Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 15 Janeiro |
Santo Arnoldo Janssen
home iconEstilo de vida
line break icon

Como distinguir ansiedade de um transtorno de ansiedade

Shutterstock

Javier Fiz Pérez - publicado em 09/08/18

A ansiedade razoável é uma coisa. A ansiedade não razoável ou patológica é outra

A maioria das pessoas se sente ansiosa em um momento ou outro. A ansiedade situacional é bastante desagradável (embora tenha um propósito) em doses limitadas, mas quando se torna incessante e incapacitante, precisamos de ajuda.

O que é ansiedade?

A ansiedade é uma resposta de alarme fisiológico que nos prepara para lutar ou fugir diante de uma ameaça. No entanto, precisamos distinguir entre ansiedade razoável e ansiedade não razoável ou patológica (transtornos de ansiedade).

A intensidade da ansiedade razoável é proporcional à situação (um perigo objetivo), e termina quando a ameaça acaba; neste caso, a ansiedade é útil, ajudando a proteger a nós mesmos contra uma ameaça objetiva. Por exemplo: um leão é um estímulo objetivamente perigoso, e nossa ansiedade nos ajuda a reagir para fugir.

O contrário acontece no caso de uma ansiedade não razoável ou patológica, onde interpretamos situações, sintomas ou pensamentos como perigosos quando de fato não são, e a intensidade de nossa ansiedade não é proporcional à situação objetiva. Normalmente, uma reação de ansiedade patológica é muito intensa e duradoura, continuando mesmo após a situação ter passado. Por exemplo: somos encarregados de uma nova tarefa, e pensamos – sem uma boa razão – que não estamos à altura do desafio, então nossa resposta de alarme fisiológico se apaga e experimentamos ansiedade muito mais do que devemos.

No caso do estresse simples (em oposição à ansiedade patológica), a intensidade de nossa reação é proporcional à importância do desafio que nos enfrenta e é sempre menor do que a ansiedade não razoável. Por exemplo: fui encarregado da tarefa de preparar um projeto, e concluo que não tenho tempo suficiente para finalizá-lo. Diante dessa situação, minha reação ao estresse é ativada, e graças a isso, entro em ação para tentar terminar a tempo; assim que terminar o projeto, meu estresse desaparece.

O estresse normal ou saudável termina quando o desafio externo é passado e retornamos ao nosso estado emocional habitual; a ativação fisiológica volta ao normal.

No entanto, quando a ameaça percebida é muito grande e acreditamos que a nossa vida está em perigo, a intensidade da nossa ansiedade atinge um nível ainda maior, possivelmente causando um ataque de pânico.

O que é um transtorno de ansiedade?

Em resumo, os transtornos de ansiedade são os transtornos psiquiátricos mais comuns (Kessler, McGanable, Zhao, Nelson, Hughes, Eshelman, Wittchen e Kendler, 1994); no entanto, sua prevalência pode variar entre diferentes países e culturas (Krisanaprakornkit, Krisanaprakornkit, Piyavhatkul e Laopaiboon, 2007). As classificações internacionais de diagnóstico reconhecem vários tipos de distúrbios dentro do grupo denominado transtornos de ansiedade. Especificamente, no DSM-5 – Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (American Psychiatric Association), encontramos o seguinte:

– Transtorno de pânico com e sem agorafobia (medo de estar em espaços abertos ou no meio de uma multidão)

– Transtorno de ansiedade social (também conhecido como fobia social)

– Fobia específica

– Transtorno obsessivo-compulsivo (TOC)

– Transtorno de estresse pós-traumático (TEPT)

– Transtorno de estresse agudo (TEA)

– Transtorno de ansiedade generalizada (TAG)

– Ansiedade secundária à condição médica

– Transtorno de ansiedade induzido por substâncias

– Transtorno de ansiedade não específico

As melhores medidas que devemos tomar

Quando constante – sensações intensas de ansiedade são experimentadas várias vezes por semana durante vários meses –, a solução mais recomendável é ir a um especialista para receber ajuda efetiva para o gerenciamento desse tipo de transtorno. O Instituto Nacional de Saúde e Excelência Clínica recomenda dois tipos de tratamento para transtornos de ansiedade: farmacêuticos e psicoterapia.

O importante é não cair no erro de pensar que momentos normais de estresse ou ansiedade são sintomas de uma doença grave ou de um transtorno. A maioria dessas situações emocionais pode ser superada se atuarmos com previsão e responsabilidade, aprendendo a gerenciar nossas próprias emoções e nos concedendo mais espaço para analisar as situações que enfrentamos como indivíduos.

Tags:
Bem estarDepressãoInteligencia emocionalSaúde
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia