Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 25 Abril |
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

Ele conseguiu abençoar seus algozes antes que eles abrissem fogo. Agora ele será beatificado

Giuseppe Beotti

Źródło: diocesipiacenzabobbio.org; montaż: Aleteia

#image_title

Anna Gębalska-Berekets - publicado em 15/06/23

"Se ainda não houver sacrifício para acabar com esta guerra, Senhor, leve-me!" - disse ele em 16 de julho de 1944 durante uma missa

O Papa Francisco reconheceu a trágica morte de um padre italiano como um martírio. Em julho de 1944, o jovem presbítero ofereceu sua vida pelos paroquianos de Sidolo di Bardi, em Parma, durante as rondas organizadas pelos soldados nazistas. Ele permaneceu com os seus até o fim. “Enquanto houver uma alma para cuidar, estarei em meu lugar” – explicou o padre Giuseppe Beotti.

Trajetória

Giuseppe Beotti nasceu em 26 de agosto de 1912 em Co di Sotto di Gragnano, na província de Piacenza, em uma família de camponeses. Quando a Primeira Guerra Mundial estourou, seu pai, Emilio, foi convocado para o exército. A mãe de Ernesto Mori passou a ter que cuidar de sua grande família. Entre 1916 e 1919, os três irmãos mais novos de Giuseppe morreram de difteria e gripe espanhola. Apenas duas irmãs mais novas, Maria e Savina, sobreviveram.

Desde a infância, Beotti sonhava em ser padre. Depois de terminar o ensino médio, ele entrou no Colégio Alberoni em Piacenza. Foi ordenado sacerdote em 1938 e começou seu ministério como vigário em Val Tidore, em Borgonovo, Itália.

Em seu trabalho pastoral, distinguiu-se por sua sensibilidade especial à situação dos necessitados. De acordo com testemunhas, o padre costumava enviar coroinhas com dinheiro para famílias pobres. Ele pedia a eles que não revelassem o remetente. O padre estava envolvido em trabalhos de caridade e na educação de jovens.

Jovem mártir morto pelos nazistas

Em 1940, ele se tornou pároco em Sidolo, no vale de Ceno, uma área que, junto com o vale de Taro, logo seria palco da repressão alemã. Seu vicariato estava sempre aberto ao povo.

O padre italiano era membro do movimento de resistência. Em seu ministério pastoral, ele fez de tudo para salvar o maior número possível de pessoas. Ele abrigou e resgatou soldados em fuga, prisioneiros de guerra, pessoas perseguidas, incluindo cem judeus que ele escondeu nas casas com a ajuda de seus paroquianos.

No domingo, 16 de julho de 1944, quando os nazistas já estavam em Borgotaro, ele disse na missa “Se ainda não houver sacrifício suficiente para que esta guerra termine, Senhor, leve-me!”. Os paroquianos lhe ofereceram a chance de fugir e se esconder na floresta; o padre recusou. Em seguida, ele ajudou um grupo de homens de Borgotaro que estavam famintos.

Em 20 de julho, os nazistas chegaram a Sidolo e incendiaram a cidade. Muitos moradores deixaram suas casas às pressas. O padre Giuseppe rezou na igreja junto com o clérigo Italo Subacchi e o pároco de Porcigatone, padre Francesco Delnevo. Às 16h15, os três foram executados. Beotti, segurando seu breviário com a mão esquerda, fez o sinal da cruz em direção aos nazistas com a direita.

O pároco permaneceu vigilante até o fim

Ele esteve próximo de seus paroquianos até o fim. Ele costumava dizer: “Enquanto houver uma alma para cuidar, estarei em meu lugar”. No local da execução, a poucos metros da igreja, há um monumento que relembra o martírio do pároco italiano.

No estágio diocesano, o processo de beatificação do Pe. Giuseppe começou em fevereiro de 2002. Em seguida, os procedimentos prosseguiram na Congregação para as Causas dos Santos, em Roma. O Papa Francisco aprovou um passo importante no processo com seu decreto de 20 de maio deste ano. De acordo com a decisão do Santo Padre, a morte do padre italiano será reconhecida como martírio.

“Este é um evento muito significativo para a comunidade cristã de Piacenza” – comenta Adriano Cevolotto, bispo da Diocese de Piacenza-Bobbio. O clérigo ressalta que, em um momento marcado por tantas incertezas sobre o futuro da humanidade, o testemunho do Pe. Giuseppe mostra que “somente o verdadeiro amor, como o amor de Cristo, permite olhar com esperança para o amanhã”.

“Seu desejo de permanecer na paróquia, apesar do risco de perder a vida, expressa o amor de um padre que zela por sua comunidade […]. O Pe. Giuseppe Beotti nos ajuda a entender que somente vivendo com o tipo de generosidade que se torna real no Evangelho é que podemos cuidar uns dos outros”, enfatiza o Bispo Adriano Cevolotto.

Tags:
GuerraHistória da IgrejanazismoSantos
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia