Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 24 Setembro |
São Constâncio
home iconAtualidade
line break icon

“Tchau, papai”: as últimas palavras que Maurício ouviu do bebê Murilo antes da chacina em Saudades

Bebê anjo

SHUTTERSTOCK

Reportagem local - publicado em 07/05/21 - atualizado em 10/05/21

"Perguntei pelo meu filho e descobri que estava morto": quando um pai tenta descrever o indescritível

“Tchau, papai”: estas foram as últimas palavras que o eletricista Maurício Massing, de 35 anos, ouviu do pequeno Murilo, de 1 ano e 9 meses, na manhã em que a barbárie perpetrada na escola infantil Aquarela, em Saudades, chocou o Brasil.

Maurício estava indo para o trabalho de carona com a esposa, Kerli da Silva, de 28 anos, que logo depois levaria o menino para o que deveria ser mais um dia normal e pacato na escolinha. Quando saiu do carro, aproximadamente às 7h15 da manhã, Maurício ouviu as últimas palavras que Murilo lhe diria nesta vida – e que deveriam ser apenas as palavras normais de uma despedida provisória de poucas horas: “Tchau, papai!“.

Por volta das 10h20, Kerli também estava no trabalho, a pouca distância da creche, quando a irmã lhe avisou que a creche tinha sido atacada. Fazia somente dois meses que Murilo frequentava a escolinha, e apenas no período matutino: até então, Kerli tinha cuidado do filho em casa durante mais de um ano e meio. À tarde, ele ficava com a avó materna.

A despedida da mãe

Em declarações ao jornal O Globo, Kerli recordou que Murilo tinha acordado cedo e tomado seu leite ainda na cama, com o irmão. Ao terminar, foi até a cozinha levando as mamadeiras dos dois. Pouco depois, quando a jovem mãe deixava o menino na porta da escola, perguntou se ele queria lhe entregar a chupeta. Murilo disse que não. E, também para ela, suas últimas palavras foram as que tinha dito ao pai logo antes: “Tchau, mamãe!“.

A tragédia

Quando Kerli recebeu a notícia do massacre, a gerente da loja onde trabalha a levou até a escola. No cenário de gritaria e choque das pessoas, com viaturas e ambulâncias já contrastando gritantemente com a rotina de uma cidade pequena, pacífica e segura, Kerli tentou entrar na creche, mas um policial a barrou no portão e declarou que as crianças tinham sido levadas para as casas vizinhas. Ela foi em busca de Murilo.

“Estava todo mundo muito desesperado, chorando muito, correndo de um lado pro outro”.

Kerli tinha chegado praticamente no mesmo instante em que o pai de outra das vítimas, a pequena Sarah Luiza Mahle Sehn, 1 ano e 7 meses. Ele conseguiu entrar pelos fundos, e, quando tentava fazer o mesmo, Kerli ouviu uma professora gritar que Murilo tinha sido levado para o hospital, situado a menos de cinco minutos da creche. A mãe correu para lá, mas voltou a ser barrada na porta. O nervosismo era tamanho que a mãe desesperada sequer conseguia recordar qual era a roupa que Murilo usava naquela manhã. Só conseguiu informações sobre o pequeno quando foi vista por uma amiga que trabalha no hospital. Foi quando Kerli recebeu a notícia devastadora: seu filhinho já tinha chegado sem vida.

“Tchau, papai”

Maurício só viria a saber da tragédia quase uma hora depois, porque, pelo trabalho, tinha ido à cidade vizinha de Pinhalzinho. Quando voltou a Saudades, lhe disseram para ir direto ao hospital. A esposa estava sendo amparada porque tinha passado mal.

“Perguntei pelo meu filho e descobri que estava morto”.

À reportagem de O Globo, o pai tentou descrever o indescritível:

“A dor é insuportável (…) É inexplicável (…) Minha dor é tão grande que nem consigo sentir revolta ainda. O luto pelo Murilo não sai da cabeça”.

Tags:
FamíliaFilhosMortepaisViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Sangue de São Januário ou San Gennaro
Reportagem local
Milagre do sangue de São Januário volta a ser registrado em Nápol...
2
Vulcão Cumbre Vieja
Violeta Tejera
Vulcão Cumbre Vieja obriga pároco a evacuar capela às pressas
3
Jim Caviezel
J-P Mauro
Jim Caviezel presta uma homenagem eletrizante a Maria
4
Maria Paola Daud
O dia em que Nossa Senhora parou a lava do vulcão Etna
5
Exorcista padre Gabriele Amorth
Gelsomino Del Guercio
Os assombrosos diálogos entre o diabo e um exorcista do Vaticano
6
RECONSTRUCTED CHRIST
Lucandrea Massaro
Assim era Jesus: o misterioso Homem do Sudário, reconstruído em 3...
7
Oração católica para pedir chuva
Reportagem local
Existe oração católica para pedir chuva? Sim, e aqui vai ela
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia