Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 17 Setembro |
São Roberto Belarmino
home iconEm foco
line break icon

Devemos ter medo da China?

Regime comunista chinês

TheDigitalArtist / Pixabay

Jean Duchesne - publicado em 05/08/21

O expansionismo chinês marca a falência do universalismo ocidental, mas não elimina a necessidade mundial da catolicidade

Recentemente, a mídia cobriu o centenário do Partido Comunista da China, o que permitiu que o acontecimento não passe despercebido.

As celebrações proporcionaram uma ocasião para a propaganda desenfreada, tendo como alvos os cidadãos e o resto do mundo. Mas o que mudou em cem anos?

O primeiro comentário a fazer é que o partido não permaneceu o mesmo, no sentido de suas bases marxistas e leninistas. O horizonte não é mais o triunfo mundial do socialismo, e a “ditadura do proletariado” não foi mais do que gangues se separando.

Quando Mao assumiu o poder após uma guerra civil, em 1949, ele arrastou o país para políticas desastrosas. O “Grande Salto para a Frente” (1958-1960) e a “Revolução Cultural” (iniciada em 1966) produziram milhões de mortes.

Mais tarde, a partir da década de 1980, foi estabelecido um “socialismo de mercado” ou um “capitalismo de estado”. O princípio é reforçar o controle do Partido sobre a população por meio do comunismo heterodoxo.

Por um lado, isso significa autorizar e até promover iniciativas econômicas privadas, o que implica um aumento do PIB e uma melhoria do nível de vida que compensa a falta de liberdade de opinião e expressão.

Por outro, o desenvolvimento do patriotismo – e, com ele, da disciplina e da obediência -, tornando a China uma potência mundial respeitada e até temida. 

Além disso, o aparato repressivo está em constante aperfeiçoamento e continua a ser um dos mais eficazes.

A China e o neo-imperialismo pós-colonial

O expansionismo chinês não é do tipo de conquista militar (estilo nazista), nem da “satelitização” de países vizinhos (no estilo de Moscou), nem da exportação de uma ideologia revolucionária (do tipo trotskista-esquerdista).

A modalidade é bastante empresarial: são oferecidos principalmente serviços financeiros e tecnológicos, na forma de investimentos e cooperação. Este, até certo ponto, é o modelo do “neo-imperialismo”, seja no estilo americano ou na forma como os europeus se esforçam para permanecer influentes em suas ex-colônias.

A diferença é que os chineses não condicionam como os ocidentais tentam fazer (pelo menos em teoria) sua ajuda (nem sempre desinteressada) no que diz respeito às normas morais, humanitárias, democráticas etc.

Os regimes autoritários, mesmo os tirânicos, não parecem incomodar os donos de Pequim. 

Na verdade, é apenas um exemplo de algo que parecia fadado a desaparecer no final do século XX: as gangues conseguem muito bem, por meio de métodos repressivos, governar as pessoas sem seu consentimento e até contra seus protestos.

A Rússia, por exemplo, (que tanto esperou depois da queda do comunismo) e a Turquia (que está se “dessecularizando”) estão nas garras de autocratas que não toleram nenhuma oposição.

Na era da “pós-verdade”

Trata-se, certamente, do fim da ilusão, alimentada no final do século XX, de uma “globalização feliz”. É a volta dos nacionalismos, dos particularismos, do egoísmo desavergonhado e da renúncia aos “valores” comuns.

Isso é demonstrado pelas diferenças nos direitos humanos, a impotência da ONU, a prioridade atribuída aos interesses locais e imediatos na luta contra as alterações climáticas e a pandemia, que vem ocorrendo desde o final de 2019.

Ao mesmo tempo em que lutamos apenas por cotas de mercado, vivemos a era da “pós-verdade”, em que tomamos por certo aquilo em que queremos acreditar e onde os medos são mais contagiosos do que nunca. Cada um vai em direção à porta que lhe convém.

Em outras palavras, a ambição dos países mais ricos de impor em todos os lugares seu modelo racional de pensamento e vida falhou. A prosperidade e a liberdade devem ser geradas mútua e virtuosamente.

Não há lugar para surpresa com o colapso dessa quimera. O peso crescente da China no plano internacional e a resistência do Islã à “modernidade” não são a causa disso, mas as confirmações.

Uma civilização que não abraça a sua história, cujo progresso conduz a desastres ecológicos, e que considera que nada é mais urgente do que promover os direitos das minorias sexuais, dificilmente pode reclamar uma admiração unânime.

E há muito que se prova que a democracia não se impõe de forma irresistível e natural, pois os exércitos e as polícias sabem inutilizar a oposição e a dissidência, seja quando se manifestam nas ruas, na Internet ou nas redes sociais.

Catolicismo antes do universalismo

Esse fracasso do universalismo ocidental não é, é claro, nada engraçado. Certamente, indica a necessidade de uma identidade singular ao nível dos povos e a rejeição – senão a impossibilidade – de uma padronização em moldes dominantes.

No entanto, também aponta para uma multipolarização instável entre blocos econômico-culturais rivais que são, em grande parte, controlados por déspotas. É a unidade da raça humana que está ameaçada. 

A realidade das interdependências inspira uma solidariedade aparentemente gratuita e, portanto, opcional. Porque se apoia em uma necessidade muito mais profunda, de algo que não tem nome melhor do que “catolicidade”.

Ser católico não é apenas pertencer à Igreja Romana. É, em primeiro lugar, saber que todos os seres humanos são irmãos porque são chamados a se tornarem filhos do único Pai, que está nos céus.

Depois, é perceber que essa filiação não significa uma indiferenciação: sempre se é católico e muitas outras coisas, dependendo do lugar e da época em que se vive. Portanto, ser católico é precisamente inscrever-se no tempo, numa História que abre a esperança.

Em suma, é aprender de Cristo e verificar no dia a dia que a vida oferecida não é tirada, mas recebida na medida em que é colocada à disposição do Doador para ser transmitida e compartilhada com ele.

Numa época em que o universalismo do Ocidente secularizado está se esgotando e o mundo inteiro se transformando em uma batalha campal sem ideais, a catolicidade tem futuro.

Tags:
comunismo

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
2
Irmã Lúcia, de Fátima, e o Papa São João Paulo II
Francisco Vêneto
O terço “funciona”, garante a Irmã Lúcia, de Fátima: e ela explic...
3
Orfa Astorga
Os erros mais comuns das sogras
4
Papa Francisco pede homilias mais curtas
Francisco Vêneto
Papa Francisco pede aos padres: façam homilias mais curtas
5
porta
Reportagem local
Capelão de hospital: ação dos anjos é fundamental na hora da mort...
6
Ricardo Sanches
Menino de 4 anos brinca de missa, conhece vários santos e surpree...
7
ROSARY
Philip Kosloski
É verdade que meu Anjo da Guarda termina de rezar o Rosário se eu...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia