Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 07 Outubro |
Nossa Senhora do Rosário
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Celulares, smartphones e redes sociais devem ser ilegais para menores de idade?

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
PHONES

Marian Fil | Shutterstock

Jim Schroeder - publicado em 27/04/22

Precisamos de uma conversa séria e aberta sobre um dos maiores problemas para os jovens e as famílias de hoje

Estamos no meio de uma crise de saúde mental neste país. Embora haja muitos fatores envolvidos, um grande corpo de investigação científica forneceu provas inegáveis de que, para qualquer impacto positivo que a tecnologia possa ter na juventude, a utilização de smartphones e redes sociais resultou numa realidade de problemas físicos, psicológicos e sociais que só estão a piorar para os jovens.

Chegou o momento de fazer a pergunta: Devem ser impostas restrições legais aos menores de idade quando se trata de smartphones pessoais e de contas em redes sociais? Aqui estão as quatro considerações que creio que temos de fazer ao discutur esta questão.

A 22 de Março de 2022, o Diretor Científico da Associação Psicológica Americana, Dr. Mitch Prinstein, em conjunto com uma série de outros profissionais e organizações, enviou uma carta sem precedentes ao Surgeon General dos Estados Unidos.

Ao abordar um aspecto específico da crise de saúde mental, a carta pediu ao governo que lançasse uma “campanha de educação pública” sobre os “perigos específicos que as redes sociais representam para os adolescentes” e os melhores métodos para manter a juventude segura.

As principais conclusões da carta foram as evidências, detalhando como as redes sociais podem “explorar vulnerabilidades biológicas entre os jovens” especificamente associadas à sua fase de desenvolvimento, o que leva à redução da saúde e do bem-estar, ao aumento de comportamentos ilícitos, à influência mal orientada dos pares, e ao aumento da vitimização e assédio dos pares.

Entretanto, também afirma a carta, as empresas tecnológicas continuam a demonstrar uma “falta de transparência” em relação aos métodos concebidos para recompensar uma maior utilização entre os jovens. Para além do que foi detalhado nesta carta, existe uma abundância de dados científicos disponíveis (sublinhei algumas destas informações no meu website) indicando que tanto as redes sociais como os celulares e smartphones pessoas estão associados a resultados negativos em muitas áreas, incluindo mas não se limitando ao seguinte: atenção, humor, comportamento, competências sociais, sono, acidentes de trânsito, desempenho académico/intelectual, pornografia, obesidade, criatividade.

As evidências científicas apoiam cada vez mais a ideia de que o “experimento” feito com a nossa juventude através do uso de celulares, smartphones e redes sociais é um dos piores da história.

Consideração #2

Recentemente, estive num programa de rádio a discutir este assunto, e um dos apresentadores observou que “todos nós sabemos que [a situação tecnológica com a juventude] é um naufrágio, mas não sabemos o que fazer a esse respeito”.

A realidade é que os pais e educadores têm vindo a dizer isto há já algum tempo. Todas as recomendações de peritos, muitas vezes envolvendo educação e monitoramento, falharam em proporcionar uma situação melhorada no que diz respeito à juventude e à tecnologia. Passaram 15 anos desde que o iPhone foi lançado, e apesar de todo e qualquer esforço para ensinar e modelar o uso apropriado, chegou o momento de reconhecer que a situação é pior do que nunca.

Enquanto que a possibilidade de restrições legais vem com desafios, vem também com a promessa de dar aos pais, cuidadores e educadores “uma perna para se manterem de pé”. Ao longo dos anos, tenho conversado com inúmeros pais que lamentam as escolhas que fizeram em relação a celulares, smartphones e redes sociais, exasperados por terem sido pressionados (por várias forças) a tomar decisões que sabem não serem saudáveis para os seus filhos. É tempo de considerarmos realmente todas as opções para ajudar as pessoas a fazer o que é melhor para as crianças.

Consideração #3

Para qualquer bem que as empresas tecnológicas possam tentar trazer ao mundo, é inegável que elas são principalmente motivadas por um fator – o lucro. Isto nunca foi tão evidente como no ano passado em relação ao que foi descoberto no Facebook.

Uma reportagem do Wall Street Journal afirmou que o Facebook tinha estado a esconder pesquisas conduzidas nos últimos três anos, que descobriram que o Instagram está a prejudicar a juventude – especialmente as meninas adolescentes.

Entre muitas descobertas, quase um terço das meninas inquiridas revelou que quando se sentiam mal com o seu corpo, o Instagram fê-las sentir-se pior. Seis por cento dos utilizadores americanos e 13% dos utilizadores britânicos vincularam seus pensamentos suicidas ao uso do Instagram. De um modo geral, os dados eram claros: para muitos jovens, o Instagram é um lugar pouco saudável para se estar.

