Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 20 Abril |
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

A beatificação da família Ulma nos lembra do valor de toda vida

Jozef and Wiktoria Ulma Polish Catholic couple beatification

EpiskopatNews | Flickr CC

Cyprien Viet - publicado em 14/09/23

Mortos pelos nazistas em 24 de março de 1944 junto com a família judia que abrigavam, os nove membros da família Ulma foram beatificados nesse domingo, em uma missa celebrada em seu vilarejo no nordeste da Polônia pelo cardeal italiano Marcello Semeraro, prefeito do Dicastério para as Causas dos Santos

Depois de um ano e meio vivendo juntos em uma atmosfera surpreendentemente alegre, apesar dos riscos de tal acolhimento, os membros da família Ulma, juntamente com seus oito anfitriões, a família Goldmann, foram todos massacrados em 24 de março de 1944 pelos nazistas e seus apoiadores, que não pouparam as crianças. Os pais da família Ulma, Jozef (44 anos na época da execução) e Wiktoria (32 anos), e seus filhos: Stanislawa (sete anos), Barbara (seis anos), Wladyslaw (cinco anos), Franciszek (três anos), Antoni (dois anos), Maria (um ano e meio) e um sétimo filho que Wiktoria deu à luz no momento de sua morte, cujo nome e sexo não são conhecidos.

Esse caso muito específico deu origem a uma série de perguntas, com alguns meios de comunicação se referindo à beatificação de uma criança in utero ou não nascida. Na realidade, a exumação do corpo de Wiktoria permitiu identificar a cabeça da criança, que havia saído do útero da mãe: portanto, considera-se que ela nasceu, nasceu e viveu, mesmo que por uma vida muito curta e por um momento trágico. Em 5 de setembro, o Dicastério para as Causas dos Santos reagiu emitindo uma nota afirmando que Wiktoria havia de fato dado à luz essa criança, que havia “recebido o batismo de sangue”.

O padre carmelita polonês Tadeuz Praskiewicz esclareceu a posição desse dicastério, com o qual ele colabora, em uma nota publicada em dezembro de 2022 no site da Conferência dos Superiores Maiores das Ordens Masculinas na Polônia.

“No que diz respeito ao batismo de desejo, podemos ter 100% de certeza de que os Veneráveis Pais certamente queriam que seu filho mais novo fosse batizado, assim como batizaram seus filhos nascidos antes, mas não puderam fazer o que queriam, porque antes de a criança nascer, eles se depararam com o martírio”, disse ele na época. “No que diz respeito ao batismo de sangue, podemos estar convencidos de que o filho mais novo dos Ulmas foi imerso nele”, acrescentou, colocando esse evento na esteira do massacre dos Santos Inocentes, venerado pela tradição da Igreja.

Uma fonte de esperança diante da perda de um filho

As noções de “batismo de sangue” e “batismo de desejo” foram reavivadas nos círculos teológicos desde que o Catecismo da Igreja Católica abandonou o conceito de “limbo”, uma noção definitivamente invalidada por um relatório da Comissão Teológica Internacional aprovado por Bento XVI em 2007.

Por gerações, a tradição do limbo significou que muitas famílias católicas afetadas pela perda de uma criança que nasceu morta ou morreu antes de ser formalmente batizada viviam em angústia pela salvação dessa criança, condenada a permanecer nesse estado intermediário entre o Céu e o Inferno em virtude de não ter recebido o sacramento. Essa visão agora é considerada errônea.

Para a especialista italiana do Vaticano Manuela Tulli, que escreveu um livro sobre a família Ulma, a inclusão dessa criança na lista dos abençoados é uma fonte de esperança para as famílias que perderam um filho.

“Isso nos lembra o valor da vida dos menores, das pessoas que tiveram a vida mais curta, cuja santidade a Igreja pode assim reconhecer”, explicou ela à agência I.MEDIA, lembrando que a data do massacre, 24 de março, na véspera da Festa da Anunciação, é um sinal escolhido pela Positio (o relatório do dicastério para as Causas dos Santos que estabeleceu o martírio da família Ulma, nota do editor). Hoje, na Polônia, 25 de março é o dia dedicado à “nova vida”.

Acolhida aos judeus: uma escolha feita por muitos católicos na Polônia

A história da família Ulma também é representativa da coragem demonstrada por muitas famílias polonesas durante a Segunda Guerra Mundial, que ofereceram hospitalidade aos judeus, às vezes vizinhos, colegas, amigos ou até mesmo estranhos em perigo, cuja acolhida foi muitas vezes motivada pelo desejo de viver as exigências do Evangelho de forma radical.

A Polônia é o país com o maior número de “Justos entre as Nações”, com 7.000 nomes oficialmente listados pelo Centro Yad Vashem em Israel, além de milhares de casos não documentados.

Algumas pesquisas sugerem que entre 160.000 e 360.000 poloneses correram o risco de abrigar judeus. Entre eles estavam 2.500 religiosos e religiosas e 700 padres diocesanos, muitos dos quais também foram deportados e pagaram com a própria vida. Após a beatificação de 108 mártires poloneses da Segunda Guerra Mundial por João Paulo II em 13 de junho de 1999, a beatificação da família Ulma é mais um lembrete do compromisso de muitos católicos poloneses contra o totalitarismo de Hitler.

De acordo com a agência polonesa KAI, cerca de 20.000 fiéis, 700 padres e 60 bispos participaram da celebração, domingo passado, em Markowa, o vilarejo no sudeste da Polônia onde a família Ulma viveu.

Conheça a família Ulma em imagens marcantes:

Tags:
FamíliaGuerraMártiresSantos
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia