Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 16 Outubro |
Santa Margarida Maria Alacoque
Aleteia logo
home iconEm foco
line break icon

Entrevista com o autor do relatório sobre abusos sexuais na Igreja na França

JEAN-MARC SAUVÉ

Lionel BONAVENTURE I AFP

Jean-Marc Sauvé, président d'Apprentis d'Auteuil.

I.Media para Aleteia - publicado em 06/10/21

"Não há dúvida sobre a vontade da Santa Sé de enfrentar o problema", disse Jean-Marc Sauvé a I.MEDIA

Após três anos de investigação, a Comissão Independente sobre Abuso Sexual na Igreja (Ciase) apresentou em 5 de outubro de 2021 um relatório no qual estima que 216.000 pessoas podem ter sido vítimas de abusos sexuais por clérigos ou religiosos desde 1950 na França.

A agência I.MEDIA entrevistou Jean-Marc Sauvé, presidente do Ciase, sobre as relações entre a Igreja na França e a Santa Sé na luta contra os abusos sexuais. Segundo ele, embora o Papa Francisco esteja claramente envolvido nessa luta, a falta de firmeza de Roma nessas questões até o início dos anos 2000 pode ter tido consequências para a extensão da crise na França.

Você espera viajar a Roma para apresentar seu relatório ao Papa Francisco?

É uma possibilidade que está em cima da mesa. Estamos à disposição do Santo Padre para encontrá-lo. Veremos o que a Santa Sé pode fazer. É possível que haja uma viagem a Roma dentro de um período que não foi determinado até agora.

Durante a conferência de apresentação do relatório, uma vítima expressou o sentimento de que o Papa Francisco foi um “ilustre ausente”em relação à questão dos abusos. O senhor acha que o Papa Francisco percebeu a gravidade da crise na Igreja?

Minha impressão é que o Papa Francisco disse e fez coisas importantes na luta contra os abusos sexuais na Igreja. Penso especificamente na Carta ao Povo de Deusde agosto de 2018 e no encontro que ele organizou em fevereiro de 2019 com os presidentes das conferências episcopais em todo o mundo. Existem outros exemplos, como a reforma do direito canônico que entra em vigor em 8 de dezembro e é o culminar de um longo trabalho.

Na comissão que presidi, não há dúvidas sobre a vontade da Santa Sé de enfrentar este problema ou sobre o compromisso do Papa Francisco com essas questões. O Papa está em linha com o pontificado de Bento XVI, que tomou muitas medidas a esse respeito.

Devemos entender o fato de que as vítimas expressam um grande radicalismo e uma forma de impaciência que pode levá-las a acusações que, da minha parte, eu não compartilho.

O senhor apontou a cegueira dos responsáveis pela Igreja na França até o início dos anos 2000 em relação aos abusos sexuais. Essa passividade pode ter derivado da falta de firmeza por parte de Roma?

Acho que sim. Até o início dos anos 2000, a Santa Sé não estava extremamente atenta a essas questões. As primeiras medidas apareceram em 2001 sob o pontificado de João Paulo II. Então, houve uma virada com o novo século. Na França, foi nessa época que despertou uma maior sensibilidade perante essas questões.

No entanto, notamos que as instituições civis também evoluíram neste período. Na França, foi somente em 1998 que o Ministério da Educação nacional decidiu agir com tolerância zero. Então essas duas mudanças de postura ocorreram ao mesmo tempo. O problema é que a mudança de postura na educação nacional foi feita muito rapidamente, sem hesitação, enquanto, na Igreja, as coisas são feitas com muito mais dificuldades, o que levou ao atraso no processo de atualização dos procedimentos de combate ao abuso infantil.

Nas recomendações que o senhor faz à Igreja na França, há a reforma do direito canônico. Mas isso se aplica à Igreja universal. Você pedirá ao Papa que leve em consideração esta recomendação?

Estamos bem cientes de que uma reforma do direito canônico é uma decisão que pertence ao Papa e que tem um escopo universal. Para este tipo de recomendação, estamos cientes de que a Conferência Episcopal Francesa não pode fazer nada. É responsabilidade do Papa e da Santa Sé. Como já disse, a reforma do direito canônico que entra em vigor em 8 de dezembro está no caminho certo.

