Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 23 Janeiro |
São Vicente Pallotti
home iconAtualidade
line break icon

Bispo da Venezuela: "Pragas do Egito não se comparam com o que estamos vivendo"

VENEZUELA;

Aid to the Church in Need

Dom Polito Rodríguez Méndez, bispo de San Carlos, Venezuela

Reportagem local - publicado em 27/07/20

"Ou morremos do coronavírus ou morremos de fome"

Dom Polito Rodríguez Méndez, bispo de San Carlos, na Venezuela, foi entrevistado pela fundação pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (AIS ou ACN, pela sigla em inglês adotada internacionalmente). Ele afirmou que a economia quebrada está levando o seu país a um período de fome que piora dia após dia e que torna a situação venezuelana pior que a do Egito sob as dez pragas:

“As pragas do Egito não são nada em comparação com o que estamos sofrendo aqui (…) Os mais atingidos são os mais pobres, os que não têm nada para comer nem têm possibilidade de levar uma vida digna”.

96% da população na pobreza

Um estudo publicado recentemente pela Universidade Católica Andrés Bello, a segunda mais importante da Venezuela segundo o QS World University Rankings de 2019, aponta que a situação econômica do país se assemelha a de países africanos que, lamentavelmente, nos “acostumamos” a ver listados entre os mais pobres do planeta, como o Chade e a República Democrática do Congo. Segundo o estudo, 96% das famílias da Venezuela estão abaixo da linha de pobreza, sendo que 79% estão em pobreza extrema: seus rendimentos mensais não são suficientes para comprar uma cesta básica de alimentos. Saiba mais sobre este estudo acessando o artigo recomendado ao final desta matéria.

Dom Polito acrescenta que a pandemia de covid-19 piorou uma situação que já era dramática:

“Uma família ganha cerca de três ou quatro dólares por mês, mas uma caixa de ovos custa dois e um quilo de queijo custa três dólares. Estamos em quarentena há mais de dois meses e tudo ficou muito caro. É impossível continuar assim”.

Paróquias sem recursos

A Igreja, que também já estava sem recursos financeiros desde antes da crise do coronavírus, sofre as mesmas privações que o povo a quem antes conseguia ajudar:

“Estamos com as igrejas fechadas há quatro meses. Os padres não têm o que comer. O bispo está fazendo milagres. Outro dia, encontrei um seminarista chorando. Os pais dele foram demitidos e não conseguem mais enviar nada ao filho. Estamos vivendo da providência de Deus”.

Drama dos migrantes ainda mais doloroso

As fronteiras do país estão fechadas, o que impede o retorno dos próprios migrantes venezuelanos que perderam o emprego em outros países, como a Colômbia, o Peru, o Chile, a Argentina e o Brasil. Dom Polito comenta:

“Muitos migrantes tentam voltar ilegalmente. Alguns caminharam 22 dias em trilhas. Criaram o que estão chamando de centros sentinelas para quem voltou, mas muitos acham que esses centros não são dignos e não querem ir para lá. Ficam escondidos”.

Trata-se de locais informais de acolhimento, mas muitos deles são tão precários e há tanta superlotação que faltam banheiros e condições básicas de higiene.

Praga de vermes

Como se não bastasse, uma praga de vermes aniquilou plantações recentemente nos Estados venezuelanos de Cojedes, Portuguesa e Barinas, o que levou dom Polito a fazer a comparação já mencionada com as pragas do Egito:

“As pragas do Egito não são nada em comparação com o que estamos sofrendo aqui. Ficaram pequenas”.

Apesar de tudo… “não vamos deixar as pessoas sozinhas”

O bispo, no entanto, reafirma que não perde a fé nem a sua vivência prática na solidariedade aos irmãos, já que a fé sem obras é morta:

“Apesar das limitações, não vamos deixar as pessoas sozinhas nesta situação terrível que estamos passando. E não estou me referindo apenas à ajuda humanitária, mas também a fortalecer as pessoas integralmente, para lutar contra a corrupção, o descaso, a falta de responsabilidade. Não queremos intervenções, muito menos armadas, mas precisamos pedir ajuda humanitária e sanitária internacional, porque não temos outra alternativa: ou morremos do coronavírus ou morremos de fome”.


VENEZUELA

Leia também:
Pobreza na Venezuela já atinge 96% da população, diz novo estudo

Tags:
CoronavíruscriseIdeologiaPolítica
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Larry Peterson
Ela se divorciou duas vezes, teve 8 filhos, virou freira e levou ...
2
FETUS
Francisco Vêneto
Abortos no mundo em 2021 já superam mortes por covid em toda a pa...
3
Aleteia Brasil
5 milagres que a ciência tentou, mas nunca conseguiu explicar
4
Aleteia Brasil
O testemunho de São Sebastião, o soldado mártir do Império Romano
5
POPE AUDIENCE
Reportagem local
A oração de cura que pode ser dita várias vezes por dia
6
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fátima - e uma interpret...
7
Daniel Neves e Nossa Senhora dos Rins
Francisco Vêneto
Nossa Senhora dos Rins e a devoção de um menino que pede a graça ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia