencontrar a família e reintegrar-se à comunidade, contando com apoio psicossocial, instrução, formação profissional e estágios informais, além de oportunidades para melhorar as condições de vida.

Antes de tudo, são vítimas

O diretor do Unicef Itália, Paolo Rozera, declarou ao Vatican News:

“O erro que se comete, talvez por rapidez comunicativa, é defini-los como crianças-soldado, esquecendo que são crianças [e adolescentes] de 7 a 18 anos e que, contra a sua vontade, foram recrutados pelos grupos armados. Atuam não somente em combates, mas também como espiões, carregadores e mensageiros, porque são rápidos e pequenos, e muitas vezes como ‘namorados’ ou ‘namoradas’ dos milicianos. O grande trabalho da Unicef local é o de esclarecer aos chefes militares das forças armadas que estas crianças são vítimas e não foram elas que escolheram seguir os grupos armados, mas foram obrigadas a isso”.

____

A partir de Vatican News

Aleteia Top 10
  1. Lidos