Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Um kit de ferramentas para enfrentar a segunda temporada de “13 Reasons Why”

13 REASONS WHY
Compartilhar

Especialistas dão orientações e alertam para o aumento significativo das buscas na internet pelo termo “suicídio”

Em 2017, a Netflix lançou a série “13 Reasons Why” para uma audiência global, porém mais voltada aos jovens. A série provocou uma grande preocupação entre professores, psicólogos e pais de família, pois o tema retratado foi o suicídio de uma jovem.

Entretanto, um estudo publicado pelo Journal of the American Medical Association revelou que, depois que a primeira temporada da séria acabou, as buscas, na internet, pela palavra “suicídio” tiveram um aumento significativo.

Como resultado disso (e em preparação para o que possa vir com a segunda temporada da série, que já está no ar), uma liga internacional de especialistas em educação, saúde mental e prevenção ao suicídio publicou recomendações aos jovens, pais, educadores e profissionais de saúde.

Trata-se de um “kit de ferramentas” preparado pela SAVE (Suicide Awareness Voices of Education), uma organização internacional de prevenção ao suicídio. O material está em inglês e pode ser acessado aqui.

“Esperamos que a série fomente debates importantes e comportamentos mais positivos e saudáveis. Mas nos preocupa a possibilidade de a série ter resultados negativos para os jovens”, disse o diretor executivo da SAVE, Dan Reidenberg. Ele também sinalizou que “o uso do kit de ferramentas e dos recursos desenvolvidos ajudará a fomentar as conversas, identificar as pessoas em situação de risco e evitar tragédias inesperadas”.

Já o presidente da Associação Internacional para a Prevenção ao Suicídio, o doutor Murad Khan, disse: “A primeira temporada da série incluiu uma descrição detalhada sobre o suicídio e a violência. Ao criar um conjunto de ferramentas para jovens, adultos e profissionais, podemos demonstrar habilidades positivas e construtivas de enfrentamento e incentivar a recuperação e a esperança”, sublinhou o doutor Kahn.

Conselhos gerais aos pais sobre a segunda temporada de “13 Reasons Why”

A liga, liderada pela SAVE, dá os seguintes conselhos aos pais sobre a segunda temporada da série “13 Reasons Why”:

  1. Convencer os jovens em situação de risco (aqueles que sofrem de depressão ou ansiedade) a não assistirem à série. O conteúdo pode ser bastante perturbador para eles;
  2. Se seu filho for assistir, assista com ele. Sabemos que isso nem sempre é possível. Porém, ao fazê-lo, há a possibilidade de monitorar o impacto de cada episódio no jovem e avaliar se algum tema da série é muito perturbador. Você deve também refletir o conteúdo com seu filho;
  3. Se você não pode assistir à série com seu filho, pergunte se ele já assistiu. Se a resposta for sim, demonstre curiosidade pelas impressões que ele teve e esteja disposto a falar sobre seus pensamentos e sentimentos acerca do assunto. Deixe-o à vontade e mostre que você está lá para ouvi-lo e ajudá-lo;
  4. Atenção aos jovens que podem ser vulneráveis a alguns argumentos da série. Converse com seu filho mais de uma vez durante várias semanas depois que ele assistiu ao programa, já que o impacto das emoções pode levar dias para se manifestar e as reações podem acontecer depois que eles conversarem com os amigos sobre o assunto;
  5. Lembre aos jovens que ficção e realidade são diferentes. Ajude-os a compreender que o que eles veem e ouvem na TV não é vida real, mas uma história escrita com o objetivo de capturar a atenção da audiência. É fundamental que eles compreendam que os resultados da série não devem ser os resultados deles na vida real;
  6. Identifique, na sua comunidade, um local onde é possível encontrar ajuda, caso necessário. Pode ser um posto de saúde, um profissional de saúde mental, conselheiros da escola ou um serviço telefônico de prevenção e auxílio. Saber a quem recorrer para obter apoio é uma boa estratégia de prevenção.