Entretanto, 40% dos utilizadores do Instagram têm menos de 22 anos de idade. Por mais irresponsável que tenha sido esconder a pesquisa, o Facebook, proprietário do Instagram, afirma claramente nos seus documentos que a juventude tem sido e continua a ser um dos seus principais alvos de crescimento. Estão atualmente a trabalhar na construção de uma plataforma Instagram para jovens com menos de 13 anos, ignorando ao mesmo tempo as suas próprias pesquisas sobre o quão tóxica esta plataforma é para os utilizadores mais jovens.

A realidade é esta: as empresas tecnológicas ganham mais dinheiro quando mais jovens utilizam as suas plataformas, e não demonstraram uma “consciência social” em relação a todas as formas como esta prática está a causar efeitos prejudiciais. Não podemos confiar que estas empresas façam a coisa certa; por conseguinte, temos de considerar outras opções para refrear as práticas insalubres destes gigantes de bilhões de dólares.

Consideração #4

A nossa sociedade há muito que impõe restrições legais aos jovens por duas razões principais: a sua saúde e bem-estar / e o bem público.

Dos 16 aos 21 anos de idade, os indivíduos são restringidos ou limitados nos seguintes aspectos: conduzir, fumar, beber (álcool), jogo, consentimento médico, filmes com classificação R (restritos), seguros pessoais e propriedade de cartões de crédito, entre outras coisas. Não se pode sequer obter um carro alugado até os 25 anos de idade.

Não é que os jovens não tenham capacidades gerais para gerir estas áreas, pois poderíamos facilmente argumentar que um jovem de 15 anos tem as capacidades físicas para conduzir bem, ou que um jovem de 16 anos tem a capacidade matemática para compreender as compras/pagamentos com cartão de crédito. Em vez disso, falta-lhes uma gama mais completa de desenvolvimento neurológico e experiências de vida para gerir estes campos de uma forma que os mantenha – e os outros – em segurança.

No entanto, considere o que temos feito com as redes sociais e os celulares e smartphones quando se trata de jovens. Sancionámos a sua utilização, reconhecendo ao mesmo tempo os tremendos efeitos negativos que está a ter nos indivíduos e na comunidade como um todo.

À luz do que já é ilegal para a juventude, parece quase óbvio que esta consideração ocorreria em relação à tecnologia digital. Penso que falo pela maioria quando digo que estaríamos muito menos preocupados com o fato de os nossos jovens possuírem um cartão de crédito ou irem sozinhos a um filme com classificação R do que terem acesso sem restrições a celulares, smartphones e ao mundo online.

Outras observações

Ao propor uma consideração pelas restrições legais para os smartphones e as contas pessoais de redes sociais para menores de idade, é importante reconhecer algumas coisas.

Em primeiro lugar, gostaria que não tivesse chegado a este ponto. Para aqueles que me conhecem, não penso que as restrições legais sejam a resposta para a maior parte das dificuldades das nossas vidas. Pelo contrário, preferiria outras opções (que poderiam ainda estar em desenvolvimento), envolvendo melhor educação, comunicação, responsabilidade parental, cooperação, políticas internas (por exemplo, nas escolas), opções de segurança tecnológica, e apoio global.

No entanto, tendo estado no centro desta tempestade durante mais de uma década, cheguei infelizmente à conclusão de que, se queremos verdadeiramente preservar a saúde e o bem-estar dos nossos jovens e comunidades, precisamos de fazer algo mais drástico.

Em segundo lugar, para aqueles pais ou educadores que consideram isto demasiado restritivo da autonomia, ofereço mais alguns pontos de reflexão:

1) Não proponho que os menores não tenham telefones (por exemplo, em casos de emergência), mas sim que sejam impedidos de ter smartphones pessoais, que demonstraram ser os verdadeiros culpados de tudo isto.

2) Reconheço que se os pais optarem por utilizar as redes sociais, podem fazer essa escolha pelos seus filhos, se assim o desejarem (através da conta dos pais, não da criança).

3) Compreendo que a aplicação de tais políticas seria difícil para a aplicação da lei, que já se encontram amarradas de muitas maneiras. No entanto, a esperança é que ao apoiar pais e prestadores de cuidados a fazerem escolhas mais saudáveis para os nossos filhos, os efeitos decorrentes beneficiarão todos a longo prazo.

Discussão aberta

Em última análise, isto precisa de ser uma discussão aberta. Mesmo para além de todas as terríveis estatísticas e histórias de terror do público em geral, testemunhei pessoalmente demasiados jovens – mesmo os de famílias com grandes recursos, apoio e estabilidade – vitimizados pelo atual panorama tecnológico. Se houver uma forma melhor de regressar a um lugar saudável para a nossa juventude, sou todo ouvidos.

Entretanto, é tempo de não ter medo de fazer a coisa certa. Caso contrário, o que já é a questão mais importante que a nossa juventude enfrenta hoje em dia tornar-se-á em breve o problema mais importante com impacto em toda a nossa sociedade.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
CriançasInternettecnologia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia