Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 17 Abril |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Como as crianças realmente se sentem quando os pais brigam

Konflikt w rodzinie

luboffke | Shutterstock

Małgorzata Rybak - publicado em 26/07/23

Um menino de sete anos escreveu em um pedaço de papel que deu ao terapeuta: “Eu choro até dormir. Minhas lágrimas são minha única companhia. Sinto-me sozinho. Meus pais brigam à noite". O pior é que a solidão não é o único sentimentos dos filhos de pais que brigam na frente deles

Não existem casamentos sem conflitos. No entanto, devemos levar em conta o que as crianças experimentam quando os seus pais brigam. Isso pode nos inspirar a aprender a processar divergências de forma a proteger certos limites e as necessidades dos outros membros da família.

O que as crianças real ente sentem quando testemunham um conflito entre seus pais?

Solidão e um mar de desamparo

Um menino de sete anos em terapia escreveu em um pedaço de papel que deu ao terapeuta: “Eu choro até dormir à noite. Minhas lágrimas são minha única companhia. Sinto-me sozinho. Meus pais brigam à noite”.

De fato, a solidão é um sentimento avassalador em tal situação. Quando os adultos estão se afogando em emoções (incluindo agressões), seus filhos não têm com quem contar. Os pais devem manter o equilíbrio emocional para que os filhos sintam seguros, independentemente de serem crianças ou adolescentes.

Somente pessoas calmas, que reconhecem e administram seus próprios sentimentos, podem fornecer uma base segura para que os filhos aprendam que o mundo é um lugar previsível. Consequentemente, quando os adultos enlouquecem e começam a gritar e insultar uns aos outros, o teto, as paredes e o chão do mundo interior de seus filhos desmoronam.

Nessas horas, as crianças não têm a quem recorrer em busca de apoio. E sentem medo (por exemplo, que a família se desfaça ou que alguém se machuque), raiva e tristeza (porque seus pais parecem não se amar). Em tal situação, pode parecer que estão sozinhos no mundo.

Os fardos dos adultos se tornam os fardos de seus filhos

Os limites das crianças são violados quando um conteúdo que não é apropriado para a mente delas chega aos seus ouvidos. Ao decidir “de quem é a culpa” ou “quem está certo”, ao falar violentamente sobre assuntos adultos, envolvemos nossos filhos em nosso relacionamento e nos nossos fardos. Quer gostemos ou não, os filhos começam a carregar nossos problemas não resolvidos como uma bagagem avassaladora.

As crianças se tornam confidentes de nossos medos sobre as finanças domésticas, testemunhas de nossa discussão sobre quem faz mais pela família, quem se preocupa mais com o relacionamento e quem machuca quem e quanto. Elas podem ouvir palavras de humilhação ou malícia. Ouvimos coisas que são um fardo para um adulto, quanto mais para uma criança…

Mamãe ou papai?

A necessidade natural das crianças ou dos jovens é poder amar ambos os pais. Os argumentos os obrigam a escolher com quem concordarão e quem defenderão. Ao fazer isso, eles também sentem que estão traindo um de seus pais. Porque, afinal, eles devem lealdade tanto à mãe quanto ao pai.

É uma situação trágica quando os pais arrastam seus filhos para uma discussão apenas para que eles decidam qual lado é justo. Pior ainda quando um dos pais faz um “pacto” com o filho contra o outro genitor , explicando porque “é impossível viver com ele”. Tal dano é abuso emocional – e é muito grave.

Jogando as necessidades das crianças de lado

Quando os pais brigam, os filhos se sentem completamente sem importância. E de certa forma eles têm razão: os pais estão invalidando as emoções dos filhos, sem se importar com os sentimentos que isso lhes causa.

Em uma casa cheia de conflitos, há pouco espaço para as necessidades das crianças. Eles começarão a colocar suas próprias necessidades em segundo plano. Os filhos também podem se sentir culpados porque mamãe e papai não se dão bem. Eles podem começar a pensar que, talvez, se tivessem se comportado melhor, estudado melhor ou comido com mais boa vontade, seus pais teriam sido mais felizes.

Em lares onde as brigas entre os pais estão na ordem do dia, as crianças também podem sofrer de doenças psicossomáticas. Afinal, elas carregam uma enorme carga de estresse em seus corpos. Goste ou não, os filhos também se tornam pacificadores informais. Eles podem pensar que podem fazer algo para evitar uma discussão, como brincar, distrair os pais ou agir como pacificadores. Eles estão prontos para acalmar até os menores precursores de conflito.

Além disso, esse medo do conflito às vezes se torna uma parte permanente de seu mundo interior. Eles conheceram os piores lados de seus pais, sem saber que duas pessoas podem ser diferentes e ainda assim conseguirem conversar com calma.

Bem-estar da criança versus o bem do casamento

O que isso significa para nós, como pais? Primeiro, é um convite para guardar conversas de adultos para quando seus filhos não estiverem por perto. Mas também é um chamado para resolver os problemas com antecedência, de preferência assim que eles surgirem. Esperar indefinidamente pode fazer com que cresçam até o tamanho de um iceberg.

Costuma-se dizer que o relacionamento conjugal deve vir em primeiro lugar, porque os filhos precisam de pais amorosos. Mas insisto que devemos colocar o bem das crianças em primeiro lugar, dando-lhes a oportunidade de ter uma relação profunda e de confiança com os adultos.

Talvez então seja mais fácil para nós encontrar a motivação para viver momentos difíceis no casamento de uma forma que seja capaz de salvar a frágil psique de uma criança de dois anos, sete anos ou adolescente.

E se falharmos? O mais importante é pedir desculpas e explicar que o que aconteceu não foi culpa da criança. Queremos que todos em nossa família se sintam importantes e necessários.

Tags:
CasamentoFamíliaFilhospais
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia