Aleteia

Quando tudo voltará ao normal? O coronavírus e a resiliência

LITTLE BOY, MEDICAL MASK,
Vladiri | Shutterstock
Compartilhar

É fundamental limitarmos o número de contágios do coronavírus, pois isso significará que estaremos limitando a instabilidade. Ou seja, estaremos limitando a crise

A China anunciou esta semana que zerou as transmissões locais do coronavírus. Já a Itália registrou o maior número de contágios e de mortos.

Em nossas casas, seguindo rigorosamente as indicações de isolamento social e higienização, perguntamo-nos: quando tudo isso vai passar? Quando o mundo vai voltar à normalidade?

Apesar de não haver uma resposta exata – com dia e hora marcados –, há previsões bem fundamentadas.

É possível projetar cenários a partir dos exemplos da China – hoje o melhor cenário –, e da Itália – hoje o pior.

As autoridades da área da saúde têm sido muito claras: enquanto não houver tratamento e cura rápida e eficaz para o COVID-19, o pior cenário é o do alastramento do vírus.

Ou seja, quanto mais pessoas estiverem contagiadas, mais tempo vai demorar para a crise passar.

Por isso é tão importante contribuir para que o vírus não se alastre.

A Itália tinha 20 casos confirmados em 20 de fevereiro. Em 20 de março, já eram 47 mil casos.

O problema lá é que, enquanto o número de novos casos da doença não começar a diminuir paulatinamente, não haverá como antever o fim da crise.

Centers for Disease Control and Prevention
CDC. Interim pre-pandemic planning guidance: community strategy for pandemic influenza mitigation in the United States—early, targeted, layered use of nonpharmaceutical interventions. Atlanta, GA: US Department of Health and Human Services, CDC; 2007.

Este gráfico acima ficou famoso nas últimas semanas. Foi chamado de gráfico do “achatamento da curva de contágios”.

Ele mostra uma relação entre número de contágios e tempo (número de casos por dia vs número de dias desde o primeiro caso).

No pior cenário, a curva no gráfico é íngrime, com muitos contágios em um curto período de tempo. Esse é o cenário que leva ao colapso do sistema de saúde.

Já a curva mais branda indica que há um menor número de contágios, espalhados em um maior período de tempo. Esse cenário indica que o sistema de saúde conseguiria enfrentar o problema.

Neste momento, tudo depende de conseguir conter a escalada de contágios. Se a sociedade conseguir atingir esse pico da forma mais branda possível, começaremos a ver a saída da crise.

É o que está acontecendo na China. Em três meses, eles controlaram a crise em Wuhan. Se fizermos o mesmo, talvez a superemos em um tempo similar.

Mas se deixarmos o número de casos aumentar exponencialmente, então poderemos levar seis meses para sair dessa crise, como têm indicado os responsáveis pelo sistema de saúde.

Resiliência

Quando poderemos dizer que a crise passou? Uma crise só termina quando um sistema supera a instabilidade e consegue voltar à estabilidade.

Nesse contexto, temos duas variáveis importantes a levar em consideração.

Uma é a instabilidade em si. Essa variável está relacionada ao alastramento do vírus e do número de contagiados e doentes.

Outra variável é a capacidade de um sistema retornar ao seu ponto de equilíbrio. Essa variável é chamada de resiliência.

A resiliência é a medida de persistência de um sistema. É o quanto um sistema resiste à instabilidade, mantendo suas estruturas em funcionamento e conseguindo absorver a instabilidade.

É fundamental limitarmos o número de contágios do coronavírus, pois isso significará que estaremos limitando a instabilidade. Ou seja, estaremos limitando a crise.

Por outro lado, é fundamental preservarmos a resiliência do sistema de saúde. Ou seja, é preciso fazer todo o possível para não deixá-lo entrar em colapso. O colapso acontece quando o sistema de saúde não consegue mais atender os doentes.

Se limitarmos os contágios, limitaremos a instabilidade e, portanto, limitaremos a crise.

E se preservarmos o sistema de saúde, preservaremos a sua resiliência, que é a capacidade que esse sistema tem de absorver a instabilidade – cuidar dos doentes – e continuar em funcionamento.

Em nossas casas, temos de continuar com todos os esforços necessários para não ser contagiados pelo coronavírus e, por outro lado, não contagiar novas pessoas.

Boletim
Receba Aleteia todo dia