Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 20 Janeiro |
São Sebastião
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Brasil: AGU e MEC dão parecer favorável a proibir “linguagem neutra”

Ideologia de gênero e linguagem neutra

Shutterstock

Francisco Vêneto - publicado em 07/12/21

Dois Estados legislaram contra a deformação ideológica da língua portuguesa, que fomenta a mesma divisão que alega combater

A assim chamada “linguagem neutra” ou “inclusiva” é uma deformação ideológica da língua portuguesa que, alegadamente, combateria “preconceitos linguísticos” substituindo o masculino e o feminino gramaticais por artificialidades supostamente “neutras”, representadas por letras como “e” ou “x”. Em vez de “todos” ou “todas”, por exemplo, seria imposta à gramática portuguesa a forma inexistente “todes” ou a impronunciável forma escrita “todxs”.

Ao defenderem esta ideologização da gramática, os ativistas de esquerda que a promovem alegam que o idioma não inclui as pessoas que se consideram não binárias.

Vários países, mesmo liberais, como a França, já restringiram esse tipo de intromissão ideológica na gramática. No Brasil, dois Estados já legislaram contra a “linguagem neutra”.

Rondônia a proibiu na grade curricular, no material didático de instituições de ensino públicas ou privadas e nos editais de concursos públicos.

Santa Catarina a proibiu nos concursos públicos e nos documentos oficiais dos órgãos da administração pública e das instituições de ensino, vedando “novas formas de flexão de gênero e de número das palavras da língua portuguesa em contrariedade às regras gramaticais consolidadas”.

O caso da legislação de Rondônia ainda está em apreciação. O ministro Luiz Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), a suspendeu mediante liminar, levando a decisão ao plenário virtual da corte. Os ministros têm até a próxima segunda-feira para se manifestar a favor ou contra a suspensão da lei rondoniense.

Já no caso de Santa Catarina, o decreto do governo estadual, emitido em junho, continua em vigor, mas é questionado desde julho pelo Partido dos Trabalhadores (PT), que alega que ele “viola os direitos à igualdade, à não discriminação, o princípio da dignidade da pessoa humana e o direito à educação”.

A linguagem neutra na pauta do STF

Em outubro, o ministro Kassio Nunes Marques, também do STF, determinou, como relator da ação relativa ao decreto catarinense, que a Procuradoria-Geral da República (PGR) e a Advocacia-Geral da União (AGU) se manifestassem a respeito. Enquanto a PGR ainda não apresentou a sua manifestação, a AGU se posicionou favorável à proibição da “linguagem neutra” com base em dois pareceres do Ministério da Educação (MEC).

O documento da AGU foi assunto de matérias veiculadas pela imprensa brasileira nesta manhã. O texto registra:

“Conforme destacou o Ministério da Educação, as modificações referentes à linguagem neutra, por serem alheias ao uso corrente da língua, também são alheias ao cotidiano de crianças, jovens e adultos da sociedade brasileira em geral. ‘Ou seja, correspondem, na prática, à inserção de conteúdos estranhos à realidade das crianças, o que é reconhecidamente um dificultador da aprendizagem’. Conclui-se, portanto, que o decreto estadual corrobora as diretrizes nacionais vigentes e resguarda a utilização da linguagem culta em documentos oficiais de forma compatível com a orientação normativa federal”.

De fato, o Ministério da Educação também apontou que a “linguagem neutra” é uma espécie de “língua artificial diversa da Língua Portuguesa, e a proibição se deu em contextos bastante específicos – isto é, para concursos públicos e para o ambiente escolar”.

A AGU reconhece ainda que os gêneros gramaticais masculino e feminino “não se vinculam à descrição de seres do sexo biológico masculino ou feminino, porquanto as palavras da língua portuguesa pertencentes ao gênero gramatical feminino podem designar seres do sexo masculino e vice-versa (…) O uso da forma supostamente masculina para certas formulações genéricas, como acontece, por exemplo, com a utilização da palavra ‘todos’ para abranger diversas pessoas de gêneros distintos, não corresponde, necessariamente, ao masculino biológico”.

O MEC cita exemplos: “uma ‘parede’ não tem em si nada de mais feminino do que teria um ‘muro’, nem o ‘planeta’ seria mais masculino que uma ‘bola’. O que ocorre é que, como já demonstrado, todos os nomes da língua, pelo funcionamento de sua gramática, estão numa das categorias de gênero gramatical existentes”.

Linguagem neutra e outras “revoluções culturais” ditatoriais

Os surtos de recatalogação e rotulação de tudo o que existe para se encaixar em visões ideológicas não tem nada de novo – e, contraditoriamente, costuma ser promovido de modo impositivo e agressivo por grupos que se dizem promotores da “tolerância” e da “inclusão”. Isto implicou, em diversos momentos da História, tentativas de destruir os legados culturais que desmentem a versão artificial da realidade imposta por esses grupos.

Ditaduras como a do Partido Comunista Chinês e a do clã genocida que comanda a Coreia do Norte impuseram a sua “revolução cultural” cuja “tolerância” fuzila quem ousa questioná-la, e a União Soviética e seus satélites foram pródigos em proibir violentamente tudo o que se contrapunha ao seu pensamento único.

Entre espetáculos públicos protagonizados pela guilhotina após condenações perfeitamente sumárias de dissidentes, os ditatoriais promotores da “liberdade, igualdade e fraternidade” na Revolução Francesa impuseram até uma falida mudança obrigatória nos nomes dos meses do ano, visando simbolizar a “quebra da ordem antiga” e o início de uma “nova era”.

Em clássicos da literatura que criticam os regimes ditatoriais, como “1984” ou “Admirável Mundo Novo“, uma constante que nada tem de fictício é a descrição de sociedades redesenhadas de cabo a rabo pela ideologia – e a “novilíngua” é um dos ingredientes dessa nova “inclusão” imposta goela abaixo.

Os 56 gêneros do Facebook

Em 2014, o Facebook disponibilizou para os perfis dos seus usuários a possibilidade de escolherem entre nada menos que 56 “identidades sexuais” em vez de “apenas” os “tradicionais” feminino e masculino. A lista foi obra do Facebook Diversity, um departamento da empresa de Mark Zuckerberg criado para “analisar, interpretar e promover a diversidade social, cultural, política e religiosa em geral”. Os critérios usados vieram dos Princípios de Yogyakarta, uma regulação internacional adotada pela ONU em 2006 para promover a ideologia de gênero. Entre os rótulos oferecidos, havia opções como pangêneros, trans-humanos, inter*fêmeas e outros mais de cinquenta.

O uso de tantos prefixos e sufixos para rotular pessoas que alegavam não querer ser rotuladas foi empregado por um deputado alemão como forma de questionamento prático da sua aplicabilidade. Steffen Königer, do partido Alternativa para a Alemanha (AfD), tachado como de “extrema-direita populista”, começou o seu discurso com as protocolares saudações, acrescidas das variações ideológicas: “Caro senhor presidente da câmara, senhoras e senhores, caros homossexuais, caras lésbicas, caros andróginos, caros bigêneros…”. E não parou até listar dezenas de “identidades de gênero”, o que levou mais de dois minutos.

O presidente da assembleia resolveu interrompê-lo: “O senhor vai permitir que lhe façam perguntas?”. Königer respondeu: “Ainda não terminei a minha introdução, senhor presidente. Desculpe-me”.

Depois da sessão, cujo vídeo se tornou viral no mundo inteiro, Steffen Königer declarou ao jornal Junge Freiheit que a sua intenção era ilustrar o resultado de se aceitar a catalogação de tantos assim chamados “gêneros”: “Eu poderia ter lido cem ou mais ainda, mas teria sido entediante”. Ele já tinha enunciado mais de cinquenta dos chamados “novos gêneros” e confirmou ter usado a lista oferecida pelo Facebook para o preenchimento dos perfis de usuário.

A realidade manda lembranças

Enquanto isso, no mundo real, homens, mulheres e crianças de todas as idades, etnias, cores e realidades sociais continuam batalhando por trabalho, sobrevivendo com menos recursos do que o adequado para uma qualidade de vida civilizada, enfrentando filas em postos de saúde, sofrendo com a violência e com atos objetivos de discriminação, desperdiçando horas e horas diárias em engarrafamentos causados por mau planejamento da mobilidade.

Mas a “inclusão” e a “tolerância” consistem, segundo ideólogos, ideólogas, ideólogues e ideólogxs, em impor ainda mais etiquetas, rótulos e divisões artificiais à humanidade.

Tags:
IdeologiaPolíticaSociedade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia