Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

China é acusada de oferecer dinheiro a quem denunciar igrejas cristãs

© Renato Ganoza / Flickr CC
Compartilhar

A perseguição aos cristãos estaria usando a pandemia de covid-19 como mais uma desculpa para ordenar o fechamento definitivo de igrejas

O site Bitter Winter, especializado em monitorar a perseguição religiosa perpetrada pelo Partido Comunista Chinês (PCC), em particular contra os cristãos, publicou no começo deste mês um relatório em que aponta que o regime imposto à China está aproveitando a pandemia de covid-19 para intensificar a repressão contra as igrejas.

Segundo o relatório, o Departamento de Assuntos Religiosos da província de Jilin, no nordeste chinês, emitiu em fevereiro uma solicitação às autoridades locais para investigarem as igrejas e coletarem informações sobre a sua data de estabelecimento, quem são os responsáveis e qual é o tamanho das congregações, num primeiro passo para fechá-las por completo. O governo da província planejaria fechar também os seminários, jardins de infância, escolas regulares e grupos de catequese, além de suprimir a veiculação de atividades religiosas pela internet.

Todd Nettleton, porta-voz de outro grupo que monitora perseguições religiosas mundo afora, o Voice of the Martyrs (VOM), declarou em março a respeito deste mesmo panorama:

“A China agora está se mostrando como um modelo para combater o coronavírus, mas combater a pandemia não impediu as autoridades comunistas de perseguirem os cristãos”.

De fato, sempre segundo o Bitter Winter, o grupo governamental de combate ao coronavírus em Nenjiang, na província de Heilongjiang, reforçou em fevereiro a proibição de que indivíduos e grupos organizem quaisquer atividades religiosas não autorizadas, ou seja, todas aquelas que não seguirem as estritas diretrizes do Partido Comunista Chinês. A mesma determinação pede que o Departamento de Trabalho da Frente Unida “feche resolutamente os locais religiosos ilegais”, além de oferecer recompensa financeira aos moradores locais que denunciarem os locais de culto.

A epidemia de coronavírus, assim, estaria servindo como contexto facilitador para o PCC continuar perseguindo os cristãos não submissos às suas diretrizes, por representarem uma ameaça ao regime ateu e materialista centralizado em Pequim. Segundo o Bitter Winter, as autoridades locais alegam seguir ordens do governo central para fechar as igrejas.

Boletim
Receba Aleteia todo dia