Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Nova Iorque permitirá abortar bebês até nada menos que 1 dia antes do parto

NOWY JORK, NOWE PRAWO ABORCYJNE
Office of Gov. Andrew M. Cuomo/Associated Press/East News
Compartilhar

Lei arbitrária e subjetiva também garante 6 meses de aborto grátis e mais 3 se houver alegação de "risco de bem-estar" para a gestante

O Estado de Nova Iorque aprovou a lei mais extrema que já existiu nos Estados Unidos em relação ao extermínio de seres humanos no ventre materno: as mulheres poderão abortar até nada menos que um dia antes do nascimento do bebê.

A “fundamentação” para essa lei é tão absurdamente arbitrária que, se a gestante der à luz e matar seu bebê logo após o parto, cometerá crime de infanticídio, mas, se o fizer na véspera, alegando “problemas de bem-estar“, o mesmíssimo crime contra a mesmíssima vítima será considerado perfeitamente legal.

O espantoso “novo critério” foi “legado” à população de Nova Iorque pelos seus parlamentares que, por 38 votos contra 24, aprovaram a assim chamada “Lei de Saúde Reprodutiva” no Estado. As unidades da federação norte-americana são autônomas para legislar sobre o aborto, diferentemente do Brasil.

Os promotores da nova lei escolheram uma data emblemática para os defensores do aborto: o aniversário do caso “Roe versus Wade“, o polêmico processo que estabeleceu jurisprudência favorável ao aborto naquele país no início da década de 1970. A própria protagonista do caso, anos depois, se arrependeu e se tornou ativista pró-vida, mas os militantes abortistas mantêm essa data como um marco vitorioso para o que chamam de “direitos reprodutivos”. O advogado que ganhou o controverso caso, aliás, esteve presente na sessão que aprovou a nova legislação abortista nova-iorquina.

Após aprovar a mudança na lei, o governador democrata Andrew Cuomo, que hipocritamente se define como “católico”, declarou, apelando para o insustentável sofisma de que o bebê seria parte disponível do corpo da gestante:

“Com a assinatura desta lei, estamos enviando uma mensagem clara de que não importa o que acontece em Washington: as mulheres de Nova Iorque terão sempre o direito fundamental de controlar o seu próprio corpo”.

6 meses de aborto gratuito e mais 3 se houver “risco de bem-estar”

A legislação prevê que qualquer gestante poderá abortar sem nenhum tipo de restrição e sem qualquer necessidade de justificativa até a 24ª semana de gestação (6 meses de gravidez), período em cujo final um número significativo de bebês poderia sobreviver até mesmo após um parto prematuro.

Após estes 6 meses, a gestante ainda poderá abortar até a véspera do parto caso alegue “problemas de bem-estar“, um conceito subjetivo, abstrato e amplamente manipulável.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.