Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 23 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Por que o Papa vai à República Democrática do Congo?

POPE-FRANCIS-TRAVEL-RDC-AFP-000_337Q3EG.jpg

Arsene Mpiana / AFP

Le pape François sera en RDC du 31 janvier au 3 février 2023.

Hugues Lefèvre - publicado em 30/01/23

Para sua 40ª viagem ao exterior desde 2013, o Papa visita a República Democrática do Congo e o Sudão do Sul de 31 de janeiro a 5 de fevereiro. Em uma RDC devastada pelo conflito, o Papa quer levar uma mensagem de paz e conscientizar sobre as tragédias que ocorrem no leste do país. Sua viagem é também uma oportunidade para encorajar o maior país católico da África, um continente onde os cristãos evangélicos estão em ascensão. Entenda:

“Eu peço perdão a vocês”. 12 de junho de 2022, em frente a uma Praça de São Pedro lotada, o Papa fala da janela do Palácio Apostólico durante o Angelus dominical. Dois dias antes, a Santa Sé havia anunciado o cancelamento da viagem à RDC e ao Sudão do Sul, prevista para julho. Oficialmente, a razão do Papa para cancelar a viagem foi “não comprometer os resultados das terapias do joelho ainda em andamento”. Mas é também por causa da situação de segurança no leste da RDC que os organizadores da viagem decidiram adiar a viagem.

O Papa insistiu em reagendar rapidamente a viagem para honrar um país de mais de 105 milhões de pessoas, metade das quais são católicas. “O início de 2023 foi a última janela possível para ele vir, já que as eleições estão previstas para o final do ano, e a Santa Sé não quer influenciar seu curso, nem ser usada como instrumento”, diz uma fonte diplomática, que classifica esta viagem na mesma linha das grandes viagens de Francisco ao Iraque em 2021 ou à República Centro-Africana em 2015.

Na véspera desta viagem, o Cardeal Secretário de Estado Pietro Parolin, equivalente do Papa ao Primeiro-Ministro, disse que o pontífice estava voando para a África como um “peregrino da paz e da reconciliação”. Deve-se dizer que a RDC é flagelada pela pobreza endêmica – a antiga colônia belga foi classificada em 175º lugar entre 189 no Índice de Desenvolvimento Humano das Nações Unidas de 2020. E a situação de segurança é igualmente crítica, especialmente no leste do país, onde o Papa inicialmente quis visitar.

Rompendo com a indiferença

“O local onde o Papa deveria celebrar a missa em julho passado está agora na linha de frente”, diz o bispo de Goma, Willy Ngumbi. Durante vários meses, sua diocese foi cortada em duas, com uma parte agora nas mãos dos rebeldes do M23, um poderoso grupo armado formado em março de 2009 e composto essencialmente de cidadãos do norte do Congo, que acusam a RDC de marginalizar sua minoria Tutsi.

A região rica em minerais é presa de dezenas de milícias que prosperam em função de interesses étnicos e econômicos. “Aldeias, escolas, instalações médicas… os rebeldes da ADF/MTM [um grupo que alguns filiam ao Estado Islâmico, N. do E.] matam com facas, pilham propriedades, levam crianças, jovens, adultos, mulheres e homens com eles para transportar os bens saqueados… Depois ateiam fogo às casas e outras propriedades antes de retirar-se”, descreve, por exemplo, Dom Melchisédech Sikuli, bispo da diocese de Butembo-Beni, também no Kivu Norte.

Podemos falar de milhões de mortes ao longo dos últimos 30 anos. E o que é incrível é que isto está acontecendo diante da maior indiferença

Por trás dessas milícias fortemente armadas estão também os interesses das potências vizinhas. “Ruanda tem uma Bolsa especializada em ouro… No entanto, Ruanda não produz um único grama de ouro em seu território”, murmura um diplomata, horrorizado com todas as tragédias que acontecem no leste da RDC. “Podemos falar de milhões de mortes durante os últimos 30 anos. É abominável… E o que é incrível é que isto está acontecendo diante da maior indiferença”, lamenta, vendo a visita do Papa como uma oportunidade de conscientização.

Tendo tido que desistir de sua viagem ao Kivu do Norte, o Papa de 86 anos quis conhecer pessoalmente as vítimas do leste do Congo em Kinshasa, a capital, onde passará três noites. Este será um dos destaques da viagem. “Haverá meninas que foram abusadas, levadas para as florestas pelos rebeldes para serem escravas sexuais”, diz o Bispo Willy Ngumbi, que também acompanhará ex-crianças-soldados, outras que foram obrigadas a trabalhar nas minas ou vítimas da erupção vulcânica de maio de 2021 que atingiu a região de Goma.

