Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 07 Fevereiro |
Bem-aventurado Guilherme Saultemouche
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Por que não é certo dizer “não me julgue”

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Skeptical and judgmental father

Mix and Match Studio / Shutterstock

Michael Rennier - publicado em 19/12/22

Ser julgado é uma experiência preocupante, mas quando vem de uma pessoa em quem você confia, que o faz por amor, é sempre benéfico. Mas, afinal, o que é um bom julgamento? Como praticá-lo?

“Não me julgue”. Todo nós já ouvimos isso. Talvez também já tenhamos dito.

E a continuação inevitável é: “Estou apenas vivendo a minha verdade. Você vive a sua”. A primeira frase pelo menos me faz rir, a segunda só me faz balançar a cabeça.

O fato é que há uma virtude útil enterrada na atitude subjacente essas expressões.

Uma atitude excessivamente crítica, pelo menos para mim, é uma muleta. Eu julgo os outros para desviar a atenção de minhas próprias deficiências. Sou como o Mágico de Oz escondido atrás de uma cortina, puxando alavancas freneticamente para que você não perceba como sou arrogante e irritante. Enquanto eu fizer isso, podemos nos concentrar em quanta ajuda você precisa. Eu me beneficio do aumento temporário (e ilusório) da auto-satisfação.

É por isso que Cristo deixa claro que uma atitude de julgamento é prejudicial e até aconselha: “Não julgue”. O mesmo padrão que aplicamos aos outros inevitavelmente será aplicado a nós, então é melhor exercer a misericórdia e a bondade. Uma maneira simples de expressar isso pode ser dizer que há virtude em cuidar da própria vida, principalmente porque raramente temos conhecimento interno ou acesso aos detalhes necessários para fazer um bom julgamento sobre os outros.

Isso, no entanto, não significa que recusar-se a fazer qualquer julgamento sobre qualquer coisa seja o pináculo da moralidade.

Para fazer escolhas, quaisquer que sejam, devemos julgar o bem do mal. É necessário aderir a algum tipo de verdade coletiva que, embora seja reconhecido que todos nós não a alcançamos (portanto, sejamos gentis com isso), é, no entanto, um padrão real e objetivo. Toda ação é motivada por um valor. Uma pessoa íntegra alinhará ações e valores. Em outras palavras, fazemos escolhas todos os dias, e seria melhor tentarmos tornar essas escolhas morais.

Seremos todos julgados

Particularmente como católicos, temos um conjunto de valores compartilhados, uma meta estabelecida diante de nós, uma descrição do tipo de pessoa que somos chamados a nos tornar. Esse padrão, para resumir, é a imitação de Cristo. Nosso objetivo é ser como ele, e isso inclui valorizar o que ele valoriza. 

Hesito em apontar isso, mas no segundo advento de Cristo, sua vinda no fim dos dias, ele chegará como Juiz. Mesmo que eu consiga intimidar todos ao meu redor para que evitem me julgar e consiga negar qualquer sentimento de vergonha ou culpa, ainda não há como escapar. Todos nós seremos julgados. Essa é uma promessa do Advento.

A época do Advento é toda sobre a preparação para o julgamento. Estamos varrendo a casa e colocando tudo em ordem. Isso significa que devemos usar o julgamento. Acima de tudo, uma pessoa espiritualmente saudável julga suas próprias ações com introspecção e honestidade. Além disso, porém, os pastores são juízes no confessionário, em seu papel de fornecer conselhos morais sólidos e, às vezes, no púlpito, quando verdades difíceis precisam ser ditas. Os pais julgam as ações de seus filhos e aplicam a disciplina apropriada. Até mesmo os amigos devem se responsabilizar mutuamente, como ferro afiando ferro.

Não gosto de ser chamado a prestar contas, mas me beneficiei tremendamente no passado e fiquei feliz por isso ter acontecido. Ser julgado é uma experiência preocupante, mas quando vem de uma pessoa em quem você confia, que o faz por amor, é sempre benéfico.

A luta pelo autoaperfeiçoamento

Acho que a proibição generalizada de julgamento em nossa sociedade nada mais é do que uma maneira inteligente de evitar a luta pelo autoaperfeiçoamento. É um sintoma de esgotamento espiritual. Se você não olhar para dentro de si mesmo, nunca precisará fazer nenhuma mudança. 

Também pode ser o resultado da falta de conexões genuínas com outras pessoas em quem confiamos o suficiente para nos dizer a verdade quando precisamos ouvi-la.

Mesmo quando pronunciamos a frase “Não me julgue”, como se fosse uma queda de microfone, participamos da cultura do cancelamento online, que é o auge do julgamento. Esses casos de justiça popular raramente terminam com uma conclusão justa. São ações mais performativas para cimentar o pensamento de grupo e identificar a multidão do que qualquer outra coisa. E, mesmo quando um problema é levantado com precisão em um fórum público, é difícil obter perdão para o acusado. O perdão é quase impossível. Uma vez que você está fora, você está fora.

Essa forma de julgamento, que não se baseia em códigos morais objetivos, mas sim na tentativa de se encaixar na multidão, é um fenômeno que deve ser evitado. Tem muito pouco a ver com o julgamento exercido como uma virtude, que está enraizada na verdade e no amor. 

Então, o que é um bom julgamento e como podemos praticá-lo?

O Advento é a chave

Primeiro, somos lembrados no Advento que, quando Cristo nasceu, embora tenha vivido inocentemente, foi julgado injustamente durante toda a sua vida. Esse é o nosso aviso.

Em segundo lugar, somos lembrados, durante o Advento, que Cristo está voltando para julgar os vivos e os mortos – e ele o fará com precisão e justiça. Essa é a nossa esperança.

Quando fazemos julgamentos, o que todos devemos fazer todos os dias sobre nossas próprias ações e, às vezes, até mesmo sobre outras pessoas, há alguns princípios a serem lembrados. Estes são baseados tanto na advertência quanto na esperança motivada durante o Advento.

Julgamentos

Julgue-se primeiro. Julgue os outros com muito menos entusiasmo. Lembre-se de que muitas vezes carecemos de informações e contexto para formar opiniões. Temos preconceitos e nos deixamos levar pela emoção. Não permita que a fofoca envenene seu julgamento. Pense bem, lenta e pacientemente. Esforce-se para ver o bem nos outros. Julgue com generosidade e sempre assuma que os outros têm as melhores intenções. 

Permita a misericórdia. Julgamento não significa falta de perdão. Julgue menos e permita que Deus julgue mais. Realmente não precisamos ter opinião sobre tudo. Deixe isso para Deus.

Tudo isso não quer dizer que precisamos julgar menos. Muito pelo contrário, precisamos julgar mais, mas melhor, com mais paciência, bondade e amor. Esta é a lição do Advento: seremos inevitavelmente julgados no fim deste mundo, mas, se nos prepararmos com cuidado, seremos julgados prontos para o outro mundo.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
AdventoNatalRelacionamentoValoresVirtudes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia