Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Por que a bênção do Papa de 27 de março foi única na história?

POPE URBI ET ORBI
ARA NARDI / POOL / AFP
Compartilhar

“Urbi et Orbi”, um ato sem precedentes de proximidade do sucessor de Pedro a cada um de nós

Qual é o ato através do qual um Papa pode demonstrar sua proximidade aos fiéis espalhados pelo mundo em momentos de grave perigo?

Essa é a pergunta que Francisco se fez quando a pandemia do coronavírus explodiu.

A resposta não se limita a celebrar a missa pela internet, rádio e televisão, como ele tem feito todas as manhãs.

De fato, “acompanhar” a celebração pelos meios de comunicação, de acordo com a teologia, não significa “participar”. Não há sacramentos midiáticos. A televisão não substitui o sacramento da Eucaristia. Se não se pode ir à missa, a televisão pode ser uma grande ajuda, mas não é um sacramento.

Um gesto único do Papa

Então, qual é esse gesto a que o Papa pode recorrer para se tornar ativamente presente na vida de cada fiel? Há um ato único desse tipo: a benção papal “Urbi et Orbi”, traduzida do latim “para a cidade [de Roma] e para o mundo”.

É um ato que nenhum outro bispo pode realizar e que pode ocorrer efetivamente através da mídia para o bem das almas dos fiéis.

De fato, segundo a tradição teológica católica, a benção “Urbi et Orbi” concede remissão das penas dos pecados já perdoados, ou seja, confere indulgência plenária nas condições determinadas pelo Direito Canônico e explicitadas pelo Catecismo da Igreja (números 1471-1484).

As condições para receber a indulgência plenária são (cf. Indulgência: lei suprema da Igreja é a salvação das almas):

  • disposição interior de um total desapego ao pecado, mesmo venial;
  • confessar pecados;
  • receber a sagrada Eucaristia
  • rezar pelas intenções do Santo Padre.

Segundo a teologia católica (Catecismo da Igreja Católica, números 1422-1498), a culpa do pecado é redimida pelo Sacramento da Reconciliação (Confissão), de modo que a pessoa está novamente na graça de Deus, pela qual se salvará, se não voltar a cair em pecado mortal.

Agora, a confissão, como esta bênção, não é algo mágico. O pecado traz desordem à vida do crente, que permanece após a Confissão. Por esse motivo, é necessária a penitência imposta no sacramento.

O fiel precisa se purificar através de outras boas obras e, em último caso, através do sofrimento no Purgatório, de acordo com a teologia católica.

Uma vez que a indulgência plenária redime completamente a penalidade devida, o falecido sem ter caído novamente em pecado não precisa passar pelo Purgatório e vai direto para o Céu (cf. Catecismo da Igreja Católica, 1030-1032).

Segundo a Tradição, os efeitos da bênção “Urbi et Orbi” recaem sobre todos aqueles que a recebem com fé e devoção, mesmo a recebendo através dos meios de comunicação. Este é justamente o gesto precioso que o Papa quer dar a cada crente.

Um ato único na história

O Papa só concede a bênção em três ocasiões: quando é eleito sucessor de Pedro, no Natal e na Páscoa.

Por esse motivo, é possível afirmar que, na história, nunca ocorreu antes uma benção “Urbi et Orbi” de um Papa com a a Praça de São Pedro vazia, mas seguida mundialmente pelos fiéis através da mídia. Será um ato único na história.

Esta é a tradução ao português da fórmula de bênção “Urbi et Orbi” que o Papa pronunciou em latim nessa sexta-feira às 18h em Roma (14h em Brasília e 17h em Portugal).

* * *

“Que os santos apóstolos Pedro e Paulo, em cujo poder e autoridade confiamos, intercedam por nós diante do Senhor.”

Todos: “Amém”.

“Que pelas palavras e os méritos da Bem-Aventurada sempre Virgem Maria, de São Miguel Arcanjo, de São João Batista, dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo e de todos os santos, Deus Todo-Poderoso tenha piedade de vós, perdoe os vossos pecados e os conduza através de Jesus Cristo à vida eterna.”

Todos: “Amém”.

“Que o Todo-poderoso e misericordioso Senhor vos conceda a indulgência, a absolvição e a remissão de todos os vossos pecados, tempo para uma penitência verdadeira e proveitosa, o coração sempre contrito e a modificação da vida, a Graça e consolação do Espírito Santo e a perseverança final nas boas obras.”

Todos: “Amém”.

“E a bênção do Deus Todo-Poderoso (Pai, ​​Filho e Espírito Santo) desça sobre vós e permaneça para sempre.”

Todos: “Amém”.

Aqui apresentamos o texto em latim, se você deseja seguir as palavras textuais do Papa Francisco:

– Sancti Apostoli Petrus et Paulus, de quorum potestate et auctoritate confidimus, ipsi intercedant pro nobis ad Dominum.

– Amen.

– Precibus et meritis beatæ Mariæ semper Virginis, beati Michælis Archangeli, beati Ioannis Baptistæ et sanctorum Apostolorum Petri et Pauli et omnium Sanctorum misereatur vestri omnipotens Deus et dimissis peccatis vestris omnibus, perducat vos Iesus Christus ad vitam æternam.

– Amen.

– Indulgentiam, absolutionem et remissionem omnium peccatorum vestrorum, spatium veræ et fructuosæ penitentiæ, cor semper penitens et emendationem vitæ, gratiam et consolationem Sancti Spiritus et finalem perseverantiam in bonis operibus, tribuat vobis omnipotens et misericors Dominus.

– Amen.

– Et benedictio Dei omnipotentis (Patris et Filli et Spiritus Sancti) descendat super vos et maneat semper.

– Amen.

Boletim
Receba Aleteia todo dia