Em seus discursos, que alguns preveem ser fortes, espera-se que o Papa levante um grito de paz. Mas ele também poderia criticar mais uma vez a atitude do Ocidente em relação à exploração dos recursos naturais da África. Em uma extensa entrevista à revista Mundo Negro, da congregação comboniana, o Papa já denunciou em meados de janeiro a persistência de uma mentalidade colonial em relação à África. Alguns dias depois, ele apareceu nas colunas da agência AP, explicando que os países africanos certamente haviam obtido a independência do solo, mas “o subsolo foi deixado nas mãos dos colonizadores que chegaram mais tarde”.

Encorajando o maior país católico da África

No dia seguinte à sua chegada à RDC, espera-se que o Papa Francisco celebre a missa diante de mais de um milhão de fiéis reunidos na pista do aeroporto de Kinshasa. Um momento de alegria para um país onde vivem quase 50 milhões de católicos, ou seja, 20% dos católicos do continente africano. Primeiro país católico francófono do mundo, este imenso território assistiu à chegada dos primeiros missionários portugueses logo no final do século XV.

A presença da Igreja se intensificou ao longo dos séculos e hoje a instituição possui uma rede única de infra-estruturas de saúde e educação – ela administra quase um terço das escolas públicas do país e 40% de seus estabelecimentos de saúde, de acordo com o Grupo de Estudos do Congo. Esta posição lhe permite compensar o máximo possível as deficiências das autoridades públicas. “Na RDC, quando o Estado não está lá, a Igreja entra”, diz um jesuíta congolês.

Neste país, que conquistou a independência em 1960, a Igreja também assumiu regularmente a defesa do Estado de direito contra os sucessivos poderes autoritários. Em 2015, a poderosa conferência episcopal da RDC, CENCO, se lançou na batalha por uma transição democrática após 15 anos de governo de Kabila. Tendo obtido – com a ajuda da mobilização maciça de milhares de leigos – a realização de eleições no final de 2018, enviou então 40.000 observadores ao território para garantir o bom andamento da votação.

Mas o resultado da votação escapou à instituição, que inicialmente não reconheceu a eleição de Felix Tshisekedi como presidente, garantindo que o verdadeiro vencedor fosse Martin Fayulu. O Arcebispo de Kinshasa, o futuro Cardeal Fridolin Ambongo, condenou uma “negação da verdade”, considerando que Kabila havia de fato designado Félix Tshisekedi como seu sucessor.

Esperamos que o Papa Francisco nos lembre que as eleições devem ser livres e transparentes, sem corrupção

Para evitar a paralisia e ver as grandes potências ocidentais reconhecerem Tshisekedi, os bispos da RDC acabaram aceitando a chegada do novo presidente. Através deste fracasso, alguns não hesitaram em dizer que a Igreja na RDC tinha autoridade, mas pouco poder.

Com as eleições que se aproximam do final do ano, alguns querem que o Papa Francisco transmita uma mensagem clara. “Esperamos que ele nos lembre que as eleições devem ser livres e transparentes, sem corrupção”, diz o Bispo Willy Ngumbi. Mas outros são mais céticos sobre a capacidade do Papa de fazer tal apelo. “Seria desacreditar o atual presidente, que inicialmente não foi reconhecido pelo clero… No entanto, o tempo passou e a Igreja e o governo estão agora tentando ser construtivos porque os desafios são tão imensos”, diz um diplomata.

Encontrando as palavras certas

O Papa também terá que encontrar as palavras certas para encorajar uma Igreja Católica fortemente desafiada pela ascensão dos cristãos evangélicos. O Vaticano estima que 22% da população congolesa é protestante e 19% pertencem aos círculos evangélico e pentecostal. O número de católicos continua a crescer, mas a um ritmo mais lento do que a população total do país.

Em uma nota do IFRI escrita em 2018 sobre a Igreja na RDC, Laurent Larcher já advertia: “A África é um continente onde a Igreja Católica deve demonstrar sua determinação e eficácia na defesa da justiça social e da boa governança, num momento em que os novos movimentos juvenis pensam que falhou nesta área: quando não a julgam demasiado tímida”.

Tags:
ÁfricaCatólicosPapa Francisco
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia