Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Alfie Evans: pais do bebê mártir receberão prêmio por defender a sua vida

Alfie e família
Alfie's Army
Compartilhar

O Estado britânico literalmente impôs uma sentença de morte ao bebê doente, apesar da batalha heroica dos jovens pais para tratá-lo na Itália

O bebê Alfie Evans mobilizou o planeta Terra nos primeiros meses de 2018 com sua épica batalha pela vida. O menino britânico de 23 meses sofria de uma rara condição neurológica degenerativa que os médicos nunca conseguiram diagnosticar com clareza. Ainda assim, a equipe do hospital Alder Hey, de Liverpool, onde ele ficou internado de dezembro de 2016 até abril de 2018 em “estado semivegetativo”, “decidiu” que era “de seu melhor interesse” desconectá-lo do suporte vital e deixá-lo morrer.

Os pais, os jovens Tom Evans e Kate James, travaram uma guerra judicial com o hospital e recorreram diversas vezes a todas as instâncias possíveis dos tribunais do Reino Unido, bem como ao Tribunal Europeu de Direitos Humanos em Estrasburgo. Eles queriam a autorização para levar o menino a outro centros médicos que voluntariamente se dispuseram a acolhê-lo e tratá-lo. Um desses centros era o Hospital Pediátrico Bambino Gesù, situado em Roma e vinculado ao Vaticano. Outro era o Instituto Neurológico Carlo Besta, de Milão, também na Itália. Todos os pedidos da família, porém, foram recusados pelos juízes sob a mesma e ultrajante alegação: lutar pelo direito básico à vida, ainda que com chances remotas de sucesso, não seria “do melhor interesse” de Alfie. Segundo a “justiça britânica”, os pais e o bebê não tinham sequer direito a tentar. Segundo a “justiça britânica”, ser morto era a melhor (e única) “opção” de um cidadão britânico de 23 meses, em pleno século XXI, quando ele mais precisava de apoio e respeito elementar.

Em 24 de abril de 2018, Alfie Evans foi desconectado dos aparelhos que o ajudavam a respirar. Contra todos os prognósticos, ele conseguiu resistir vivo durante quatro dias.

Tom Evans e Kate James receberão neste sábado, 20 de outubro, um dos prêmios da associação espanhola Hazte Oír, que defende a vida contra as muitas ameaças que ela enfrenta em nossos autoproclamados “tempos democráticos”.

Também serão premiados:

Teresa Agulló: a senhora espanhola da localidade de Callosa de Segura foi multada pela prefeitura porque projetou uma cruz de luz, a partir da sacada de sua casa, sobre a fachada da igreja do bairro. A iniciativa, apoiada pela paróquia, foi realizada depois que a prefeitura mandou retirar indevidamente a cruz que estava colocada havia décadas na parte exterior do templo.

Luis del Pino e Cake Minuesa, jornalistas;
Javier Ortega Smith, advogado e secretário geral da VOX;
as Forças Armadas Espanholas;
Gabriel Araujo, pai que se recusou a aceitar a doutrinação ideológica de seu filho na escola.

____________

Com informações de ACI Digital