Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 04 Julho |
São Raimundo Gayrard
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Como entender o aumento de casos e a diminuição de mortes por Covid

WEB2-MASK-OFF-STREET-shutterstock_1729336894.jpg

Dragana Gordic I Shutterstock

Octavio Messias - publicado em 05/06/22 - atualizado em 03/06/22

Ao mesmo tempo em que país teve alta de 78% de infecções, graças à vacina, maio foi o mês com menos óbitos pelo vírus em toda a pandemia

Desde meados de março, quando a pandemia completou dois anos e as medidas restritivas foram abandonadas quase por completo, a impressão é de que não existe mais Covid. Bares e restaurantes lotados, jogos e eventos em estádios também, shoppings apinhados de gente e aquela euforia da vida voltando ao normal. Com a maioria das pessoas sem máscara. Realmente conheço poucos que não estejam se regozijando de poderem voltar a sair, passear, ver gente e confraternizar com aqueles de quem gostam.

Mas, para nossa frustração, os números de infecções de Covid-19 voltaram a saltar. Durante o mês de abril foi registrado. Em 26 de abril, a média móvel foi de 14.600 novos diagnósticos nos sete dias anteriores. Já em 31 de maio, o número saltou para 26.032. Epidemiologistas já falam em uma quarta onda da doença e apontam a diminuição na imunidade oferecida pelas vacinas, que é de dois meses em média, o afrouxamento das medidas preventivas  

Quando pensamos em números absolutos, 26 mil casos em uma população de 210 milhões de pessoas realmente pode não parecer grande coisa. Mas basta lembrar que a Covid começou, supostamente, com um único caso na China e em poucos meses se alastrou por todo o planeta. Ou seja, talvez seja cedo para alarde, mas é prudente retomar alguns cuidados básicos, como usar máscara em locais fechados e evitar aglomerações desnecessárias.

Queda histórica

Entretanto, ao mesmo tempo o número de casos teve aumento de 78,3%, o número de mortes sofreu uma queda histórica no último mês de maio. Foram 3.176 óbitos registrados por Covid, o menor número mensal de mortes desde o começo da pandemia. Então como explicar a tendência aparentemente contraditória entre números de casos e mortes no país? Simples: vacina.

“As vacinas não são instrumentos mágicos de cura, mas representam certamente, junto aos tratamentos que estão sendo desenvolvidos, a solução mais razoável para a prevenção da doença”, disse Papa Francisco, em seu tradicional discurso no início do ano ao corpo diplomático, em janeiro deste ano. “É importante que os esforços continuem para imunizar a população o máximo possível.”

Proteção

Com 78,2% dos brasileiros tendo tomado ao menos a primeira dose e 60,7% totalmente vacinada, o vírus segue se disseminando, mas mata bem menos quando o infectado já está imunizado. Quanto mais doses, maior a proteção. De modo que voltamos a aglomerar como se não houvesse amanhã, especialistas já falam em uma quarta onda da doença e mesmo assim, o número de mortes segue em descendência.

Por isso é importante se manter atualizado com relação às vacinas. Todos os grupos etários já foram contemplados com a terceira dose e maiores de 60 anos e os membros do chamado grupo de risco com a quarta. Ontem o Ministério da Saúde autorizou a quarta dose para maiores de 50 anos, a medida já está em prática no Distrito Federal e em algumas cidades como Maceió.

Pelo visto ainda vamos conviver com um bom tempo com o vírus da Covid-19. Mas, nesta quarta onda, temos a vacina como arma. Façamos máximo uso dela para os efeitos não serem tão devastadores quanto nas anteriores. 

Tags:
CovidInformações sobre vacina contra COVID-19Saúde
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia