Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 04 Outubro |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Archie Battersbee perde a batalha pela vida

Archie-Battersbee

Hollie Dance

Ricardo Sanches - publicado em 06/08/22 - atualizado em 06/08/22

Garoto de 12 anos, que estava em coma há quatro meses, morreu após a justiça britânica negar todos os apelos da família para manter o menino em suporte de vida

Sábado, 6 de agosto de 2022. Esse foi o dia que a justiça britânica escolheu para Archie Battersbee morrer. Às dez horas da manhã, os médicos do Royal London Hospital começaram a desligara os aparelhos que mantinham o garoto de 12 anos respirando. Duas horas depois, Archie partiu para a Casa do Pai.

Ao confirmar a morte, a mãe do garoto afirmou que estava orgulhosa do filho. “Um garotinho tão lindo, e ele lutou até o fim… Foi muito duro. Estou destruída. Fiz tudo que havia prometido ao meu filho”, disse Hollie Dance na porta do hospital.

Archie Battersbee estava em coma desde o dia 7 de abril de 2022, quando foi encontrado inconsciente na casa dele. A família acredita que o garoto estava fazendo o desafio de uma rede social conhecido como “apagão” (blackout challenge). Os participantes apertam o pescoço até perderem a consciência.

Os médicos o diagnosticaram com morte cerebral e queriam desligar os aparelhos que mantinham Archie vivo, mas a família não concordou. Os pais alegaram que o coração dele ainda batia e que ele chegou a segurar a mão da mãe.

Archie Battersbee
Archie Battersbee estava em coma há quase sete meses

A batalha pela vida

A família do garoto enfrentou várias disputas judiciais para tentar manter os procedimentos médicos de suporte de vida.

Na última segunda-feira, entretanto, a Justiça do Reino Unido autorizou o desligamento dos aparelhos. A sentença se baseava na alegação dos médicos de que o suporte de vida “não era do interesse do garoto”.

A família, então, recorreu a instâncias superiores para pedir que a decisão fosse revogada, mas não conseguiu. O Supremo Tribunal entendeu que, mesmo que o suporte de vida fosse mantido, a criança morreria nas próximas semanas por falência múltipla de órgãos e insuficiência cardíaca.

Como último recurso, os pais de Archie ainda solicitaram que ele fosse transferido para uma unidade de cuidados paliativos, a fim de que tivesse uma morte natural. Mais uma vez a justiça não atendeu ao apelo.

Justiça que decreta mortes?

Esta não foi a primeira vez que a justiça do Reino Unido decretou a morte de crianças em estado grave de saúde. Em 2017 e 2018 o tribunal autorizou o desligamento dos aparelhos que mantinham vivos, respectivamente, os bebês Charlie Gard e Alfie Evans.

Em 2021, outro caso absurdo: a vítima do autoritarismo dos magistrados do Reino Unido foi a pequena Alta Fixsler, de dois anos. Ela nasceu com uma lesão cerebral grave e, em vez de ser tratada com a máxima dignidade que cabe a todo ser humano, ganhou da justiça a supressão do suporte de vida.

Os pais dela também tentaram todos os recursos, inclusive transferi-la para Israel ou para os Estados Unidos. Tudo em vão. Nem mesmo a oferta de ajuda do Papa foi acatada pelos juízes britânicos. O suporte de vida da pequena foi desligado após a Suprema Corte decidir que a medida era do “melhor interesse” da criança, pois ela não teria chance de recuperação.

Tags:
BebêsCultura do descarteJustiçaMorte
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia