Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Beatificada neste mês a mais nova mártir da pureza sob o jugo do comunismo

Beata Verônica Antal
CC
Compartilhar

Vítima de brutais covardias, Verônica Antal sacrificou a própria vida para se manter fiel a Cristo

Foi beatificada neste último sábado, 22 de setembro, na Igreja da Assunção em Nisiporesti, Romênia, a jovem Verônica Antal, mártir da pureza num contexto de grandes sofrimentos e perseguições contra os cristãos da sua terra.

Sob o jugo do comunismo

Em sua época, cidadãos eram presos não somente por se oporem ao regime comunista que subjugava a Romênia, mas também por testemunharem a sua fé em Jesus Cristo: a convicção religiosa, aliás, era considerada pelos perseguidores comunistas como a “maior culpa” a ser castigada.

A vida da comunidade católica romena foi posta à prova com dureza pela doutrina leninista-marxista, que excluía Deus e os valores cristãos do horizonte de vida das pessoas.

A inspiração profética de outra santa mártir da pureza

A beata Verônica estava lendo a biografia de Santa Maria Goretti, a mártir da castidade, sem saber que, dentro de poucos dias, ela própria teria o mesmo fim da jovem italiana: seria morta pelas mãos de um homem que queria violentá-la.

Comentando a leitura, Verônica tinha confidenciado a uma amiga que, se fosse necessário, ela também se comportaria do mesmo jeito que Santa Maria Goretti.

Numa folha de papel, chegou a escrever:

“Eu sou de Jesus e Jesus é meu”.

De fato, para permanecer fiel a Jesus, Verônica preferiu a morte.

O tesouro da família

A jovem era filha de agricultores de Nisiporesti, norte da Romênia, e teve grande influência da avó, que lhe ensinou a rezar e a frequentar a Santa Missa – não só domincial, mas diária, e exigindo um percurso a pé de 8 quilômetros até a igreja.

A avó também ensinou a menina a fiar e costurar, o que permitiu que ela fizesse roupas típicas do seu país.

Verônica era uma menina alegre que não faltava às aulas, mesmo precisando ajudar nos árduos trabalhos agrícolas da família.

Junto com a Eucaristia, o rosário também fazia parte da vida da família.

A consagração a Jesus

Foi nesse contexto de humildade, trabalho, família e fé que, aos 16 anos, Verônica sentiu o chamado de Jesus e o desejo de entrar no convento.

Mas o governo comunista tinha suprimido as ordens religiosas em toda a Romênia. Verônica precisou, por isso, viver a vida de clausura em casa, reservando um quarto para se recolher em oração e tornando-se fiel seguidora da Ordem Terceira Franciscana, bem como da Milícia da Imaculada. Ela emitiu de forma privada o voto de castidade.

A jovem se tornou conhecida pela caridade para com os pobres, doentes, idosos e mães em dificuldade, além de dar catequese na paróquia. Seu lema era:

“Esta é a vontade de Deus: a sua santificação”.

O martírio

Era a noite de 23 de agosto de 1958. Por causa dos preparativos para a crisma de alguns jovens no dia seguinte, Verônica ficou na igreja até mais tarde.

As jovens que saíram antes chegaram a contar que Verônica estava inquieta e pálida naquele dia, como se pressentisse o que estava para lhe acontecer.

O martírio se consumou no trajeto de 8 quilômetros de campos desertos que separavam a igreja da sua casa. Lá estava Pavel, o jovem que começou a assediá-la com propostas indignas. Do assédio, ele não tardou a partir para a violência assassina: inconformado com as recusas de Verônica, ele a deixou sangrando até a morte num milharal, depois de lhe desferir brutais e covardes 42 facadas.

Seu corpo, inviolado, foi achado na manhã seguinte. A coroa do rosário ainda estava apertada entre os seus dedos.

“Viveu como santa e morreu como santa”

Beata Verônica Antal
CC

A fama de santidade da jovem impulsionou as visitas ao local do seu martírio como se fosse um santuário.

Verônica, a mártir romena da castidade sob o jugo do comunismo, se une agora à alva fila dos santos que defenderam a pureza com o sacrifício da própria vida:

Santa Maria Goretti, na Itália;

Beata Albertina Berkenbrock, no Brasil;

Beata Anna Kolesárová, na Eslováquia;

Beata Teresa Bracco, também na Itália, que resistiu à tentativa de estupro por parte de um soldado nazista;

Beata Carolina Kózka, na Polônia, que resistiu à violência sexual de um soldado das tropas russas que ocupavam o país na Primeira Guerra Mundial…

Boletim
Receba Aleteia todo dia