Na comissão a que presido há um certo número de advogados. Eu mesmo fui vice-presidente do Conselho de Estado da França. Somos sensíveis ao fato de que o procedimento perante jurisdições canônicas em matéria penal não é atualmente um procedimento justo. Não é no sentido que entendemos, por exemplo, na Convenção Europeia dos Direitos Humanos. Seria extremamente útil para a Igreja se esse procedimento fosse reformado.

O simples fato de ter criado um tribunal penal interdiocesano ajudará a regular muitos problemas. É uma medida que também está no caminho certo.

Sobre a questão do direito canônico, gostaria de destacar um ponto muito importante, o do acesso das vítimas ao processo. Na comissão, todos nós ficamos extremamente impressionados com isso, especialmente quando você olha para a situação das mulheres, religiosas que apresentaram queixas na Igreja. Os processos se desenvolveram sem que as vítimas fossem ouvidas. No final, elas viram com espanto que o processo havia terminado, que uma sentença havia sido emitida e que elas nem haviam sido informadas.

Sobre essas questões, estou disposto a mobilizar tudo o que é necessário em termos de convencimento para destacar que temos que nos mover.

Por iniciativa do Papa Francisco, todas as dioceses do mundo iniciam neste domingo um grande processo sinodal sobre o tema da sinodalidade. Para o senhor, que presidiu o Ciase e que é católico, é hora de aproveitar este sínodo para colocar em cima da mesa a questão da crise de abusos na Igreja e tentar remediá-la?

A Comissão considera que viria bem ao governo da Igreja Católica uma revisão da cabeça aos pés. Entre as diretrizes que achamos úteis e prioritárias, haveria a busca por uma melhor articulação entre a dimensão vertical e a dimensão horizontal, ou seja, entre hierarquia e sinodalidade. Acreditamos que mais deliberações dariam segurança à Igreja Católica e permitiriam que ela respondesse de forma mais eficaz e pertinente ao problema dos abusos.

Quando uma decisão é tomada sozinha, o risco de cometer erros é maior do que quando a decisão é colegiada. Isso se aplica a todos os aspectos do governo. Dentro da comissão, se eu tomar decisões sozinho, é algo rápido e prático. Mas se discuti-las em conjunto, tomaremos decisões mais bem fundamentadas.

Acreditamos, portanto, que o desenvolvimento da sinodalidade e a associação de leigos, homens e mulheres, no poder de decisão da Igreja pode ser uma resposta, entre outras, para um tratamento mais adequado do problema dos abusos.

Para dar um exemplo, trabalhando no exame dos arquivos da Igreja Católica, descobrimos que, na década de 1990, havia um trabalho inicial que foi realizado. Percebemos que foram as mulheres que refletiram sobre essas questões, que fizeram as perguntas apropriadas e que pressionaram os bispos a agir.

Ter pessoas iluminadas que percebem coisas que, por exemplo, os homens não percebem e fazê-las participar do processo de tomada de decisão significa tomar melhores decisões.

Tags:
Abusos SexuaisIgreja CatólicaViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
MARRIAGE
Matrimonio cristiano
Beijar a aliança todos os dias: uma indulgência especial aos casa...
2
Milagre do Sol em Fátima
Reportagem local
13 de outubro: o dia em que o mundo presenciou o Milagre do Sol e...
3
Reportagem local
O grande crucifixo submerso que só pode ser visto quando o lago c...
4
Restauração da imagem de Aparecida por Maria Helena Chartuni
A12
Arrebentada em 200 pedaços: a impactante experiência da restaurad...
5
PRIEST-EUCHARIST-ELEVATION-HOST
Philip Kosloski
O que devemos rezar quando o padre eleva a hóstia e o cálice?
6
MULHER REZANDO
O São Paulo
Rezar deitado: é certo ou errado?
7
Claudio de Castro
Uma alma do Purgatório te agradecerá por isto
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia