Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Viva a sua melhor Quaresma com este plano de jejum e oração

FASTING
Aquarius Studio | Shutterstock
Compartilhar

Autor americano incentiva os cristãos a redescobrir a antiga tradição do jejum e apresenta um plano perfeito para prática-lo na Quaresma

É uma realidade histórica que poucas pessoas percebem hoje, mas longos períodos de intenso jejum, intercalados com dias de júbilo de grandes festas, eram a norma nos muitos séculos de prática religiosa cristã.

Hoje, a maioria dos católicos jejua apenas dois dias por ano: na Quarta-feira de Cinzas e na Sexta-feira Santa. Mas o escritor e professor da Universidade Católica da América Jay W. Richards incentiva os cristãos a redescobrir a antiga tradição do jejum em seu novo livro Eat, Fast, Feast: Heal Your Body Enquanto Feeding Your Soul (“Coma, jejue, celebre: cure seu corpo enquanto alimenta sua alma”).

No livro, Richards apresenta um plano detalhado de seis semanas para seguir o jejum intermitente e uma dieta cetogênica durante a Quaresma, enquanto você aumenta o tempo com Deus em oração. O livro se apoia na ciência e tem extensas notas de rodapé detalhando as pesquisas mais recentes sobre os benefícios do jejum para a saúde.

De certa forma, Richards é um porta-voz improvável do jejum intermitente, uma tendência que está rapidamente ganhando popularidade no mundo fitness. Por muitos anos, ele pensou que o jejum era prejudicial:

“Eu costumava evitar o jejum por mais de uma noite de sono. Pensava que o jejum de verdade – ficar livremente sem comida por muitas horas ou dias – poderia prejudicar o que eu estava tentando fazer com exercícios e uma dieta saudável. O jejum me colocaria no ‘modo de fome’, achava. Ou seja: meu metabolismo diminuiria e o meu corpo perderia músculos e armazenaria gordura. Como instrutor de força na faculdade, ensinei isso a colegas que estavam tentando perder peso e entrar em forma. Como pai, eu ensinei isso para minhas filhas. E por décadas pratiquei o que preguei. ”

Mas Richards resolveu fazer o jejum em 2013. Logo depois, por motivos de saúde, ele mudou para um estilo de alimentação rico em gorduras boas e pouco carboidrato. Mas seu entendimento do jejum intermitente se tornou muito mais profundo quando ele percebeu que isso oferecia uma oportunidade extraordinária para o crescimento espiritual:

“Todos os principais doutores da igreja – incluindo Justin Mártir, Policarpo, Clemente de Alexandria e Agostinho – recomendaram o jejum e o viam como regra para toda a raça humana … Agostinho – que não era um asceta extremo – disse: ‘O jejum limpa a alma, eleva a mente, sujeita a carne ao espírito, torna o coração contrito e humilde, dispersa as nuvens da concupiscência, apaga o fogo da luxúria e acende a verdadeira luz da castidade. ‘”

Todos esses benefícios podem realmente advir da prática do jejum regular? Com certeza! Richards apresenta uma infinidade de recursos para apoiar sua posição. Os arquivos da história cristã e dos escritos religiosos deixam claro o poder espiritual do jejum.

Estas palavras de São Leão Magno descrevem os benefícios do jejum:

“O jejum dá força contra o pecado, reprime os desejos do mal, repele a tentação, humilha o orgulho, esfria a raiva e promove todas as inclinações de uma boa vontade até a prática de todas as virtudes.”

Reunir os benefícios do jejum intermitente para a saúde com seu enorme impacto espiritual é francamente brilhante – e é uma tarefa que Richards leva a sério. O livro tem muitas partes dedicadas ao jejum como disciplina espiritual. O autor ainda incentiva os leitores a intensificar a oração, a leitura das Escrituras e outras devoções como parte essencial do jejum intermitente.

Um ponto importante que muitas vezes é esquecido nas discussões sobre o jejum é que ele pode ser uma forma de oração, quando oferecido adequadamente a Deus – uma oração extremamente potente.

Richards ressalta:

“Até hoje, o Direito Canônico exige que os padres orem e jejuem antes de realizar um exorcismo, e exortem a vítima de possessão a fazer o mesmo … Então, quando você jejuar, faça tudo o que puder para emparelhá-lo com oração.”

Talvez a mensagem mais esperançosa do livro seja que a prática do jejum é destinada à maioria dos cristãos, com exceção de mulheres grávidas e amamentando, idosos e outras pessoas com problemas de saúde. O jejum pode ser bom tanto para o corpo quanto para a alma, e é mais acessível do que você imagina.

Richards escreve:

“Deus não pretendia que o jejum fosse entregue apenas ao raro monge ou eremita. Ele queria isso para todos. Ele queria isso para você.”

O livro ainda oferece orientações claras sobre o jejum tradicional durante a Quaresma ou qualquer outro período de seis semanas, incluindo uma lista de compras e instruções detalhadas semana a semana.

Boletim
Receba Aleteia todo dia